23 de fevereiro de 2006

Conselho Mundial de Igrejas: Sodoma dentro das Igrejas

Conselho Mundial de Igrejas: Babilônia e Sodoma Entre os Evangélicos

Julio Severo

As fotos a seguir, tiradas na reunião de fevereiro de 2006 do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) em Porto Alegre, mostram claramente que tipo de espiritualidade move os participantes desse organismo ecumênico e demonstram de modo assombroso se a missão do CMI ajuda ou prejudica a verdadeira missão da Igreja do Senhor Jesus Cristo. Fazem parte do CMI muitas igrejas evangélicas liberais.


Stand no CMI defendendo a luta dos árabes “palestinos” para possuir territórios que Deus deu somente aos descendentes de Abraão, Isaque e Jacó. O CMI debateu estratégias para levar as igrejas evangélicas a boicotar Israel a fim de fortalecer a causa “palestina”.



Stand da MCC. MCC significa Metropolitan Community Church, uma denominação “evangélica” homossexual fundada pelo “pastor” gay Troy Perry.








Stand de grupo de direitos humanos do CMI (EAPPI) que defende a causa “palestina” e acusa Israel.








Representantes de religião afro-brasileira e militantes homossexuais do grupo Harpazo juntam-se à salada ecumênica do CMI. Ao fundo, imagem da LBV.











Artigo de esclarecimento sobre o ecumenismo:

Fonte: http://www.juliosevero.com.br/


Leitura recomendada:

3 comentários:

caleb disse...

Vendo essas fotos, é de arrepiar os cabelos de ver tanta cegueira espiritual entre esses "lideres evangelicos" que estão cegos pelas trevas de Satanas.

Gisèle disse...

Eles são cristãos mesmo? Isso é inadimissível no meio de um povo que se diz seguir a Jesus.
Lamentável.

Anônimo disse...

Quando comento que a CMI tem "parcerias" com outras "religiões" as pessoas não acreditam. E quando vi essas fotos tenho mais certeza ainda dessa podridão no meio evangélico.Poderia dar mais detalhes quanto essa reunião? Quem tirou essa foto? Foi uma feira? Tem mais fotos de religiões afros que participam desses movimentos e ou reuniões? Tem nomes de líderes? As pessoas (presbíteros, diáconos) acham que a sua igreja tradicional, histórica é linda e maravilhosa e os seus membros nem sabem que é retirado de seus dízimos uma porcentagem para a continuação de associada da instituição na qual elas pertecem.