22 de outubro de 2006

Lições da Reeleição de Lula

Lições da Reeleição de Lula

Augustus Nicodemus

As primeiras pesquisas após o primeiro turno dão vitória de Lula sobre Alckmin no segundo. Inclusive por margem maior. Espero estar errado, mas tenho um pressentimento de que, desta feita, as pesquisas estão certas. Tenho lido diversos artigos nos jornais e revistas de grande circulação dando as causas dessa vitória, apesar dos escândalos no qual o partido de Lula e seu círculo íntimo de colaboradores estão envolvidos até o pescoço. Nenhum deles, evidentemente, analisa o fenômeno do ponto de vista da fé cristã reformada.

Se Lula for reeleito, será pela vontade de Deus. Como não sou teólogo relacional, não posso dizer “Deus não tem nada a ver com a reeleição de Lula”. Tenho que assumir as implicações da minha crença que o Deus da Bíblia domina e guia a História conforme o seu soberano querer. É Ele quem põe e depõe os reis e os que estão em autoridade, qualquer que seja o sistema — inclusive aquele que exalta o livre arbítrio do povo, o voto direto.

Como “não há autoridade que não proceda de Deus” (Romanos
13), entendo que isso inclui as que forem corruptas, déspotas, mentirosas e injustas. O imperador de Roma era Nero quando Paulo escreveu essas palavras. Devemos, todavia, refletir nas razões pelas quais Deus permitiria que um governante sob intensas suspeitas de corrupção e mentiras continuasse no poder em um país democrático cujo povo teria o poder do voto para tirá-lo de lá. Estou falando do Brasil, é claro. Desconheço, como os demais calvinistas, que motivos específicos Deus teria para isso, mas posso pensar em algumas razões gerais, a partir da revelação que Ele nos deu na Bíblia:

1. Juízo sobre nós. A Bíblia ensina que um dos castigos que Deus envia sobre um povo que se recusa a reconhê-Lo é entregá-lo às corrupções e desejos de seus corações. Veja a expressão “Deus os entregou…” três vezes em Romanos 1, quando Paulo diz de que forma Deus retribuiu a rejeição da sua revelação natural por parte da cultura de sua época. A cegueira moral e espiritual que é própria da humanidade decaída se torna ainda mais acentuada quanto a graça preventiva de Deus, aquela que permite que ainda tenhamos alguma lucidez, sensatez e verdade nesse mundo, é retirada. Povos cegados elegem governantes sem levar em conta questões morais e espirituais. Uma eventual reeleição de Lula em meio a todos esses escândalos pode indicar o juízo de Deus sobre nós como nação.

2. Expor a hipocrisia da nossa cultura. Todo mundo está atacando Lula e tentando desqualificá-lo com base no seu [suposto] envolvimento em todos esses escândalos. Mas, convenhamos: qual a base para se clamar por honestidade, sensibilidade, verdade, sinceridade, integridade e altruísmo na política se estes são conceitos considerados relativos e subordinados ao pragmatismo individualista, conforme a mentalidade de nossa época? Qual a base para se clamar por moralidade, verdade e honestidade em nosso país se o ser humano é visto como fruto do meio e da seleção natural, onde sobrevivem os mais aptos, leia-se, os mais espertos, independentemente dos meios que se utilizam para isto? Mesmo que Lula não seja reeleito, já ficou exposta a nossa hipocrisia, a hipocrisia inclusive do povo indignado, povo do jeitinho, que fura fila, avança farol, sonega impostos, tira vantagem quando pode. A doutrina da depravação total silencia nossa voz, especialmente quando encontramos os escândalos da corrupção dentro do próprio arraial evangélico.

3. Mostrar que nem todos os brasileiros são tão pragmáticos assim. Lula será reeleito não somente pelo povão, mas pelos intelectuais, pelos universitários, pelos artistas, pelos formadores de opinião. Penso que uma razão possível é porque são pássaros da mesma plumagem. São de esquerda. A minha ficha caiu quando vadiando pelo Orkut numa sexta-feira a noite, sem ter nada para fazer, acabei caindo numa comunidade onde reconheci uma foto de uma jovem intelectual nordestina, filha de amigos meus, cuja foto orgulhosamente trazia ao peito um “Lula 13. Há brasileiros ideológicos, que se orientam por princípios e convicções. É verdade que esses princípios e convicções foram forjados pela propaganda socialista-comunista que sempre permeou nossa cultura. Como a Norma Braga costuma dizer, e com razão, não há um pensamento legitimamente conservador na política brasileira. Há milhões de brasileiros que são de esquerda, cujas idéias são as mesmas do PT e da agenda de Lula, embora ele, para muitos, já abandonou ideologia há tempos. Para quem pensa ideologicamente, roubalheira e corrupção acaba ficando em segundo plano em nome da sinergia doutrinária. Muitos se decepcionaram com o PT e com Lula, mas continuam de esquerda. E isso vai falar mais alto. A reeleição de Lula mostra que os reformados erraram quando julgaram que os brasileiros estão interessados mesmo é em tirar vantagem das coisas.

4. Para repreender a Igreja evangélica. Lula recebeu um monte de cantores evangélicos no Planalto. Que vergonha! Mas, quão previsível! Afinal, há dezenas de evangélicos envolvidos nos escândalos de corrupção descobertos pela Polícia Federal e pelas CPIs. Segundo o IBGE de 2000, agora pelo ano 2006 os evangélicos deveriam estar na casa dos 20 milhões. É um número considerável. Somos uns dos maiores países evangélicos do mundo. Mas, qual a diferença que isso tem feito nos costumes, na moral e na cultura brasileira? Uma igreja evangélica sem rumos teológicos, com crise de liderança, enganada por aproveitadores que ensinam que Deus existe para nos fazer prósperos financeiramente e satisfazer todas as necessidades imediatas dessa vida... o que mais poderíamos esperar? A reeleição de Lula e do PT é um atestado da falta de autoridade doutrinária, moral e espiritual dos evangélicos em nosso país.

Insisto em aprender com os fatos e com a história, a fazer sentido do cotidiano à luz do ensinamento bíblico de que Deus está no controle. Outras lições poderiam ser tiradas, eu sei, mas por enquanto só me passam estas na cabeça. Quem sabe nos comentários aparecerão outras. Mas, por enquanto, basta.

Fonte: http://tempora-mores.blogspot.com/2006/10/lies-da-reeleio-de-lula.html

Nenhum comentário: