9 de janeiro de 2006

Famoso ateu diz que religião equivale a abuso de crianças

Famoso ateu diz que religião equivale a “abuso de crianças”

Cientista compara Moisés a Hitler, chama o Novo Testamento de “doutrina sadomasoquista”

© 2006 WorldNetDaily.com

O polêmico cientista e evolucionista Richard Dawkins, apelidado de “Rottweiler de Darwin”, chama as religiões de “vírus” e o ensino religioso nas escolas de “abuso de crianças” numa série de duas partes que ele escreveu e em que ele aparece. A série começará a ser transmitida pelo Canal 4 da Inglaterra.

Intitulada “Raiz de Todos os Males?”, a série apresenta o ateu Dawkins visitando Lourdes (na França), Colorado Springs (EUA), a mesquita al-Aqsa em Jerusalém e uma escola religiosa britânica, utilizando cada uma das visitas para argumentar que as religiões subvertem a razão.

Em “A Ilusão de Deus”, o primeiro filme da série, Dawkins mira no catolicismo, no lugar de peregrinações de Lourdes. “Se quiser experimentar os rituais medievais da fé, a luz do candelabro, o incenso, a música e as linguagens mortas de aparência importante, ninguém faz isso melhor do que os católicos”, diz ele.

Dawkins, usando sua visita à Igreja da Nova Vida em Colorado Springs, critica os evangélicos conservadores dos EUA e avisa sua audiência sobre a influência do “fascismo cristão” e de “um talibã americano”.

O primeiro programa mostra argumentos que provam que as pessoas religiosas são iludidas — exibindo insistentemente como pano de fundo a mesquita al-Aqsa e um judeu (nascido nos EUA) convertido ao fundamentalismo islâmico que diz a Dawkins que se prepare para o império islâmico mundial — e que entra em desavença com ele depois de dizer que odeia os ateus.

Na parte dois, “O Vírus da Fé”, Dawkins ataca o ensino religioso às crianças, chamando-o de abuso de crianças.

“Crianças inocentes estão sendo sobrecarregadas com o peso de informações comprovadamente mentirosas”, diz ele. “É hora de se questionar o abuso da inocência das crianças com idéias supersticiosas de inferno e condenação eterna. Não é estranho como automaticamente rotulemos uma criancinha com a religião de seus pais?”

“As escolas religiosas sectaristas”, Dawkins afirma, vêm provocando “profundos prejuízos” para gerações de crianças.

Dawkins, que não faz esforço algum para disfarçar seu ateísmo e desprezo às religiões, focaliza a Bíblia também.

“O Deus do Antigo Testamento é o personagem mais desagradável de todas as ficções: ciumento, arrogante, insignificante, vingativo, injusto, implacável, racista”, diz ele. Dawkins então critica Abraão, compara Moisés a Hitler e Saddam Hussein, e chama o Novo Testamento de “a doutrina nojenta e sadomasoquista da expiação pelo pecado original”.

John Deighan, porta-voz da Igreja Católica, discordou da atitude de Dawkins condenando as religiões. Deighan disse ao jornal Glasgow Sunday Herald: “Dawkins é bem conhecido por seus ataques sarcásticos contra a fé, e penso que a fé tem resistido a seus ataques. Ele está realmente excedendo seus talentos de cientista quando começa a se aventurar no campo da filosofia e teologia. Dá para ver bem que ele é que é o cara que tem problemas”.

Madeline Bunting, colunista do jornal Guardian, analisou a série e escreveu: “Há uma aflição e frustração de que a História defraudou os [humanistas ateístas] — [que não fosse por isso] éramos para ser todos racionalistas ateus hoje. Achavam que a secularização era uma parte totalmente inseparável do progresso. Ainda mais desagradável é que a secularização que hoje existe é acompanhada pelo crescimento de estranhas irracionalidades como cristais e outras idéias da moda. Como indicou G.K. Chesterton: o problema quando as pessoas não crêem em Deus não é que elas não crêem em nada, é que elas crêem em qualquer coisa”.

Dawkins, talvez mais bem conhecido por seu comentário muitas vezes citado de que a evolução “tornou possível um homem ser um ateu intelectualmente satisfeito”, apela para John Lennon numa declaração que ele próprio escreveu para o jornal Belfast Telegraph na véspera da estréia de seu programa: “A religião pode não ser a raiz de todos os males, mas é uma candidata forte para essa posição. Só daria para crer que as afirmações religiosas são verdadeiras se pudessem ser provadas. Mas a ciência e a razão minam essas afirmações. Imagine um mundo onde ninguém é intimidado a não seguir a razão, para onde quer que a razão conduza. Você pode dizer que sou um sonhador. Mas não sou o único”.

Traduzido e adaptado por Julio Severo: http://www.juliosevero.com.br/

Fonte: http://www.wnd.com/news/article.asp?ARTICLE_ID=48252

Um comentário:

teixeirapydd disse...

Já li alguns artigos desse sujeito, e nos mesmos nota-se que ele próprio é tão intolerante quanto alega que as religiões são(especialmente o cristianismo).

Mas quero muito ver qual será a sua posição quando tiver de enfrentar a morte, com o único "consolo" de que é fruto de uma evolução de seres inferiores e agora terá de desaparecer para sempre, para que outros mais evoluídos possam surgir...