13 de dezembro de 2005

O que todo cristão precisa saber sobre Israel

O que todo cristão precisa saber sobre Israel

Julio Severo

Pouco antes de Jesus subir ao céu, depois de sua morte e ressurreição, seus apóstolos lhe trouxeram sua mais importante pergunta.

Então os que estavam reunidos lhe perguntaram: “Senhor, é neste tempo que vais restaurar o reino a Israel?” Ele lhes respondeu: “Não lhes compete saber os tempos ou as datas que o Pai estabeleceu pela sua própria autoridade”. (Atos 1:6-7 NVI)

Essa pergunta os estava inquietando há muito tempo. Afinal, eles eram judeus e sabiam que Deus tinha promessas especiais para Israel, inclusive para sua restauração política. E eles queriam saber o que aconteceria com Israel. Em sua resposta, Jesus se limitou a dizer que, no coração do Pai, Israel teria no futuro uma restauração, conforme o Pai estabeleceu com sua própria autoridade. Depois de dar essa resposta, Jesus fez com que seus discípulos focalizassem sua atenção para os tremendos recursos que Deus estava lhes dando para levar o Evangelho ao mundo inteiro. A igreja estava nascendo com poder e autoridade para dar um testemunho de impacto internacional.

Em seguida, Jesus disse: “Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra.” (Atos 1:8 NVI)

A questão da restauração de Israel era assunto para o Pai resolver no futuro. Naquele momento, o que era importante era voltar a atenção para o nascimento da igreja — que não era uma instituição, mas um agrupamento de homens e mulheres escolhidos e salvos por Jesus, homens e mulheres seguidores apaixonados e comprometidos com Jesus.

Assim, Jesus os orientou a se envolver naquele momento exclusivamente com o nascimento de sua igreja, pois a restauração de Israel era responsabilidade do Pai. Na agenda do Pai, a igreja então estava marcada no presente para ser abençoada e Israel estava marcado para receber atenção, visitações e bênçãos especiais de restauração no futuro. Deus tinha planos especiais para a igreja no presente e ele tinha planos especiais para Israel no futuro. A igreja e Israel têm rumos e missões diferentes.

Israel, como nação, poderia experimentar essa restauração durante o nascimento da igreja, ou até antes, mas sua dureza contra Deus adiou o projeto de Deus para eles. Aliás, por causa dessa dureza, eles foram, como nação, disciplinados de modo espantoso. Não muito depois do nascimento da igreja, os judeus foram expulsos de seu país, a terra de Israel. Eles permaneceram quase dois mil anos longe de sua terra. Esse castigo foi resultado de sua rejeição ao Messias, que havia vindo para salvá-los. Contudo, tal forte castigo também mostra os cuidados de Deus, pois ele disciplina os que estão dentro de seus projetos. “Pois o Senhor corrige quem ele ama e castiga quem ele aceita como filho.” (Hebreus 12:6 NVI)

Por causa de sua teimosia, os judeus viveram quase dois mil anos longe de sua terra — terra que Deus lhes deu em sua aliança eterna com Abraão, Isaque e Jacó. Mas tal teimosia não durará para sempre, pois com ou sem teimosia, Deus é fiel e cumprirá suas promessas a Abraão, Isaque e Jacó. O Apóstolo Paulo expõe um importante mistério divino acerca do futuro de Israel:

Meus irmãos, quero que vocês conheçam uma verdade secreta para que não pensem que são muito sábios. A verdade é esta: a teimosia do povo de Israel não durará para sempre, mas somente até que o número completo de não-judeus venha para Deus. É assim que todo o povo de Israel será salvo. Como dizem as Escrituras Sagradas: “O Redentor virá de Sião e tirará toda a maldade dos descendentes de Jacó.” (Romanos 11:25-26 NTLH)

A palavra teimosia vem da palavra grega original porosis, que significa dureza, cegueira, insensibilidade. Tal insensibilidade quer dizer que os judeus estão vivendo como pedras, totalmente fechados, para o Messias. Essa cruel cegueira os faz recusar Jesus e os faz criticarem os evangélicos que apóiam a aliança eterna de Deus com Israel. Os judeus progressistas, esquerdistas e liberais nos EUA e em Israel — que abrangem uma grande parte da população judaica desses países — tentam minar e atacar todo apoio cristão a Israel com base em promessas bíblicas. Eles não aceitam essas promessas e só se dão bem com evangélicos esquerdistas ou liberais. O socialismo desses judeus veio de seus pais e avós europeus, que até introduziram em Israel práticas sociais que têm tudo a ver com o socialismo e nada a ver com a milenar tradição judaica: os kibutz e o aborto legalizado. O socialismo tem um enorme apelo entre a maioria dos judeus, que hoje estão fechados para Deus. Aliás, o próprio Karl Marx, fundador da ideologia comunista e socialista, era judeu.

Os judeus socialistas do mundo inteiro, assim como todos os socialista do mundo inteiro, de maneira geral rejeitam os propósitos de Deus. O judeu socialista americano Tony Kushner declarou: “Eu queria que o Israel moderno não tivesse nascido”. Ele é autor de uma famosa peça teatral que faz propaganda homossexual. Ele também chama o estabelecimento do Estado de Israel “uma calamidade histórica, moral e política para o povo judeu”.

Apesar disso, até mesmo entre os evangélicos desses últimos tempos há esse tipo de dureza. Os evangélicos progressistas (socialistas), seguindo a teimosia dos judeus progressistas, zombam das promessas de Deus para Israel — ou acreditando que a igreja substituiu a nação de Israel ou não acreditando que o território inteiro de Israel pertence exclusivamente aos judeus:

“Nos últimos tempos aparecerão pessoas que ridicularizam a Deus. Elas seguirão seus próprios desejos ímpios. Essas são pessoas que causam divisões. Elas se preocupam com as coisas materiais, não com as coisas espirituais”. (Judas 1:18-19 GW)

Já os judeus conservadores e ortodoxos, que não são maioria na população judaica do mundo, aceitam as promessas bíblicas, se dão bem com os evangélicos conservadores somente na questão específica do apoio desses evangélicos a Israel, mas não aceitam a paixão dos evangélicos de levar o Evangelho aos judeus.

Apesar desse estado tão insensível dos judeus, Deus promete que a dureza e teimosia do povo de Israel não durará para sempre. Quando o número determinado por Deus de pessoas que não são judias vierem para Deus, aí o plano secreto de Deus se cumprirá e ações sobrenaturais de Deus conduzirão os judeus e sua nação Israel para perto de quem eles rejeitaram: o Messias. Deus promete que nos últimos dias os judeus se aproximarão do Senhor como nunca antes: “Depois, tornarão os filhos de Israel, e buscarão ao SENHOR, seu Deus, e a Davi, seu rei; e, nos últimos dias, tremendo, se aproximarão do SENHOR e da sua bondade.” (Oséias 3:5 RA)

A igreja nasceu com a graça de receber poder do Espírito Santo para levar o Evangelho ao mundo inteiro. E há também promessas bíblicas fortes de que no futuro, o derramamento do Espírito Santo e seu poder será maior. Com tal Espírito irresistível, é justo pensar que a igreja estará em condições de ajudar o projeto de Deus de vencer a dureza do povo judeu e também combater o ódio mundial contra os judeus. Israel foi instrumento usado por Deus para abençoar as nações com o Messias e sua Palavra poderosa. Jesus veio ao mundo como um judeu, nascendo de sua pátria Israel. Ele veio do meio dos judeus e continua judeu.

“Então apareceu no céu um grande e misterioso sinal. Era uma mulher. O seu vestido era o sol, debaixo dos seus pés estava a lua, e ela usava na cabeça uma coroa que tinha doze estrelas. A mulher estava grávida e gritava com dores de parto. E apareceu no céu outro sinal: era um enorme dragão vermelho com sete cabeças e dez chifres e com uma coroa em cada cabeça. Com a cauda ele arrastou do céu a terça parte das estrelas e as jogou sobre a terra. Depois parou diante da mulher grávida a fim de comer a criança logo que ela nascesse. Então a mulher deu à luz um filho, que governará todas as nações com uma barra de ferro. Mas a criança foi tirada e levada para perto de Deus e do seu trono. A mulher fugiu para o deserto, onde Deus havia preparado um lugar para ela. Ali ela será sustentada durante mil duzentos e sessenta dias.” (Apocalipse 12:1-6 NTLH)

A mulher simboliza Israel, nação alicerçada nos doze filhos de Jacó. A mulher trouxe Jesus ao mundo e depois “fugiu” para o deserto, isto é, saiu de sua terra, onde permaneceu quase dois mil anos.

De Israel veio o Messias para o mundo, e Israel — sofrendo castigo divino por seus pecados — permaneceu longo tempo no deserto das nações, sem apoio, reconhecimento ou respeito.

O mundo estava perdido em sua hostilidade e dureza contra Deus, mas o Evangelho trouxe graça e transformação. Doze apóstolos judeus — sem mencionar o Apóstolo Paulo, que também era judeu — foram usados poderosamente para transformar o mundo inteiro. Agora, é a vez da igreja deixar que Deus a use como instrumento para libertar o povo judeu de toda teimosia, rebelião e dureza contra Deus e suas imutáveis promessas a Abraão, Isaque e Jacó.

Deus já começou a cumprir suas promessas a Israel. Contrariando todas as expectativas humanas, ele trouxe a restauração nacional da nação de Israel em 1948, conforme Ezequiel 37, “ressuscitando” um povo que estava virtualmente morto e enterrado nos escombros da história, espalhado pelas nações, perseguido e odiado. Contudo, essa restauração não foi total, pois importantes partes do território de Israel e até de Jerusalém estão ocupadas pelos árabes chamados palestinos. Por enquanto, aguarda-se ainda que a restauração territorial se complete e, principalmente, que a restauração espiritual comece a acontecer.

As promessas que Deus deu a Israel — de total posse de sua terra, de salvação e de restauração espiritual e nacional — se cumprirão, no tempo determinado pelo Pai. Todos os que são filhos desse Pai cooperam com ele nesse propósito, orando para que a vontade de Deus prevaleça.

Portanto, os cristãos têm três prioridades em suas orações:

Orar para que o Reino de Deus venha e se manifeste neste mundo. Esse Reino não é a igreja nem Israel. Esse Reino é o Governo de Deus. (Veja Mateus 6:10)

Orar para que a igreja de Jesus Cristo na terra seja santificada pela verdade da Palavra de Deus e ande e viva como ele andou e viveu. (Veja João 17 e 1 João 2:6)

Orar não só pela paz de Jerusalém, mas também pela plena restauração espiritual, territorial e política de Israel. (Veja Salmo 122:6)

Quando estava falando exatamente de Israel e seu futuro e das promessas de Deus para os judeus, o Apóstolo Paulo declarou:

“Pois os dons e o chamado de Deus são irrevogáveis”. (Romanos 11:29 NVI)

“Porque Deus não muda de idéia a respeito de quem ele escolhe e abençoa.” (Romanos 11:29 NTLH)

Deus não mudou em nada sua aliança com Israel. Nessa aliança, o próprio Deus dá aos descendentes de Abraão, Isaque e Jacó o direito eterno e exclusivo à terra de Israel. A terra que Deus deu exclusivamente aos judeus será sempre deles. E o inimigo que detesta Deus e sua Palavra inflama o mundo com ódio contra os judeus, porque sobre eles estão as promessas eternas de Deus. Quer os judeus, em sua teimosia e dureza, aceitem ou não, quer o mundo e os “palestinos” aceitem ou não, as promessas de Deus para Israel se cumprirão.

Portanto, as nações não deveriam desperdiçar suas oportunidades de serem úteis para Israel, pois essa nação está no coração de Deus. O próprio Deus diz para Israel:

“Porque a nação e o reino que te não servirem perecerão; sim, essas nações de todo serão assoladas.” (Isaías 60:12 RC)

Durante a 2 Guerra Mundial, a Alemanha nazista sofreu destruição total porque perseguia e aniquilava os judeus. O poderoso Império Britânico virou cinzas, porque a Inglaterra teve oportunidade de ajudar os judeus, mas preferiu impedi-los de fugir para a terra de Israel. Durante a guerra, nenhum país queria receber os judeus como refugiados, de modo que restou para os judeus somente a opção de voltar para a terra de seus ancestrais. No entanto, todo o território de Israel estava sob administração britânica, e os ingleses proibiram os judeus de escaparem para sua própria terra. Seis milhões de judeus foram cruelmente assassinados pelos nazistas porque não tinham nenhum lugar para onde ir.

É claro que durante a guerra muitos judeus sofreram também por seus próprios pecados, porque estavam longe de Deus e apegados à radical ideologia socialista. No entanto, nenhuma nação tem o direito de “castigar” o povo judeu, porque Deus é o único que pode lidar com eles e seus pecados, como sempre foi. Além disso, o que a Alemanha nazista fez não foi “castigar” os judeus, mas destruí-los, e o que a Inglaterra fez não foi “castigá-los”, mas impedir que eles fugissem para o único lugar em que milhões de judeus poderiam ter escapado da destruição se não fosse pela dureza das autoridades inglesas. Mas o preço foi alto: o Império Britânico desapareceu da face da terra.

A 2 Guerra Mundial terminou há décadas, porém o ódio aos judeus não pereceu naquele conflito. Israel, como nunca antes, precisa do apoio e ajuda das nações. E há bênçãos de Deus para quem abençoa Israel. E se há maldição para os opositores, o que então acontecerá com a vasta maioria das nações que demonstra ódio contra os judeus e seu direito exclusivo à sua terra? Talvez nada esteja inflamando tanto esse ódio quanto o islamismo e o socialismo. Os sentimentos dos muçulmanos para com Israel são mais que conhecidos, porém de um modo aparentemente mais suave os socialistas do mundo inteiro — inclusive judeus socialistas em Israel, nos EUA e na Europa — não acreditam, não aceitam e nem levam a sério a aliança de Deus com Abraão, Isaque e Jacó.

Não precisamos nos preocupar com os “erros” e pecados de Israel. Deus sempre soube cuidar deles, até para castigá-los. Não foi por castigo que os judeus permaneceram quase dois mil anos fora de sua terra? E durante esse período, os árabes invadiram aquela terra e hoje a reivindicam para eles e para a causa muçulmana. Esses árabes ganharam o título de “palestinos”. Palestino designa o habitante da Palestina, nome que os romanos vingativamente deram à terra de Israel, depois de expulsarem todos os judeus, quase dois mil anos atrás. Palestina, conforme queriam os romanos, significa terra dos filisteus, os piores inimigos de Israel.

A única solução para a causa dos “palestinos” — que o próprio príncipe das trevas tem usado para espalhar ódio contra os judeus no mundo inteiro — é os palestinos e o mundo aceitarem a aliança imutável de Deus com Israel.

A maior bênção para os cristãos do mundo inteiro não é só que Deus os abençoará em seus esforços para vencer pela oração a dureza e a rebelião de Israel, mas também que cedo ou tarde os judeus e sua nação Israel se aproximarão de Deus. Todos os demônios do inferno e todos os exércitos do mundo que se unirem contra Israel fracassarão, pois forte é o Senhor que tem uma aliança eterna com Abraão, Isaque e Jacó.

A Palavra de Deus profetiza que grandes nações identificadas como Gogue e Magogue ajuntarão todos os outros países contra Israel. O ódio que realizará esse propósito satânico já está sendo semeado na Europa, América Latina, Brasil e outras nações, preparando-as para a batalha final contra Israel nos últimos tempos.

“[Satanás] sairá para enganar os povos de todas as nações do mundo, isto é, Gogue e Magogue. Satanás os juntará para a batalha, e eles serão tantos como os grãos de areia da praia do mar. Eles se espalharam pelo mundo e cercaram o acampamento do povo de Deus e a cidade que ele ama, mas um fogo desceu do céu e os destruiu.” (Apocalipse 20:8-9 NTLH)

Você avançará contra Israel, o meu povo, como uma nuvem que cobre a terra. Nos dias vindouros, ó Gogue, trarei você contra a minha terra, para que as nações me conheçam quando eu me mostrar santo por meio de você diante dos olhos delas. “Assim diz o Soberano, o SENHOR: Acaso você não é aquele de quem falei em dias passados por meio dos meus servos, os profetas de Israel? Naquela época eles profetizaram durante anos que eu traria você contra Israel. É isto que acontecerá naquele dia: Quando Gogue atacar Israel, será despertado o meu furor. Palavra do Soberano, o SENHOR”. (Ezequiel 38:16-18 NVI)

“O SENHOR Deus diz: — Naquele tempo, farei com que o povo de Jerusalém e de Judá prospere de novo. Então ajuntarei os povos de todos os países e os levarei para o vale de Josafá e ali os julgarei. Eu farei isso por causa das maldades que praticaram contra o povo de Israel, o meu povo escolhido: espalharam os israelitas por vários países e dividiram entre si o meu país”. Multidões e mais multidões enchem o vale da Decisão; está perto o Dia do SENHOR, no vale da Decisão. O sol e a lua ficam escuros, e as estrelas deixam de brilhar. Do monte Sião, o SENHOR fala alto, a sua voz parece o trovão. De Jerusalém, ouve-se o estrondo da voz de Deus, e os céus e a terra tremem! Mas ele defende e protege o povo de Israel. Deus diz ao seu povo: “Assim vocês vão ficar sabendo que eu sou o SENHOR, o Deus de vocês. Eu moro em Sião, o meu monte santo. Jerusalém será uma cidade santa, e os estrangeiros nunca mais a conquistarão.” (Joel 3:1-2, 14-17 NTLH)

O cristão que ama a Palavra de Deus sabe o que acontecerá com Israel e seus inimigos, pois Deus já nos revelou tudo em sua Palavra. Então que todos os que são igreja verdadeira do Senhor Jesus Cristo orem para que o Reino de Deus venha sobre Israel, trazendo abertura de corações. Orem também para que o Reino de Deus venha sobre as nações, livrando muitos do ódio irracional contra a aliança de Deus com os descendentes de Abraão, Isaque e Jacó. E orem também para que o Reino de Deus venha sobre as igrejas cristãs, despertando muitos para seguirem exclusivamente a vontade do Pai nesses últimos dias. O Reino de Deus é o Governo de Deus. Que todos então declaremos profeticamente: “Venha, Governo de Deus, sobre Israel, estabelecendo sobre essa nação tudo o que o Pai já determinou para estes últimos dias! Venha, Governo de Deus, sobre as nações, dissipando seu ódio contra Israel e estabelecendo a vontade do Rei Jesus! Venha, Governo de Deus, sobre as igrejas cristãs do mundo inteiro, tornando-as praticantes da vontade do Pai com relação a Israel”.

© Julio Severo. www.juliosevero.com

21 comentários:

Carlos Eduardo disse...

Caro Sr. Julio Severo,

Dados antropológicos indicam que os filisteus vivam na Palestina antes dos que vagavam pelo deserto com Mosés chegarem lá. E os palestinos atuais são os descendentes dos antigos filisteus. Resumindo, os judeus na época de Moisés ocuparam uma terra que não era deles e o fazem agora da mesma forma.Qualquer um pode fundar uma religião e dizer que o seu deus disse que a aquela terra era dele. Se for assim, todo mundo pode alegar posse de terra por direito divino.

Julio disse...

Prezado Carlos Eduardo, os filisteus e os palestinos nada têm em comum, nem cultural nem religiosamente. Lembro-me também de ter lido sobre a visita de Dom Pedro 2 à terra de Israel. ELe contou que era tudo praticamente sem habitantes. Os "palestinos" são na vasta maioria descendentes de árabes muçulmanos atraídos àquela região quando estava sob o governo britânico no começo do século XX. Veja este artigo: http://juliosevero.blogspot.com/2006/04/onde-fica-essa-tal-de-palestina.html

Julio Severo disse...

Carlos, você está "chutando" forte! "Dados antropológicos..."? Você está querendo aparentar erudição? Agora, o chute maior foi afirmar que os palestinos descendem dos filisteus (o que não tem o menor cabimento).

Recomendo:
http://www.beth-shalom.com.br/artigos/verdadeiraidentidade.shtml

http://www.beth-shalom.com.br/artigos/inverdades.shtml
(este é do Joseph Farah - um árabe)

Outro texto relacionado (já um pouco antigo - ainda fala do Arafat):
http://www.beth-shalom.com.br/artigos/duassentencas.shtml

Mais um:

http://www.chamada.com.br/mensagens/plano_de_deus.html

araci disse...

Paz Júlio!
Como eu amo Israel, acho tremenda a história de nosso Deus com seu povo,tenho procurado conhecer cada vez mais sobre essa relação, e tb oro por Israel, oro para q Deus estabeleça seu reino com seu povo!!
Essa estudo é maravilho, aprendi muito...e sabe, me diga se estou certa ou errada, mas os EUA só não estão detonados pq eles amam e protejm Israel, usados por Deus é claro...
paz meu irmão
Deus o abençoe!

Sandra disse...

Amado Júlio
Como Deus tem abençoado a tua vida para ensinar e propagar as verdades a qual muitos não querem enchergar...lendo as tuas palavras escritas de Israel lagrimas corriam no meu rosto, porque amo muito Israel e o meu coração agora arde muito mais para orar por Israel.
Que Deus continue te abençoando e dando-lhe muita sabedoria por ser verdadeiro e fiel ao DEUS TODO PODEROSO. Sandra

Anônimo disse...

CARO JULIO,
Eu o vejo com um dos Atalaias, levantado por Adonai nesses ultimos dias, para fazer soar Seu grande shofar!
Continue! Adonai esta usando sua vida para despertar a igreja, que por muito foi enganada com a diabolica "teologia da substituiçao" e ensinada a odiar os judeus. Deus nao substitiu, mas somou a igreja a Israel, conforme diz o apostolo Paulo aos Romanos 11:24.Quando Paulo fala que "de ambos os povos Deus fez um so povo" claro que nao os fez todos gentios, mas os fez judeus, enchertando-os na oliveira atraves de Yeshuah
Que as bençaos mencionadas nas Escrituras a favor dos que abençoarem a Israel, sejam reais em sua vida, de sua familia e de todos, que a seu exemplo, abencoaream Israel.
Sarah Elzeny

marcelo victor disse...

Srs,
Embora concorde amplamente com as denúncias feitas pelo autor deste blog e algumas opiniões corajosamente proferidas, relativas a vários assuntos, discordo completamente de algumas idéias apresentadas especificamente nesta matéria.
Como dizem as Escrituras, apenas o remanescente judeu será salvo e mesmo assim somente através de Cristo (o único caminho). Como se dará isso, basta ler Zacarias, que relata que eles, os judeus (e o mundo), verão Aquele ao qual traspassaram na cruz (e no evangelho) e, aí sim, haverá uma grande lamentação por não terem dado ouvidos ao que o Espírito Santo dizia nas Escrituras (e nas igrejas).
É fundamental que não esqueçamos de que a Bíblia relata que antes do "fim", primeiramente virá o "assolador", o qual fará aliança com Israel e com o mundo durante a metade de uma semana bíblica. Em seguida, esse tal trairá a confiança de todos e buscará adoração à sua pessoa.
Para que haja essa tal aliança, necessariamente terá que haver uma concordância entre as partes (o assolador, os judeus e o dominadores do mundo), o que pode significar mais sofrimento e dor para inocentes (provavelmente muçulmanos, cristãos genuínos e outros).
A partir de então é que Jesus Cristo virá e recolherá os seus eleitos de todas as nações, incluindo judeus que se converterem a Cristo (o remanescente).
Logo, muito cuidado com o apoio à Jerusalém terrena, pois os judeus tomarão parte nessa aliança promovida pelo filho do diabo.
Quanto ao juízo que virá sobre os EUA, entendo que não diz respeito especificamente a Israel, mas aos atos abomináveis que eles têm praticado ao redor do mundo nos últimos anos contra os demais países, matando inocentes, destruindo povos, aniquilando culturas, subjugando as nações, usufruindo dos tesouros naturais que o Senhor DEUS deu aos outros...tudo por ganância e para a manutenção do poder.
Tenho ainda uma consideração a fazer em defesa do título bíblico "cristão". A idolatria romana nunca foi e nunca será uma religião cristã, na minha modesta forma de ver.
Por quê?
Ela se diz cristã, mas suas práticas são totalmente opostas aos ensinamentos de Cristo e contrariam abertamente as Escrituras, apesar de utilizá-las como aparente dogma.
Grande parte da aversão que outros povos têm do cristianismo é devido ao paganismo do catolicismo romano e principalmente às grandes perseguições que foram promovidas por essa instituição contra aqueles que se opunham às suas orquestrações diabólicas.
Morreram judeus, muçulmanos e toda a igreja primitiva nas mãos desses miseráveis, que se diziam discípulos de Cristo.
Aliás, é bom ressaltar que não sou eu quem diz isso, mas a história registra abertamente os fatos nos livros.
Para maior confirmação, basta lembrarmo-nos de que o próprio líder daquela instituição pediu desculpas ao mundo por causa da barbárie dantes cometida por eles.

Deixo uma reflexão:
Se unirmos as duas histórias de luta pelo poder, cá entre nós, formar-se-ia uma grande dupla: EUA e idolatria romana.
E se avançássemos um pouco mais nesse exercício de raciocínio e incluíssemos, nessa aliança, os fariseus e os escribas...é bem provável que tivéssemos como resultado algo terrível, semelhante aos rituais registrados no Velho Testamento a respeito dos adoradores de baal, com a realização de sacrifícios não só de animais, mas de humanos (vide o que está acontecendo na palestina, no Iraque, no Afeganistão e em muitos outros lugares).

Romanos 9:27 Também Isaías clama acerca de Israel: Ainda que o número dos filhos de Israel seja como a areia do mar, o remanescente é que será salvo.

Respeitosamente.

Márcio de Assis Santos disse...

A paz do Senhor Jesus!
Amo a Israel como servo do Senhor Jesus, e quem o é não pode sentir diferente. Porém gostaria de discordar com o autor quando diz que a mulher com doze estrelas na cabeça é Israel, não é , é a igreja. Segundo que o reino de Deus é celestial, o que não tem nada a ver com o governo com vara de ferro que Jesus estabelecerá com seus remidos na terra, e acontecerá após o arrebatamento da igreja. Agora para ajudar o autor, é bom desfazer a mentira acerca do "povo palestino". Não são "povo palestino" e sim população palestina, já que Palestina é uma região, não etnia. É habitada hoje por jordanianos, árabes sauditas, iranianbos, iraquianos, egípcios, líbios, sírios, afegãos e até alguma minoria judaica. Todos são representantes de nações politicamente e étnicamente definidas com intuito de estabelecer uma base politica e militar vançada contra Israel, esse é o "povo palestino". Um abraço.

Anônimo disse...

Prezado padre Júlio, que o Eterno, nosso Deus, faça resplandecer a Luz do Seu rosto sobre você - mais e mais - e que venham a Sua Paz, o Sua benção e o Seu poder sobre a sua vida. É a minha oração no Nome de Jesus. Amen.
Obrigado. Muito obrigado.

Anônimo disse...

a mulher vestida de sol é a mulher do genêsis - porei inimizade entre ti e a mulher-a perseguição a mulher vestida de sol, é demoníaca e não uma perseguição de homens -Pai perdoa-lhes porque não sabem o que fazem- a mulher é a igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo- Israel é a oliveira doce e os não judeus a oliveira brava enchertada.

Ana Silva disse...

Irmão Júlio o ESPÍRITO SANTO te usou de forma grandiosa para que escrevestes este texto ,os filhos de Agar até hoje invejam os filhos de Sarah , e não entendem que o que DEUS unge é eternamente protegido por ele , DEUS não é brincadeira, DEUS é o poder supremo deste universo, DEUS é mais infinito e tudo o que estamos vivenciando nos tempos atuais toda e todas
estas estratégias de satanás , são acompanhadas por DEUS , tendo sempre o cuidado de não alterar as Leis que determinou para a humanidade , com certeza as forças das trevas estão sempre trabalhando para por em prática o plano de destruir a maior evidência da presença de DEUS na terra que foi a escolha do povo de Israel e consequentemente a vinda de seu filho JESUS CRISTO para salvar a humanidade decaída , principalmente agora em que pretendem inaugurar uma NOM com objetivo de cegar mais ainda o povo decaído que ainda não aceitou o SENHOR JESUS CRISTO como salvador , porém sabemos que DEUS está no contrôle e tudo acontece para honra e glória de seu santo nome !
Que DEUS te proteja Júlio !

Anônimo disse...

Parabéns pelo artigo!
O plano de Deus é perfeito, devemos amar Israel assim como um irmão que tropeçou, porem o Senhor o ama de mais, ele vai voltar.

Heldo disse...

Essa questão de que os judeus não serão salvos, é um tanto polêmica.E Abraão, Isaque, os Profetas e dezenas de judeus que não conheceram Jesus, mas criam na Salvação de Deus. Vejamos: Eu, eu sou o SENHOR, e fora de mim não há Salvador. Isaías 43:11- Este receberá a bênção do SENHOR e a justiça do Deus da sua salvação. Salmos 24:5 - Anunciai, e chegai-vos, e tomai conselho todos juntos; quem fez ouvir isto desde a antiguidade? Quem desde então o anunciou? Porventura não sou eu, o SENHOR? Pois não há outro Deus senão eu; Deus justo e Salvador não há além de mim. Isaías 45:21
Bem, estes textos falam de Salvação, Redenção. E qual é requisito para ser salvo? Crêr. O que foi que Jesus falava para aqueles a quem Ele curava? Vai a tua fé te salvou. Em vários textos vemos isso. Não foi a redenção , em primeiro lugar que salvou, mas a fé. Pois redenção sem fé não salva. Mas pela fé Abraão creu e isso lhe foi imputado por justiça. Tiago 2.23. Será que o Eterno vai condenar ao inferno todos os indivíduos Judeus que creram na sua redenção e esperavam a vinda do Messias?

JOEL CARVALHO - DF disse...

Todo cristão atento e estudioso deveria saber que, tudo o que acontece a Israel, principalmente a partir de 1948, quando o Estado de Israel foi restabelecido, está intimamente ligado à Igreja, que aguarda o arrebatamento.
Jesus Cristo alertou para o renascimento de Israel, que ocorreu em 14 de maio de 1948. A figueira a que Jesus se refere em Mateus 24, creio tratar-se de Israel. Diz o texto:
"Aprendei, pois, a parábola da figueira: quando já os seus ramos se renovam e as folhas brotam, sabeis que está próximo o verão. Assim também vós: quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo, às portas. Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isto aconteça. Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão" (Mt 24.32-35).

JOEL CARVALHO - DF disse...

Julio Severo,

O texto de sua autoria é muito bom e esclarecedor. Deus continue te abençoando.
Aprendi muito a respeito de Israel, além da Bíblia Sagrada, por causa de meu falecido pai, pastor assembleiano, que no início da década de 80, quando eu era adolescente com 10 anos, tinha a assinatura dos periódicos Chamada da Meia Noite e Notícias de Israel. Me lembrei disso, em razão de sua citação ao Chamada.com. Além disso, li bastante os livros do Pr assembleiano, Abraão de Almeida, que tem verdadeiros tratados sobre Israel, os quais foram editados na década de 80 pela CPAD(Casa Publicadora das Assembleias de Deus).
Alguns desses livros dos quais me lembro agora em frente ao computador, os quais ainda tenho em casa são: ASSIM VIVE ISRAEL e ISRAEL GOGUE E O ANTICRISTO. Creio tratarem-se de livros essenciais, que recomendo, assim como reforço o seu artigo e os links citados por você.

GRAÇA E PAZ! MARANATA!

David disse...

Na verdade os atuais palestinos são descendentes de árabes e populações locais (incluindo judeus) que foram arabizadas ao longo dos milênios. Existem vários artigos acadêmicos sobre genética que mostra alguns parentescos genéticos entre judeus, curdos, e árabes levantinos, como palestinos, libaneses e sírios.
"In a study of Israeli and Palestinian Muslim Arabs, more than 70% of the Jewish men and 82% of the Arab men whose DNA was studied, had inherited their Y chromosomes from the same paternal ancestors, who lived in the region within the last few thousand years"

Nebel A, Filon D, Weiss DA, et al. (December 2000). "High-resolution Y chromosome haplotypes of Israeli and Palestinian Arabs reveal geographic substructure and substantial overlap with haplotypes of Jews". Human Genetics 107 (6): 630–641. doi:10.1007/s004390000426. PMID 11153918.

Anônimo disse...

MARAVILHA! Deus te abencoe meu irmao. Que Ele te abencoe

Pr Eliel do Lago Souza disse...

Amo Israel, e concordo com seu artigo na íntegra. A questão dos romanos colocar o nome de Palestina no território judeu, é em decorrência do ódio mortal com o povo escolhido. Deus abençoe mais sua vida! Shalom!

CIHGRAL disse...

PENSO que é sensato separar alguns conceitos que, aparentemente se congruem. Exemplos: Estado do Vaticano não é cristianismo; movimento zionista não é o povo judeu; "movimento evangélico institucional ocidental" não é cristianismo; etc.
O que se vê na maior parte do "cristianismo" de massa ocidental é um apego a algumas "promessas convenientes" do Velho Testamento, e a citação de algumas frases esparsas paulinas. Dessa forma, este "sistema institucional cristão ocidental", que não é a Igreja Cristã", gerou para si um "Jesus conveniente" totalmente adaptado aos seus interesses; um "Jesus network". É um sistema adulterador do cristianismo de Cristo, sistema que transformou Deus Criador na "lâmpada mágica" do sucesso material, e conceituou o pecado como sendo o insucesso material.
Em meio à esta confusão com "aparência de cristandade", então, à parte da mídia, e anônima, coexiste a verdadeira Igreja Cristã.
www.cihgral.com

Elizeu Rodrigues disse...

Uma das coisas que dificultou o IDE do messias com relação a Israel é a doutrina da trindade, porque eles foram, são e serão monoteístas. Por mais que a crença na trindade tente enganar que existe um Deus em três, a maioria israelita sempre recitará o Shema:

Ouve Israel, O Senhor Elohim é o único Senhor

Anônimo disse...

Pq os filhos de sarah sao mais santos do que os de Agar??