6 de dezembro de 2005

A Verdadeira Arma Secreta de Saddam Hussein

A Verdadeira Arma Secreta de Saddam Hussein

J. Lee Grady

A fé de Saddam Hussein na magia negra nos dá uma pista de que forças da escuridão estão manipulando seu julgamento — e estão mantendo em segredo as suas armas.

O julgamento de Saddam Hussein recomeça nesta semana depois de numerosas demoras, ameaças, desordens na segurança, uma briga com muita gritaria na segunda-feira e seis assassinatos (sim, seis, inclusive um juiz e uma testemunha em potencial) desde que o processo legal começou em 19 de outubro em Bagdá. Durante recentes presenças no tribunal, Saddam permaneceu insolente como sempre, desacatando e agindo como um cabeçudo ator de Hollywood que perdeu seu estrelato e agora está condenado a aparecer em programas de segunda categoria tarde da noite.

Poderia parecer cômico que esse ditador, outrora tão poderoso, tenha sido deposto, tenha sido pego em flagrante num buraco de aranhas e forçado a viver numa cela de prisão enquanto os tablóides publicam fotos dele vestindo só cueca. Mas não se deve rir cedo demais. Preocupa-me o fato de que forças invisíveis estejam trabalhando no Iraque hoje — forças que as pessoas no Ocidente não levam a sério.

Considere esses detalhes estranhos que, aparentemente, não têm relação um com outro:

1. É fato bem conhecido que Saddam Hussein utilizou gás venenoso para matar civis curdos, e às vezes ele utilizava ácido para torturar os próprios iraquianos. Algumas testemunhas oculares também dizem que viram as diabólicas armas de destruição em massa de Saddam. Contudo, hoje grande parte do Ocidente está convencida de que as armas nunca existiram.

2. Saddam declarou para seu círculo íntimo de amigos que crê que ele é a reencarnação do Rei Nabucodonosor II. Ele até gastou 500 milhões de dólares durante a década de 1980 para reconstruir a antiga Babilônia.

3. Muitos iraquianos acreditam que não é possível matar Saddam, pois ele tem poderes ocultos. De acordo com um boato que circula há anos no Iraque, Saddam tem uma misteriosa pedra azul implantada num de seus braços, dando-lhe proteção mágica de balas e bombas. Alguns dos principais líderes militares do ex-líder iraquiano afirmaram que crêem que Saddam tem sete vidas e não pode morrer.

Será que o homem não é bom da cabeça? Claro que não. Será que todos esses boatos de seu poder sobrenatural são simplesmente superstição do Oriente Médio? Sem dúvida. Mas o fato permanece que aquilo com que estamos lidando aqui não é só um julgamento rotineiro de crimes de guerra.

Algo sinistro está em atividade em Saddam e ao seu redor. Não devemos descartar o papel das forças ocultas nesse caso.

Muitas pessoas no Ocidente sofisticado e culto não crêem no mundo sobrenatural. Os intelectuais da Europa e dos EUA zombam da idéia de que forças invisíveis podem afetar a vida dos seres humanos mortais. Mas suspeito que até mesmo a maioria dos acadêmicos durões repensará quem realmente está nos bastidores controlando esse conflito no Oriente Médio.

Saddam pode não ter uma pedra de bruxaria implantada em seu braço. Mas sua feitiçaria é poderosa o suficiente para convencer grande número de líderes mundiais de que ele jamais teve armas de destruição em massa (AMDs). É como se ele — ou algo operando através dele — tivesse o poder de esconder as evidências.

Na semana passada em Tóquio, Japão, o ministro das relações exteriores do Iraque Hoshiyar Zebari repreendeu duramente uma sala cheia de jornalistas por negarem a existência das ADMs.

Zebari declarou: “Nós iraquianos sofremos muitas mortes com as armas de destruição em massa utilizadas por Saddam Hussein. Não precisamos de gente de fora de nosso país para nos dizer o que Saddam tinha ou não tinha. Ele realmente tinha, ele realmente desenvolveu e ele realmente usou armas de destruição em massa. Sofremos essa experiência na própria pele. Ele as utilizou em nós! Não sabemos se ele as enterrou, vendeu, escondeu ou as tirou do país, mas isso não tem nada a ver com o assunto”.

Não li as declarações de Zebari em nenhum jornal do Ocidente. Um jornalista que trabalha em Tóquio e já escreveu artigos para a revista Charisma, Ken Jospeh Jr., estava presente na conferência de imprensa em 25 de novembro e gravou essas palavras. Fico pensando no motivo por que as observações pessoais de Zebari não foram incluídas nas manchetes ou notícias nos Estados Unidos. Será que é porque as forças ocultas em atividade aqui nos cegaram?

O apóstolo Paulo disse à igreja em Éfeso — cidade do primeiro século que era bastião do ocultismo — que nossa luta espiritual é “contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.” (Efésios 6:12 RC) Isso significa que não enfrentamos a vida simplesmente a partir de um ponto de vista intelectual. Precisamos ter consciência do mundo sobrenatural, ou então algo invisível poderia tirar vantagem de nós.

Temos autoridade, no nome de Cristo, de subjugar a bruxaria, vencer toda enganação e desmascarar as tramas ocultas. Se você é um cristão de oração, e crê no poder de Deus para subverter os poderes demoníacos, incentivo você a interceder até que esse julgamento termine e Saddam seja totalmente julgado.

J. Lee Grady é editor da revista Charisma e um jornalista premiado. Ele escreve uma coluna na Charisma Online duas vezes por semana. Para fazer a assinatura da Charisma Online, clique aqui.

Artigo original: There’s Something Bizarre in Baghdad, Charisma Online, 6 de dezembro de 2005. Traduzido e adaptado por Julio Severo:
www.julosevero.com.br

Nenhum comentário: