10 de abril de 2006

Padres, pedofilia e homossexualismo: a verdade que ainda não saiu do armário

Padres, pedofilia e homossexualismo: a verdade que ainda não saiu do armário

Julio Severo

Resumo: Embora a pederastia tenha uma ligação clara, natural e inegável com a homossexualidade, o que se vê na mídia é pederastia dentro das igrejas, pederastia dentro das famílias, mas jamais pederastia dentro do homossexualismo, num esforço flagrante de negar o inegável.

Sem dúvida alguma, uma das questões mais importantes do catolicismo é sua proibição ao casamento dos padres.

Mesmo assim, nenhum homem é obrigado a se manter padre se sente fortes desejos sexuais. Ele pode simplesmente largar a batina e se casar com uma mulher. Mas se seus desejos não são normais — isto é, se ele se sente atraído não por uma mulher, mas por outros homens ou meninos —, o casamento com uma mulher é inútil para resolver seus problemas.

Portanto, o celibato não está levando automaticamente os padres à pedofilia, como imaginam alguns, pois um padre que quer casar tem a liberdade de largar a batina e escolher uma esposa. Nenhum padre é obrigado a estuprar meninos se sente desejos sexuais. Esse problema tem outra causa.

A pedofilia e suas causas

A questão do abuso sexual de meninos também é mencionada no Novo Testamento, embora tal menção ocorra somente no original grego: “Não sabeis que os injustos não hão de herdar o Reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o Reino de Deus”. (1 Coríntios 6:9-10 RC, o destaque é meu.)

Essa passagem menciona dois tipos de homossexuais: os efeminados e os sodomitas. De acordo com o léxico grego do programa Online Bible (versão 2), a palavra efeminados vem da palavra grega malakos, que significa delicado, suave, o homem que submete seu corpo à imoralidade contra a natureza; prostituta masculina. De acordo com o léxico analítico do programa Bible Windows (versão 6.01), a palavra sodomitas vem da palavra grega arsenokoites, que significa um adulto do sexo masculino que pratica relações sexuais com outro adulto ou menino do sexo masculino. Assim, o termo sodomita aí pode ser traduzido homossexual ativo e pederasta. A palavra arsenokoites também se encontra em 1 Timóteo 1:10.

Outra versão da Bíblia declara: “Vocês não sabem que os perversos não herdarão o Reino de Deus? Não se deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem homossexuais passivos ou ativos, nem ladrões, nem avarentos, nem alcoólatras, nem caluniadores, nem trapaceiros herdarão o Reino de Deus”. (1 Coríntios 6:9-10 NVI, o destaque é meu.)

Efeminados, ou homossexuais passivos, são os homens com trejeitos, delicados e suaves, que agem e fazem papel de mulher. Sodomitas, ou homossexuais ativos, são os homens que fazem papel de “macho”, usando outro homem (ou menino) como se fosse mulher. Embora as duas condutas homossexuais sejam biblicamente condenadas, o abuso sexual de meninos está diretamente ligado não aos efeminados, mas exclusivamente aos sodomitas.

O que a realidade também mostra? Um pediatra que estupra meninos comete esse tipo de crime só porque é pediatra? Claro que não. Ele faz isso porque tem problemas homossexuais. No caso do padre pederasta, não é diferente: ele tem preferência sexual por meninos justamente porque tem os mesmos problemas. É exatamente essa informação importante que os meios de comunicação estão deixando de divulgar para o público. Isso é não é um tipo de censura astuta?

É de chamar a atenção como a mídia mostra todos os detalhes de escândalos de abuso sexual contra meninos sem nunca mencionar a palavra homossexual. O noticiário da TV também mostra pediatras e outros profissionais envolvidos em crimes sexuais contra meninos, sempre omitindo o termo gay ou homossexual, porém jamais omitindo a palavra pedofilia.

Pedofilia é o termo geral que designa o abuso sexual contra meninos e meninas. Pederasta é um termo mais restrito que se aplica somente aos homens que abusam de meninos. De acordo com o atual Dicionário Merriam-Webster, pederasta vem da palavra grega paiderastes, que significa literalmente amante de meninos. Na sua primeira versão, do século XIX, o Dicionário Webster definia assim pederastia: sodomia, crime contra a natureza. O próprio Dicionário Aurélio destaca que, por extensão, pederastia significa homossexualismo masculino. Assim, todo pederasta é pedófilo e homossexual ativo (ou sodomita), mas nem todo pedófilo é pederasta.

Para que não se entenda incorretamente que todos os praticantes do homossexualismo são pederastas, alertamos que todas as referências deste artigo à palavra homossexual se aplicam exclusivamente aos sodomitas, ou homossexuais ativos, pois é só nesses casos que a pederastia tem, conforme a Bíblia, ligação fundamental.

A mídia liberal aplaude indisfarçadamente os homens que assumem publicamente sua homossexualidade, como se os estivesse ajudando a se libertar de um estado de opressão — e esse ato de assumir se chama sair do armário. Na verdade, muitos praticantes do homossexualismo só se assumem publicamente pela metade, deixando escondidas no fundo do armário suas preferências sexuais que o público ainda não está preparado para aceitar. Por quanto tempo a pederastia deles ficará no armário?

Contudo, o tratamento dispensado aos padres que “gostam” de meninos é totalmente diferente e inverso. A pederastia deles é arrancada do armário, mas o homossexualismo não. Numa genuína atitude de preconceito e intolerância contra a verdade, os liberais fazem tudo o que podem para que o homossexualismo dos padres pederastas nunca saia do escuro armário dos segredos homossexuais.

No caso dos padres que conseguem esconder sua homossexualidade, um casamento com uma mulher adiantaria? Um casamento seria a solução para padres com tendências pederastas? Sabemos que os praticantes do homossexualismo são capazes de se casar, ter filhos e manter uma vida dupla — às vezes até de pederastas. O casamento, nesse caso, só funciona para acobertar crimes.

Já que o casamento em si não resolve o problema de padres (ou turistas, psicólogos, jornalistas, pediatras, professores, etc.) que gostam sexualmente de meninos, o que então resolve? Na questão católica, lidar diretamente com a raiz do problema: a presença homossexual no clero católico. Entretanto, a intenção da mídia não é ajudar o clero católico a lidar com esse problema, mas usar o problema — não contra o homossexualismo — mas contra o próprio clero e seus valores conservadores.

Pedofilia como arma de guerra contra os cristãos

Nas notícias sobre padres pegos em abuso sexual de meninos, há uma insistência de se destacar o abuso, sem jamais citar nada que poderia minimamente levar o público a se lembrar de homossexualidade. Contudo, quando o homossexualismo e os que o praticam aparecem no noticiário, há todo cuidado para que de forma alguma a palavra pedofilia seja mencionada, a fim que o público nunca consiga associar um com o outro.

Para a imprensa liberal, o importante é que as pessoas sejam condicionadas a associar o abuso sexual de meninos principalmente à Igreja Católica e, por extensão, aos valores cristãos, que ficarão injustamente na posição desagradável de serem vistos, direta ou indiretamente, como as causas do abuso sexual de crianças. Nessa exibição desonesta e desequilibrada dos fatos, o homossexualismo e seus praticantes — que são as verdadeiras causas do abuso sexual contra os meninos — escapam impunes, enquanto o Cristianismo e seus valores servem de bode expiatório para tudo o que o próprio homossexualismo vem fazendo contras os meninos.

Entretanto, a imprensa jamais faria a esquerda de bode expiatório desse mesmo problema, a fim de atacar os valores esquerdistas e liberais. Aliás, esse problema é tratado como se não existisse entre indivíduos liberais e esquerdistas que não vivem de acordo com princípios morais e cristãos. Mas não é difícil imaginar a realidade. Se com alguns padres homossexuais, a Igreja Católica enfrenta casos de violência sexual contra meninos, o que dizer então dos meios liberais, onde há números bem maiores de homossexuais? Por que não investigar o sexo com meninos onde há mais homossexualismo? Se num ambiente em que o homossexualismo é proibido há casos de pederastia que são expostos, por que acobertar os ambientes onde o homossexualismo é livre? Nos meios liberais esquerdistas, a verdade ainda não saiu do armário.

Se a relação sexual entre homens e meninos é tão condenável, por que a imprensa não revela o fato óbvio da ligação natural entre esse crime e o comportamento sexual mais protegido e afagado nos meios politicamente corretos? Não é a primeira vez que um problema ligado ao homossexualismo é acobertado pelos formadores de opinião pública. A crise da AIDS, por exemplo, é uma questão séria, porém a imprensa liberal colaborou docilmente com os ativistas gays que, anos atrás, iniciaram o trabalho sujo de realizar uma sistemática cirurgia cultural, política, legal e “científica”, desunindo artificialmente a AIDS de seu principal fator de propagação: os imorais e prejudiciais atos sexuais dos praticantes do homossexualismo.

Se o abuso sexual contra meninos merece medidas enérgicas de condenação e repressão, então por que a imprensa liberal insiste em se doer pelos ativistas gays que se queixam de que a Igreja Católica não abre espaço para aceitar e sancionar o homossexualismo? Por que os liberais não ajudam o clero católico em sua posição oficial de não ceder aos ativistas gays que querem a todo custo a aprovação oficial da ordenação de padres homossexuais? Sem tal ordenação oficial, o clero católico já enfrenta problemas pesados por causa do homossexualismo. Não dá então nem para começar a imaginar o que aconteceria se o clero se submetesse às pressões liberais pró-homossexualismo.

As notícias de pedofilia na Igreja Católica são um alerta contra os perigos do homossexualismo

As denúncias de abuso sexual dentro do clero católico são um poderoso alerta para a sociedade, imprensa e igrejas evangélicas do que o homossexualismo pode fazer com homens em posição de liderança. Se a presença homossexual representa grande ameaça para os meninos até em meios conservadores, o que dizer então dos meios menos conservadores, onde o homossexualismo continua insistentemente acobertado? O que dizer, por exemplo, dos ambientes em que pastores evangélicos e profissionais de psicologia apóiam os valores do movimento homossexual? Por isso, é preciso urgentemente abrir os olhos para o lado sombrio e bárbaro do comportamento homossexual. Afinal, se não há vontade social, individual, política e legal de enfrentar esse problema de frente, então por que desperdiçar o tempo atacando o crime de sexo com meninos mantendo suas causas escondidas no fundo do armário?

Se a pederastia é um crime tão grave, por que a imprensa não toma a iniciativa de lançar uma campanha em massa contra o homossexualismo?

Se o abuso sexual de meninos é de fato uma preocupação importante para o governo e para a mídia liberal, então por que quando se trata dessa questão o alvo invariavelmente é o clero católico, não os ativistas gays? Por que não fazer de alvo a indústria turística do Brasil, que recebe muita ajuda da indústria da prostituição, inclusive infantil? Não é possível contabilizar os números, mas é certo que o turismo é um negócio monumental e milionário no Brasil, envolvendo governo, empresas hoteleiras, etc. As denúncias de pederastia contra a Igreja Católica a fazem parecer a própria fonte desse mal, enquanto escapam ilesos os ricos turistas homossexuais estrangeiros e os indivíduos envolvidos em grandes esquemas de acobertamento da sistemática pedofilia turística.

Por que a imprensa liberal não menciona que os casos de pederastia na Igreja Católica estão ligados ao homossexualismo? Por que não menciona que a pederastia é um problema grave em todos os segmentos sociais — sejam religiosos, profissionais, esportistas, etc. — em que há presença forte de homens homossexuais? Por que, em suas notícias e comentários sobre padres estupradores de meninos, os jornalistas liberais não comentam sobre a necessidade de se eliminar a ameaça homossexual dentro da Igreja Católica?

Portanto, só um indivíduo moralmente cego não consegue enxergar manobras e discrepâncias na desesperada tentativa de proteger o homossexualismo dos estupradores de meninos. Tais manobras ficarão eternamente restritas às notícias envolvendo católicos? Nós evangélicos teremos isenção especial da imprensa? Até quando estaremos protegidos dos ataques preconceituosos e traiçoeiros da mídia liberal? Até quando?

O que os próprios ativistas gays dizem

Nem todo praticante do homossexualismo é pederasta, mas a pederastia tem uma ligação fundamental com o homossexualismo. Aliás, a maior organização de pederastas do mundo é a NAMBLA (North American Man-Boy Association, cuja tradução é Associação Norte Americana de Amor Entre Homens e Meninos). A NAMBLA é totalmente composta por membros homossexuais. Os próprios ativistas gays às vezes não conseguem esconder sua simpatia para com a pederastia — que eles preferem chamar simplesmente de amor entre homens e meninos. A seguir, o que eles mesmos estão dizendo sobre a questão:

“O amor entre homens e meninos é o alicerce do homossexualismo… Não devemos deixar que a imprensa e o governo nos seduzam e nos façam acreditar em informações erradas. O estupro de crianças realmente existe, mas há também as relações sexuais boas. E precisamos apoiar os homens e os meninos nesses relacionamentos”.[1]

“Pode ser que a pedofilia seja não um desvio sexual, mas uma orientação sexual. Isso nos leva a perguntar se os pedófilos podem ter direitos”.[2]

“Naqueles casos onde crianças têm relações sexuais com um irmão mais velho que é homossexual… minha opinião é que muitas vezes é a própria criança que deseja essa relação, e talvez a peça, por curiosidade natural… ou porque ela é homossexual e instintivamente sabe disso… Diferente de casos de meninas e mulheres estupradas à força e traumatizadas, a maioria dos gays tem boas memórias de seus primeiros encontros sexuais quando eram crianças”.[3]

“Os amantes de meninos e as lésbicas que têm amantes mais jovens são as únicas pessoas que estão se oferecendo para ajudar os jovens… Eles não são estupradores de crianças. Os estupradores de crianças são os padres, os professores, os terapeutas, os policiais e os pais que forçam os jovens, que estão sob sua responsabilidade, a aceitar sua moralidade fora de moda. Em vez de condenar os pedófilos por seu envolvimento com jovens gays e lésbicas, devíamos apoiá-los”.[4]

“Na minha opinião, a pederastia devia receber o selo de aprovação. Acho que é verdade que os amantes de meninos são muito melhores para as crianças do que os pais…”[5]

“Sexo entre jovens e adultos é uma das questões mais difíceis no movimento gay. Quando é que um jovem tem o direito e a autoridade de fazer suas próprias decisões sexuais? De que modo as leis contra sexo entre adultos e crianças são usadas especificamente para mirar os gays?”[6]

“Se eu fosse examinar o caso de um menino de 10 ou 11 anos que sente intensa atração por um homem de 20 ou 30 anos, se o relacionamento é totalmente mútuo e o amor é totalmente mútuo, então eu não chamaria isso de doentio de forma alguma… Quando os ativistas gays começaram suas campanhas políticas, não havia suficientes informações científicas com que basear sua luta para promover os direitos gays. Mas não se precisa de informações cientificas essenciais a fim de se trabalhar ativamente para promover uma ideologia específica, enquanto se está preparado para ir para a cadeia. Não é desse jeito realmente que sempre ocorrem as mudanças sociais?”[7]

“Nos casos de consentimento mútuo e atração sexual mútua, a própria atividade sexual [entre homens e meninos] parece não produzir nenhum efeito danoso. Espera-se que isso possa tranqüilizar os pais e ajudá-los a evitar preocupações e desilusões desnecessárias”.[8]

“Até o momento as crianças estão aprendendo mentiras destrutivas sobre o sexo. Elas são ensinadas que antes de alcançarem a maioridade… qualquer expressão sexual delas equivale a um ato criminoso. Podemos nos orgulhar de que o movimento gay abriga em seu meio indivíduos que têm tido a coragem de declarar publicamente que as crianças têm uma natureza sexual e que elas merecem o direito de se expressar sexualmente com quem quiserem… Contudo, nem sempre podemos nos orgulhar do modo como a sociedade trata nossos profetas… Precisamos dar atenção aos nossos profetas. Em vez de ficarmos com medo de nos considerarem pedófilos, devemos ter orgulho de proclamar que o sexo é bom, inclusive a sexualidade das crianças… Embora vivamos cercados de moralistas religiosos que pregam destrutivas regras contra o sexo, é nosso dever não ter vergonha de quebrar essas regras e demonstrar que somos leais a um conceito mais elevado de amor. Temos de fazer isso por amor às crianças”.[9]

Além do testemunho dos próprios ativistas gays, há informações importantes de outras fontes. No documento Homosexuality and Child Sexual Abuse (Homossexualidade e Abuso Sexual Infantil), o autor Dr. Timothy J. Dailey revela:

  • Um terço de todos os crimes sexuais contra crianças são cometidos contra meninos.

  • Os homossexuais compõem somente 1 a 3 por cento de toda a população. Esses 1 a 3 por cento da população são responsáveis por um terço de todos os crimes contra as crianças.

  • No Gay Report (Relatório Gay), elaborado pelos pesquisadores homossexuais Karla Jay e Allen Young, os autores informam dados que mostram que 73 por cento dos homossexuais entrevistados na pesquisa haviam em algum momento de suas vidas tido sexo com rapazes de dezesseis a dezenove anos ou mais novos. [10]


Condenando as verdadeiras causas do abuso sexual contra meninos

A condenação à pederastia é certa e deveria ser contínua e firme, porém a condenação à pederastia praticamente restringe-se à família e à Igreja Católica, como se essas duas instituições fossem as causas do comportamento de homens que têm relações sexuais com meninos. A condenação à pederastia no meio da Igreja Católica tem sido um instrumento para questionar também as posições morais cristãs conservadoras. O discurso contra a pederastia tem sido habilmente usado para sufocar e envergonhar a Igreja Católica em sua posição em questões como aborto e homossexualismo, a fim de denegrir sua postura moral.

Contudo, quem já pensou em utilizar a pederastia para “denegrir” o homossexualismo? Embora haja uma ligação natural entre essas duas condutas, seríamos tratados impiedosamente se tentássemos mostrar a pederastia entre os homossexuais do jeito que a imprensa mostra a pederastia entre alguns padres.

Se a imprensa quer ajudar, a verdade deve ser dita — a verdade precisa sair do armário. Os padres, turistas, jornalistas, médicos, pediatras, pastores, psicólogos, professores, artistas e outros profissionais envolvidos sexualmente com meninos devem ser punidos por seus crimes homossexuais e o homossexualismo precisa ser colocado na merecida categoria de fator de risco para abuso sexual de meninos. A própria Igreja Católica precisa fazer muito mais para punir os homossexuais pederastas em seu clero — até mesmo entregando-os às autoridades civis. O governo precisa garantir penas maiores e mais duras contra esse tipo de crime — até mesmo pena capital. A imprensa, as escolas e o governo precisam apoiar e encorajar a oposição ao homossexualismo.

O que deveria ser feito é atacar o homossexualismo entre padres, pois casos de pederastia na Igreja Católica ou qualquer outro lugar têm causa comum. Mas a apresentação de casos de violência sexual contra meninos na mídia tem desvinculado de tal forma a pederastia dos homossexuais e do homossexualismo — vinculando-a em vez disso aos valores morais conservadores — que tal propaganda poderá efetuar uma lavagem cerebral no público, levando-o a questionar: “Como é que os padres condenam algo bom (o homossexualismo), mas praticam algo tão pervertido (sexo com meninos)?”

Pedofilia politicamente correta

A Igreja Católica possui valores morais detestáveis para a elite liberal de hoje. Apenas dois desses valores são a oposição bíblica ao homossexualismo e ao aborto. Assim, toda vez que surge flagrante de padre pederasta, a imprensa esquerdista aproveita para atacar “indiretamente” esses valores, destacando nitidamente a pedofilia dos padres — uma pedofilia deliberadamente castrada, uma pedofilia politicamente correta, onde sexo entre homem e menino é completamente divorciado de suas óbvias raízes homossexuais.

Contudo, com católicos progressistas como “Frei” Betto e Leonardo Boff, a imprensa esquerdista é muito mais generosa, não permitindo que nenhum tipo de problema moral seja manipulado desfavoravelmente contra eles. A pederastia então, quando abordada na questão católica, é uma poderosa arma política devidamente utilizada para ajudar a silenciar a voz dos católicos conservadores. Os progressistas são convenientemente protegidos.

No entanto, é de estranhar que a mídia respeite mais o homossexualismo do que respeita os católicos, pois em todos os casos mundiais envolvendo sexo entre homens e meninos o problema maior não é a Igreja Católica nem sua postura tradicional contra o homossexualismo. Mesmo em países e lugares onde não há católicos, há casos de sexo entre homens e meninos. Se a pederastia estivesse ligada exclusivamente ao celibato dos padres, não veríamos casos de médicos, advogados, professores, psicólogos e até pastores casados estuprando meninos. Em todas essas situações, o único e exclusivo culpado não é a Igreja Católica, mas o homossexualismo.

Se a elite liberal não fosse cega a essa óbvia realidade, não haveria apoio a Paradas do Orgulho Gay, não haveria simpatia às reivindicações dos ativistas gays e não haveria, entre alguns evangélicos, abertura para a ordenação ou tolerância dos praticantes do homossexualismo em posição de liderança nas igrejas.

Mas a questão envolve muito mais do que só cegueira moral. Como é que a imprensa liberal, onde há reconhecidamente grande número de integrantes homossexuais, terá desejo de falar a verdade acerca do homossexualismo? Embora sejam completamente falsos e enganadores os dados estatísticos alegando que 10% da população brasileira são homossexuais, não se pode dizer a mesma verdade sobre os meios de comunicação, onde 10% deve ser pouco. Na questão homossexual, há segredos dos liberais que ainda não saíram de seus lábios — nem do armário.

A pederastia, na mente da mídia esquerdista, nada tem a ver com homossexualismo ou católicos progressistas. Pederastia tem tudo a ver com o conservadorismo católico que crê que o homossexualismo e outros conceitos politicamente corretos são errados. A solução implícita então é eliminar o problema…

Propaganda mentirosa: negando o inegável

Muitos anarquistas sociais, inclusive os ativistas gays e as feministas, odeiam a estrutura tradicional da família e das igrejas cristãs. E eles sabem que a acusação de pedofilia é pesada o suficiente para atrair o apoio do público para proteger as crianças e atacar as causas. Embora a pederastia tenha uma ligação clara, natural e inegável com a homossexualidade, o que se vê na mídia é pederastia dentro das igrejas, pederastia dentro das famílias, mas jamais pederastia dentro do homossexualismo, num esforço flagrante de negar o inegável. É como se pederastia tivesse tudo a ver com igrejas e famílias, mas nada a ver com homossexualismo. De onde está vindo essa imagem deturpada da realidade? Dos meios de comunicação — os mesmos meios de comunicação que dão cobertura positiva e favoritismo para as marchas gays e outros eventos que favorecem o homossexualismo.

Tal esforço para desviar a atenção do público das ligações do homossexualismo não se chama jornalismo objetivo e imparcial, muito menos preocupação para combater o preconceito e promover a tolerância, pois na hora de atacar a pederastia, a família e as igrejas jamais são poupadas. Esse esforço se chama propaganda. E a propaganda tem o poder de transformar a mentira em verdade e a verdade em mentira, pelo menos por algum tempo. Joseph Goebbels, chefe de propaganda do governo nazista, afirmou: “A essência da propaganda é ganhar as pessoas para uma idéia de forma tão sincera, com tal vitalidade, que, no final, elas sucumbam a essa idéia completamente, de modo que nunca mais escapem dela”.[10] E o próprio Hitler disse: “Diga mentiras grandes; diga-as de forma simples, repita-as constantemente, tantas vezes quantas você puder, até que as pessoas comecem a acreditar no que você está dizendo”.[11]

Temo que se por preconceito religioso nós evangélicos nos alegrarmos com os ataques da imprensa contra a Igreja Católica nessa questão, poderemos criar condições para que a imprensa possa efetuar muitos outros ataques contra outros cristãos.

Devemos ficar sempre desconfiados e alertas quanto à mídia liberal. Precisamos ser cuidadosos e não fazer pouco caso do que está acontecendo com os católicos. Se os liberais conseguem, numa astúcia de serpente traiçoeira, jogar a culpa dos crimes do homossexualismo sobre a Igreja Católica a fim de desmoralizar os valores cristãos e desviar a atenção da ligação óbvia entre pederastia e homossexualismo, devemos nos preocupar que cedo ou tarde eles possam usar estratégias igualmente diabólicas contra as igrejas evangélicas.

Contudo, quando a pederastia não mais puder ser desunida de sua óbvia ligação ao homossexualismo e se a repressão aos crimes de pederastia ameaçar colocar em risco a sobrevivência política e legal do homossexualismo e sua confortável posição social hoje, os ativistas gays tentarão trabalhar a suavização das questões de sexo com meninos.

Os homossexuais só estão saindo do armário hoje porque o terreno foi, durante muitos anos, devidamente preparado para que os homens pudessem assumir sua homossexualidade sem sofrerem condenação pública. É de temer que quando a pederastia finalmente sair do armário de sua ligação com o homossexualismo, o terreno também já estará devidamente preparado para que não mais haja condenação para os homossexuais que “amam” meninos.

Ninguém esperava que chegaria um tempo em que o homossexualismo seria aceito na sociedade, mas chegou. Se o tempo da pederastia também chegar, então os padres (ou professores, psicólogos, turistas, pediatras, etc.) pederastas serão publicamente elogiados e recompensados — com direito a indenizações, cotas, proteção especial e liberdade de beijar meninos em restaurantes e parques — pelos anos em que sofreram discriminação, humilhações, ódio e intolerância por causa de seu “amor” para com meninos.

Julio Severo é autor do livro O Movimento Homossexual, publicado pela Editora Betânia.

www.juliosevero.com

www.juliosevero.com.br

Notas:

[1] Unnamed author in "Point of View: No Place for Homo-Homophobia." San Francisco [homosexual newspaper], March 26, 1992.

[2] Behavior Today, December 5, 1988, page 5.

[3] Larry Kramer, writer and founder of the AIDS Coalition to Unleash Power (ACT-UP), in Reports from the Holocaust, New York: St. Martin's Press, 1991. This quote was downloaded from the Web site of the North American Man-Boy Love Association (NAMBLA) at http://www.nambla.org on April 15, 1998.

[4] Pat Califia, lesbian author and activist, The Advocate [‘mainstream’ homosexual magazine], October, 1980. This quote was downloaded from the Web site of the North American Man-Boy Love Association (NAMBLA) at http://www.nambla.org on April 15, 1998, under the section entitled “What People Are Saying About NAMBLA and Man/Boy Love.”

[5] Convicted pedophile and NAMBLA [North American Man-Boy Love Association] member David Thorstad, quoted in Joseph Sobran. “The Moderate Radical.” Human Life Review, Summer 1983, pages 59 and 60.

[6] John Preston, quoted in The Big Gay Book: A Man's Survival Guide for the '90s (New York: Plume, 1991). This quote was downloaded from the Web site of the North American Man-Boy Love Association (NAMBLA) at http://www.nambla.org on April 15, 1998, under the section entitled “What People Are Saying About NAMBLA and Man/Boy Love.”

[7] John Money, Ph.D., retired professor of medical psychology and pediatrics at Johns Hopkins University and Hospital. Quoted in “Interview: John Money.” Paidika: The Journal of Paedophilia, The Netherlands, 2(7), [Spring 1991] pages 5 to 9. This quote was downloaded from the Web site of the North American Man-Boy Love Association (NAMBLA) at http://www.nambla.org on April 15, 1998, under the section entitled “What People Are Saying About NAMBLA and Man/Boy Love.”

[8] Dr. Preben Hertoft, Copenhagen ‘sexologist.’ “Introduction: Paedophiles Don't Hurt Children.” Crime Without Victims (Amsterdam: Global Academic Publishers, 1993). This quote was downloaded from the Web site of the North American Man-Boy Love Association (NAMBLA) at http://www.nambla.org on April 15, 1998, under the section entitled “What People Are Saying About NAMBLA and Man/Boy Love.”

[9] Adaptado de: Frank V. York & Robert H. Knight, Homosexual Activists Work to Lower the Age of Sexual Consent [documento] (Family Research Council: Washington, DC, 1999), p. 4.

[10] http://www.frc.org/get.cfm?i=IS02E3

[11] http://www.beth-shalom.com.br/artigos/solucaofinal.shtml

[12] http://www.beth-shalom.com.br/artigos/solucaofinal.shtml

16 comentários:

Francisco disse...

Políticos, outros profissionais, Padres, Pastores casados, pais de famílias, devem pagar por seu crimes de Pedofilia, etc, relacionados e não relacionados ao homosexualismo.
É um dos piores crimes na minha opinião.

Anônimo disse...

Parabéns!!!
até que enfim encontrei uma opinião sensata e especialmente crítica sobre esse tema. Concordo com você plenamente,sou catolica e sempre que ia me expressar sobre isso,com essa mesma ideia e percepção da midia que você tem sempre me condenavam,diziam que como catolica estava arranjando desculpa para defender minha fé.Aida bem que encontrei esse texto.Não me sinto mais sozinha sobre essa opinião.E veja só os frutos,as pessoas não conseguiam me ouvir dizendo logo que isso que eu dizia era por eu ser católica.Nossa,não conseguem perceber esse risco.Hoje sabemos como e quantos são os poderosos gays do mundo,politicos,formadores de opinião,ricos,empresarios...Gente que não vai querer ou permitir que essa ligação homossexualismo-pedofilia seja descoberta,afinal eles demoraram muito construindo essa sociedde tolerante com eles que até acha normal e quer deixa-los adotarem crianças.Temo o dia em que o "amor" a meninos vire "normal" nessa sociedade. Ah e vale lembrar que gay pobre é condenado é chamdo logo de bicha e etc....Maaaaas gay rico,né?Esse é chique e sofisticado.è o dominio do liberalismo com o valor ao dinheiro...Essa mistura só ia dar nisso

Anônimo disse...

Respeito profundamente pessoas católicas que empenham-se sinceramente em ter uma conduta digna e piedosa na sociedade. Lamento profundamente o desgosto e a consternação sentida por estas pessoas, que tendo uma boa conduta na sociedade, sejam obrigadas a ver com frequencia, nos meios noticiosos, aquilo que muitos dos seus lideres religiosos fazem de detestavel, até com crianças. Os líderes religiosos deveriam ser suportes e exemplos de moaral para a sociedade. Quando se ouve notícias de muitas condenações por pedofilia de padres católicos ( a igreja católica foi obrigada a pagar indemnizações de milhões de dolares nos EUA). Quando ouvimos dizer, nas noticias, que essas condenações são apenas a ponta do iceberg. Quando ouvimos dizer que muitos desses lideres imorais são protegidos e os seus crimes acobertados pela igreja católica, então não temos dúvidas em afirmar _ a igreja católica está na mais profunda crise. Não é de admirar que pessoas sinceras deixem de acreditar nela e abandonem-na, de acordo com o que a Bíblia Sagrada também diz em Apocalipes 18:4 (E ouvi outra voz saída do céu dizer: “Saí dela, povo meu, se não quiserdes compartilhar com ela nos seus pecados e se não quiserdes receber parte das suas pragas)
Estas palavras da Bíblia Sagrada indicam que culpado é também aquele que apoia uma organização, que desde os tempos das cruzadas, passando pela guerra dos 100 anos, dos 30 anos, até aos dias actuais, tem uma enorme culpa de sangue e, a culpa, de grandes pecados aos olhos de Deus.

Anônimo disse...

Peço desculpas,mas discordo em partes do anônimo postado no dia 03/10/08.Deve-se haver um cuidado muito grande ao interpretar o livro do Apocalipse de São João, especialmente nesses casos para não levar o outro ao pecado, havendo,claro, cabal compreenção do que significa pecado!
È de se admirar sim a saída dessas pessoas da Igreja, pois aquele que recebeu as "instruções" devidas para o conhecimento de Deus deveria saber muito bem das questões escatológicas, ou seja, a existência de um céu e um inferno, e, que há a existência de um "inimigo de Deus" que fará o que for possível para desviar os filhos de Deus da VERDADE REVELADA!
Entenda, a Igreja é Santa, porque vem de Deus,todavia Deus deu a liberdade para que seu filhos tomassem sua próprias decisões. Obrigada pelo respeito,e, só para esclarecimento;essa citação de Apocalipse vem antecedida por um "título" logo no capítulo 17 que se chama CASTIGO À BABILÔNIA, portanto, uma cidade especifica não à Igreja Católica Apostólica Romana. Um católico sabe que se é o que é e está onde está por amor à Deus e não aos homens,somente, assim, os erros dos outros não deveriam interferir no ser católico...e como diz em I Pd 5,8-9a" Sede sóbrios e vigilantes. O vosso adversário, o diabo, rodeia como um leão a rugir procurando a quem devorar.Resisti-lhe,firmes na fé.
Sendo assim, devemos sim orar e fazer a nossa parte para que Deus tenha misericórdia e nos ajude a ter voz potente no mundo a questôes como essas.Para que o povo possa ter consciência da VERDADE!

Julie Maria disse...

Julio, desculpe não ler o seu texto completo. Apenas li a primeira parte e queria deixar aqui este esclarecimento como católicaque sou. Você diz: "Portanto, o celibato não está levando automaticamente os padres à pedofilia, como imaginam alguns, pois um padre que quer casar tem a liberdade de largar a batina e escolher uma esposa."

Na verdade este homem tem liberdade para NÃO ser padre. Ninguém é padre sendo obrigado, assim como você não casou com sua esposa sendo obrigado. Mas você sabe que, se vocÊ casou, você deve ser fiel, amar sua esposa e ter filhos, para isso Deus constituiu o matrimônio, certo? Assim é com o padre. Para se unir de modo especial com Nosso Senhor que - como está no Evangelho - chamou alguns para ser eunuco pelo Reino - ele ESCOLHE livremente o sacerdocio. Assim como é injusto com sua esposa você decidir largar ela e ir com outra, seria injusto o padre largar a Igreja (esposa mística de Cristo = do sacerdote!) e ir "com outra esposa". Eis a liberdade de que não se fala;

A pessoa que é padre DEVERIA ter recebido uma vocação, uma chamado de Jesus - se fazer eunuco pelo Reino (Mt19, 12) e dizer sim a ela de maneira madura, consciente, própria de um adulto. E não por "obrigação". Alias, se não for livre nem matrimônio nem ordenação sacerdotal é válida na Igreja Católica!! Por isso fazer uma ligação com celibato e pedofilia é como se o problema dos homens adúlteros fosse o matrimônio! Isso é simplesmente patético. Sou celibatária sim, e não por imposição e sim porque Deus me chamou para me unir de maneira mais íntima COM ELE e eu aceitei. Lógico que o mundo não entende isso... nem os familiares de Jesus entenderam Ele. Não queiramos ser mais que o Mestre.

Obrigada

Julie Maria

Anônimo disse...

Sou católico e obviamente entristeço-me deveras com essas notícias sobre pedofilia no meio do clero católico. É um crime abominável e repreensível!! Porém irmãos, não nos enganemos...essa é tão somente mais uma arma de Satanás para envergonhar, denegrir e humilhar os cristãos. Hoje é a Igreja Católica, amanhã certamente será uma outra denominação cristã. Notem, numa hora como essa seria esperado que os amantes do “sexo livre” saíssem em defesa desses padres pedófilos, mostrando com suas pesquisas de gaveta e teses encomendadas que o sexo entre homens e meninos é salutar e por que não, necessário. Mas não...eles que tanto sibilam para sair do armário, nesse momento se trancam e se calam...Por que será? Porque o verdadeiro ataque não é contra as crianças (eles estão pouco se importando com os meninos, se pudessem os comeriam no almoço, com trocadilho e tudo!), o ataque é contra os valores cristãos! Contra uma instituição cristã milenar, que apesar de todos os defeitos, porque afinal é feita de homens, ainda luta contra a cultura de morte e depravação que quer de toda forma impor-se. Ainda é um obstáculo à implantação de um reino de morte, sangue e degradação. Denunciemos tais padres porque são pedófilos sim... porque são pedófilos e homossexuais...são pedófilos porque homossexuais!!!! Amados irmãos evangélicos, o que nos une é muito maior do que o que no separa. Se os cristãos alegrarem-se com uma situação degradante dessas, acreditem, serão os primeiros a cair na rede de intrigas do maligno. Ao contrário, ergamos um clamor a Deus, suplicando que sua Mão dessa vigorosa sobre os que querem envergonhar seu povo!! Essa luta é de todos os cristãos.

Marcia disse...

Muito sóbria tua análise, concordo plenamente.
Mas parece que, muito timidamente, a sociedade está se acordando do efeito midiálítico e está tomando providências.
Deus contigo

Geração Santa disse...

A Paz do Senhor e Salvador Jesus Cristo estejam convoscos irmãos de fé.
Sou Evangélico, conservador cristão e sinto-me honrado com os últimos comentários dos caros(Anônimo Quarta-feira, 14 Abril, 2010 e Marcia). Vejo em vocês sinceros cristãos por defenderem a honra, moral e valores que estão totalmente de acordo com a prática cristã. Façam das minhas, suas palavras.

Meu Caro Julio, realmente o Ataque a Natureza de Cristo está descontroladamente ofensiva e, em todo tempo é imposto esta engenharia social, para estarmos de acordo com a "Desorientação" que a mídia nos propõe.
Ver uma "Autoridade Religiosa" cometendo um ato implicitamente horrendo, e por outro lado, não ver o Homossexualismo se instalando nos lugares mais sagrados e conservadores são os ideais da publicidade pró-homosexualismo; Tentar desvalorisar, manchar ou até mesmo derrubar os Pilares Cristãos e por outro lado, não lutar contra os atos(práticas) horrendos da Pederastia e homossexualismo em nossas Igrejas são nada mais e nada menos uma maneira de levar toda A PALAVRA DO SENHOR ao Escândalo e assim, apostatar os fiéis, dividindo em classes e grupos menores para então aniquilar com todos, ao ter a Aprovação da Lei PLC 122.
"Dividindo-nos, será muito mais fácil alcançarem o nosso fracasso"

Então, Unimo-nos para combater um bom combate as verdadeiras desgraças que tentam nos assolar, e aos injustos e pecadores, que seja dado a cada um o que merece.

Que o Amor do Nosso Senhor jesus Cristo, reine em Nossas vidas, não somente hoje, mas para todo sempe.
Amem.

Pedro disse...

Caro Júlio, este foi sem sombra de dúvidas um dos melhores artigos que li, se tratando do "bafafá" do momento.
Sou Católico, de certa forma conservador, muitos dos argumentos levantados pelo Sr. são também de minha firme posição.
Porém o parabenizo pelo belíssimo trabalho elaborado de forma transparente, sem parcialidades.
Me foram de grande gosto os dados e estatísticas usados pelo Sr. Mostando que a mídia nacional é manipuladora e maldosamente perniciosa.
Parabéns, Deus o guarde na sua defesa da ao maior Bem comum a todos: A Verdade.

Pedro Erisson

Espaço disse...

Em primeiro lugar, vou propor uma análise sistemática do texto que está no Evangelho segundo Mateus cap. 7, vers. de 13 a 27, e de uma forma muito clara, é dirigido a Igreja. O grande problema que vivemos nos dias atuais está na questão do enfoque quanto ao que se refira quanto ao significado e o conteúdo do SER IGREJA DE CRISTO.
O ser igreja, o escolher ser igreja tem o seu princípio no indivíduo, independentemente se o tal esteja liderança ou não, ocupe um cargo ou posto na estrutura ou não.
Porque? O significado de IGREJA É: um povo separado por Deus para andar na sua presença.
Não se trata de uma organização, de uma instituição, como se tem entendido, mas um organismo vivo, pulsante, latente, sensível e harmonioso, cuja cabeça é Cristo e não qualquer outro. Não há abertura na Bíblia para a compreensão orgânica de distinção de níveis, permitindo assim a compreensão de haja maior ou menor aproximação ou importância, mais ou menos dignos, a verdade é, um pecou, assim todos receberam a marca do seu pecado (leiamos os capítulos 5 e 6 da carta aos Romanos).
Em segundo lugar, Paulo nos deixa a informação de que do meio da igreja se levantariam lobos vorazes (Atos 20, de 17 a 35), buscando seus próprios interesses, e isso, em nome de Jesus, criado confusão e divisão na igreja.
Mas a final, o que é pecado? Toda e qualquer infração, desrespeito, fraude ou adulteração do princípio da santidade ou da autoridade de Deus, defini-se por pecado. Roubar, matar, mentir, adulterar, enganar, fofocar, ter pensamentos impuros, ser covarde, ser negligente, defraudador das leis, opressor do próximo, desrespeitador de pai e mãe, e tantos outros atos, independentemente do grau de comprometimento, pois para Deus não há pecadinho ou pecadão, mas o fraudar a sua soberania. O problema não está na quantidade ou a qualidade do pecado, mas na adulteração da santidade e da autoridade de Deus, no princípio da escolha por cometê-lo. Não se peca quando se realiza uma ação contrária a Deus, se peca, quando se concebe no coração e no entendimento. Já que todos sabemos o que temos em mente. Isto é pecar!
Diante da justiça de Deus, não há diferença quanto a quem comete um ato destes, se é padre, pastor, bispo ou papa, ou alguém comum, pois para Deus, todos são iguais, não há títulos que torne alguém melhor do que outro, ou inalcançável pelo pecado. A única alternativa a esta verdade é tornar a Palavra de Deus falsa, mentirosa ou imperfeita. Mas isto também tornaria Jesus falso e imperfeito, já que a Palavra de Deus e Jesus são a mesma manifestação em essência. Exprimem e expressam a mesma a majestade e a glória de Deus. O Testemunho de Deus se manifesta a partir da sua Palavra e da expressão de pública na vida do seu Cristo.
Então, não importa a questão de se alguém escolhe o ministério celibatário católico ou o ministério protestante onde se aceita e se entende aconselhável de que um ministro seja casado e pai, o importante é entendermos que as escolhas são feitas por indivíduos, pessoas, gente como eu e você, mas com a responsabilidade de ser referência de idoneidade e credibilidade, de estar ajustado ao Estatuto ao qual estão subordinados e no caso aqui a Bíblia, onde o homossexualismo ou qualquer outra expressão que adultere a natureza criacionista de Deus, este indivíduo deve ter a decência de se afastar do sacerdócio, ou ser afastado por sua liderança. Isto é uma questão de ética e responsabilidade com a fé e a esperança da vida de todo um povo, independente do fator denominacional ou administrativo a que se adeque.
Então, caso a opção de alguém seja o homossexualismo, então deixe o cristianismo e siga as suas convicções, mas é impossível servir a dois senhores, ao Deus Todo Poderoso e ao prazer da carne.

Daniela disse...

Julio,como católica, quero te dar os parabéns pela análise clara e sóbria, conforme alguns já inclusive comentaram aqui.
Apenas acrescento que, a meu ver, Aquele que nos une é muito maior do que aquilo que nos separa. As diferenças teológicas entre católicos e protestantes em geral não devem ser um muro de divisão e discórdia.
Existe um movimento esquerdista, do qual faz parte o ativismo gay, que deseja destruir os valores cristãos e que promove a perseguição aos cristãos no mundo inteiro, mais ou menos explicitamente.
Somente se estivermos unidos poderemos fazer frente a isso. Se deixarmos que as nossas diferenças nos desunam, em breve precisaremos retornar às catacumbas, pois já não teremos liberdade para manifestar publicamente a nossa fé em Nosso Senhor Jesus Cristo, seja por meio da liturgia católica, seja por meio dos cultos evangélicos.

GUGA VIANA disse...

VEJA O QUE DIZ A WIKIPEDIA A RESPEITO DA PEDERASTIA:"Devido à sua carga pejorativa e à associação com a pedofilia, os termos pederasta e pederastia têm caído em desuso e são raramente utilizados pelos meios de comunicação, como sinónimos de homossexual e homossexualidade, tanto no Brasil como em Portugal."
SEU ARTIGO SÓ COMPROVA COMO FOI
FEITO UM GRANDE ESFORÇO PARA DISSOCIAR HOMOSSEXUALISMO DE PEDERASTIA,CHEGANDO AO PONTO DE SE TORNAREM ATÉ MESMO ANTAGÔNICOS.

Anônimo disse...

O pior disso tudo é a guerra entre católicos e evangélicos , poxa , todos tem algo em comum , tanto um quanto o outro acredita em Jesus Cristo . Aí aparece a record com a universal colocando a culpa da pedofilia na igreja católica . E sobre o homossexualismo eles ficam quietinhos .

Anônimo disse...

Júlio, está errado isso ai!

Só há pedofilia antes da puberdade.

Como uma criança pode gerar outra criança?

Tem saber diferenciar adolescentes de crianças(pré-puberdade).

Se for radical de colocar tudo no mesmo saco, você acaba condenando a própria família sagrada, pois Maria quando foi desposada tinha uns 14 anos e José seus 40.

Anônimo disse...

Olá, Anônimo (Sábado, 07 Janeiro, 2012).

Macedo é aliado das feministas e dos gays.

César disse...

Caro Julio Severo,
Todo pederasta é pedófilo visto que entende ânus como orgão sexual, e o ânus defeca desde o mecônio, logo é entendido como orgão "sexual" maduro inclusive em crianças.
Aquilatar vagina a ânus, é aquilatar a porta da vida ao esgoto do corpo.
Isso é crime de lesa humanidade, pois busca reproduzir o bolo fecal, e com isso tornar tudo uma mer...
Quem joga esperma em excremento quer reproduzir excremento! Não é esperma, é espermerd... o que seres desse quilate tem e geram o que é pertinente a eles, excremento.