13 de janeiro de 2006

O risco do ativismo gay nas escolas

O risco do ativismo gay nas escolas

Linda Harvey
NewsWithViews.com

Será que os professores homossexuais têm probabilidade maior de seduzir ou atacar sexualmente estudantes do que professores heterossexuais? Durante os séculos, a tradição sustentou que os jovens estão sempre em perigo quando os praticantes do homossexualismo têm permissão de interação próxima com eles. Essa opinião baseia-se numa realidade que é ainda mais que evidente.

Os ativistas homossexuais afirmam exatamente o contrário. Ao se dirigirem às escolas e aos pais, eles sustentam que os homossexuais têm menos probabilidade de molestar as crianças do que os heterossexuais. Alguns eventos, porém, indicam que suas alegações não são simplesmente verdadeiras.

Primeiramente, há uma questão bem entendida entre todas as organizações de jovens e escolas, de que adultos que sentem interesse sexual em crianças e jovens buscarão emprego onde há acesso fácil às crianças — escolas, grupos de jovens, acampamentos, grupos de escoteiros e assim por diante. Por isso, as organizações de jovens responsáveis são tradicionalmente cautelosas na hora de recrutar e empregar e tiram para fora os que poderiam representar um risco.

Mas os dois principais grupos de educação dos ativistas homossexuais, que fazem pressão intensa nas escolas públicas, experimentaram incidentes escandalosos em 2000 que revelam um lado sombrio de sua idéia de que líderes homossexuais não representam perigo.

Em agosto de 2000, o presidente da filial, na cidade de Toledo, da entidade PALG (Pais e Amigos de Lésbicas e Gays) liderou um comício de protesto contra a organização de escoteiros ali. Mas o que acabou sendo descoberto é que ele é um molestador de crianças já condenado pela justiça. John Helmstreet, que confessa ser homossexual, havia organizado um protesto em frente do prédio dos escoteiros. Helmstreet confessou que em 1992 ele molestou sexualmente um menino de 10 anos. Quando lhe perguntaram se os grupos de escoteiros deveriam excluir os homossexuais, ele não deu resposta. O grupo gay REGLH também patrocinou o protesto. 1 Até 2001, o nome de Helmstreet ainda aparecia na lista da página de Internet da PALG de Toledo como presidente da filial. O que é irônico é que essa filial se reúne numa igreja episcopal.

Um assistente social escolar que era líder da REGLH (Rede de Educação Gay, Lésbica e Heterossexuais) foi preso em agosto de 2000 numa investigação de Internet. Dave P. Thomas de Chicago foi acusado de aliciamento de um menor. O menor, que foi identificado como um menino entre 13 e 16 anos, havia se encontrado com Thomas em várias ocasiões para fins sexuais. 2

O que é incrível é o modo como o público homossexual apóia abertamente o sexo com crianças. Há poucas tentativas de mascarar isso. Aliás, isso freqüentemente é exibido sem rodeios. O mestre de cerimônias da parada do orgulho gay da cidade de San Francisco em 1999 foi Harry Hay. Hay foi um dos fundadores do movimento de direitos gays nos EUA na década de 1950 e 1960. Hay apoiou publicamente o grupo pedófilo NAMBLA (Associação Norte-Americana de Amor entre Homens e Meninos). Em 1993, ele até marchou na parada da NAMBLA. 3

Esses fatos nos levam a perguntar qual é a real motivação do ataque de grande escala dos homossexuais contra os grupos de escoteiros. É só uma questão de querer o que eles interpretam como “direito civil” ou há mais interesses escondidos?

Em novembro de 1992, o boletim da NAMBLA publicou uma carta aberta aos grupos de escoteiros que essencialmente chamava os escoteiros para “cessar… a discriminação de pessoas abertamente gays ou lésbicas na nomeação de mestres de escoteiros e entre… os membros”. A carta também declarava: “Temos uma mesma missão em comum — trazer um entendimento, luz e propósito maior para os jovens em sua fase de crescimento”. 4

A NAMBLA esteve implicada em outro caso envolvendo um menino de 10 anos, Jeffrey Curley, da cidade de Boston. Dois homens foram acusados no horrível estupro e morte de Jeffrey em outubro de 1997. Foram encontradas publicações da NAMBLA na casa de Charles Jaynes, um dos dois homens. Os pais do menino estão processando a NAMBLA em 10 milhões de dólares, e exigindo que sejam revelados os nomes de todos os membros da NAMBLA. 5

Se os homossexuais não têm nenhum interesse sexual especial nas crianças, conforme alegam, então por que sempre surgem tais fatos preocupantes?

Na cidade de Manchester, N.H., uma escoteira de 12 anos foi molestada sexualmente por sua líder escoteira de 18 anos durante o tempo que passaram hospedadas a noite numa igreja em fevereiro de 2001. A jovem confessou que beijou a menina e ofereceu-se para “ajudá-la” se ela quisesse experimentar um encontro com uma mulher.6

A organização de escoteiras vem adotando uma postura defensiva acerca de seu apoio a programas pró-homossexualismo nas escolas, inclusive o vídeo de promoção de famílias homossexuais chamado “That’s a Family”. Anos atrás, a presidente, Connie Matsui, apareceu numa conferência de imprensa na Casa Branca depois de uma exibição do filme, que transborda de famílias com filhos criados por lésbicas e homens homossexuais.

Durante muitos anos, as escoteiras tem permitido que lésbicas sejam líderes em sua organização. De acordo com uma fonte, um terço de toda a equipe do escritório central das escoteiras americanas são lésbicas. 8 No entanto, as escoteiras não são evidentemente a única organização a fazer isso. Políticas proibindo discriminação na base da “orientação sexual” foram promulgadas nas organizações Boys and Girls Clubs of America, the Camp Fire Girls, National 4-H Council e YMCA Indian Guides.9

A organização de escoteiras de South Jersey Pines possui um acampamento de 490 acres em Newfield, N.J., onde o Acampamento de Verão da Montanha Meadow é realizado. O acampamento oferece uma experiência de “acampamento feminista” para as meninas. O foco do acampamento são as filhas de 9 a 17 de pais homossexuais, solteiros e “progressistas”. O formulário de inscrição para o acampamento pergunta aos campistas se eles são do sexo masculino, feminino ou “outro”. A diretora do acampamento é uma lésbica que diz ser membro fundadora de Vingadoras Lésbicas, uma organização de militantes lésbicas da cidade de Chicago. 10

A molestação sexual de crianças é um evento diário porque os homossexuais têm agora mais acesso aos filhos das pessoas. O ex-líder de escoteiros e pastor de jovens Christopher Reardon está atualmente sendo julgado por acusações de molestação envolvendo rapazes de 19 anos em Middleton, Massachusetts. E o professor Milton McFarlane, de Bronx, N.Y., que é portador do HIV, foi acusado de estuprar um estudante de 9 anos e repetidamente estuprar outro estudante de 8 anos. Os dois estudantes foram atacados na escola que freqüentavam e onde McFarlane ensina na seção de Williamsburg do Bronx. Em 1998, McFarland havia sido investigado por acusações de que ele se exibiu para um estudante e abriu o zíper da calça de outro, mas o caso foi abandonado porque os relatos dos estudantes estavam em conflito. McFarland teve permissão de continuar ensinando. 12

Não é hora de percebermos o perigo e protegermos nossos filhos? Homossexuais confessos não deveriam ter permissão de ensinar ou dirigir grupos de jovens. Precisamos desconfiar de todos os apoiadores ou praticantes do homossexualismo que querem acesso aos nossos filhos.

Fontes:

1. www.worldnetdaily.com, August 22, 2000

2. Chicago Sun-Times, August 31, 2000

3. Reported in Family Research Council's “Culture Facts,” May 13, 1000

4. Nambla Bulletin, Vol. 13, No. 9, November 1992, as quoted by Abiding Truth Ministries, Citrus Heights, CA

5.“ACLU terms NAMBLA suit a ‘withc hunt’”, Boston Herald, July 18, 2001

6. Manchester Union-Leader, June 4, 2001

7. “Who’s Telling the Truth About the Girl Scouts?” by Ed Vitigliano, www.agapepress.org, May 8, 2001

8. “Female Liberalism Pervades Girl Scouts, Says Ex-Scout”, by Jason Pierce, www.cnsnews.com, July 17, 2001

9. “Go Ahead, Bury the Cookies”, The Advocate, May 22, 222001

10. “Alternative Fun in the Sun”, by Michael Betsch, www.cnsnews.com, July 3, 2001

11. “Trial Set to Open for Trusted Youth Minister, Scout Leader Accused of Molesting Boys”, by Adam Gorlick, Associated Press, July 9, 2001

12. “Cops: HIV Teacher Raped Boy, 9”: by Murray Weiss, Ed Robinson, Carl Campanile, Maria Malave and fBill Sanderson, New York Post, May 3, 2001

© 2001 - Linda P. Harvey - All Rights Reserved


Linda P. Harvey é presidente of Choice For Truth, a project of Mission America, P.O. Box 21836, Columbus, OH, 432211-0836, (614) 442-7998. e-mail:missiona@ee.net websites: www.missionamerica.com and www.Choice4Truth.com

Tradução e adaptação de Julio Severo: www.juliosevero.com.br

Fonte: http://www.newswithviews.com/public_schools/public_schools.htm

Um comentário:

Anônimo disse...

Concordo com todas as colocações e só faço o lembrete de um outro exemplo: os padres pedófilos homossexuais molestam os meninos nos seminários. Eles entram na vida do sacerdócio apenas para satisfazer esse desejo imundo. Onde isso vai parar?