2 de dezembro de 2005

Cristãos Palestinos São Perseguidos

Cristãos Palestinos São Perseguidos

Julie Stahl, CNSNews.com

Os cristãos palestinos estão sofrendo abusos dos direitos humanos, inclusive confisco de terra, estupro e assassinato nas mãos da população muçulmana, que é muito maior, mas eles não abrem a boca para falar e a Autoridade Palestina não lhes oferece nenhum recurso ou proteção, disse um advogado de direitos humanos e escritor.

Na Margem Ocidental e na Faixa de Gaza, tanto muçulmanos quanto cristãos palestinos contam aos visitantes que não há nenhum atrito entre eles — que eles vivem como cidadãos iguais sob o governo da A.P.

Mas Justus Reid Weiner, autor do livro recentemente publicado “Human Rights of Christians in Palestinian Society” (Direitos Humanos dos Cristãos na Sociedade Palestina) disse que isso simplesmente não é verdade.

A perseguição religiosa é um problema em toda a sociedade palestina e é um problema sentido de diferentes maneiras, Weiner disse. “Algumas pessoas são acusadas de colaborar com Israel. Algumas pessoas são acusadas de ofensas morais. Algumas pessoas são acusadas de tentar propagar o Cristianismo através da distribuição de Bíblias”.

Weiner, um advogado judeu que trabalha com questões de direitos humanos, disse que um pastor evangélico o incentivou a investigar os abusos de direitos humanos de muçulmanos que se converteram ao Cristianismo. Mais tarde, ele também estudou os cristãos que vivem sob governo da A.P.

“Comecei quando um amigo meu que é pastor evangélico leigo perguntou se eu já havia pesquisado ou escrito sobre as vítimas cristãs que estavam sofrendo abusos de direitos humanos vivendo sob a A.P.”, Weiner contou ao Serviço Noticioso Cybercast. “E embora eu tenha experiência de 25 anos trabalhando como advogado de direitos humanos, eu não sabia nada”.

Seu livro é dedicado a Ahmad El-Ashwal, um muçulmano palestino que se converteu ao Cristianismo e foi assassinado por causa de sua fé.

El-Ashwal, pai de oito filhos que viviam no campo de refugiados de Askar perto da cidade de Nablus, na Margem Ocidental, foi preso e torturado nas prisões da A.P. por se converter ao Cristianismo, disse Weiner.

“Ele foi levado à prisão por dois meses e eles o questionaram muito sobre suas convicções cristãs. Eles pediram que ele revelasse os nomes de outros cristãos que ele conhecia e lhe prometeram que se ele voltasse para o islamismo, eles lhe dariam um emprego bom, com salário elevado e um escritório só dele”, disse ele.

El-Ashwal foi surrado; seu carro sofreu um ataque à bomba; e ele foi forçado a fechar seu próspero local de venda de falafel quando o proprietário não quis renovar o aluguel dele por causa de sua fé cristã. Ele dirigiu uma igreja secreta em sua casa no campo de refugiados e quando ele não quis voltar ao islamismo, homens mascarados bateram à sua porta em janeiro de 2004 e lhe atiraram na cabeça.

“Nunca houve investigação alguma. Até tentei descobrir uma notícia de jornal dizendo que alguém havia levado tiro e sido morto — mas não havia notícia alguma”, contou Weiner. Sua família não quer se encontrar com nenhum estrangeiro mais, acrescentou ele.

A constituição da A.P., que precisa ainda ser ratificada, é baseada na Sharia, a rígida lei religiosa islâmica, declarou Weiner. (A Sharia rebaixa os que não são muçulmanos a uma condição inferior e também proíbe conversões do islamismo a qualquer outra religião.)

O islamismo vê uma conversão como “rua de mão única”, observou Weiner. “Você é mais que bem-vindo para se converter para o islamismo, mas quem tiver o atrevimento de pensar em se converter do islamismo para alguma outra religião merece a pena de morte”.

Se a A.P. for governada por uma constituição baseada na lei islâmica, há pouca esperança de que a constituição protegerá um muçulmano que se tornar cristão, declarou ele.

Os cristãos também sofrem

Mas não é só os muçulmanos que se convertem ao Cristianismo que sofrem, ele disse.

Weiner observou que os países do mundo não dão atenção aos abusos contra a pequena população cristã (menos que dois por cento da população total da Margem Ocidental e da Faixa de Gaza).

“A realidade da vida do dia-a-dia dos cristãos palestinos que vivem sob o governo da A.P., sujeitos aos caprichos de uma maioria muçulmana, continua a ser em grande parte ignorada pelas organizações, governos, os meios de comunicação e o público internacional”, escreveu Weiner em seu livro.

“Não só a população palestina cristã está sofrendo ameaça à sua própria existência, mas o que mais chama a atenção é que sua condição como minoria perseguida é ignorada, já que a atenção internacional está toda no terrorismo e nos planos de paz iniciais, em vez das presentes necessidades de direitos humanos”, declarou ele.

O livro de Weiner é o cume de oitos anos de pesquisa e entrevistas com convertidos e cristãos nas áreas da A.P. Ele também publicou muitos artigos em várias revistas de direito e direitos humanos.

“A maioria das vítimas tem medo de falar, medo de dar entrevistas, medo até de se encontrar comigo”, comentou Weiner.

“Tive de reassegurar-lhes na maioria dos casos de que eu não ia publicar minhas descobertas aqui em Israel, de que tudo ia ser publicado em revistas acadêmicas no outro lado do oceano… que têm pequena circulação”, observou Weiner.

“Além disso, eu estava disposto a mudar os nomes, as cidades de residência e a ocupação das pessoas que eram entrevistadas, e apesar dessas afirmações reiteradas havia algumas pessoas que ainda não queriam conversar”, declarou ele. “Basicamente, há um grande problema de medo de ameaças”.

Recentemente, uma mulher muçulmana foi assassinada por sua família, porque alegaram que ela estava tendo um caso com seu patrão cristão. A família muçulmana foi então atacar enlouquecidamente a vila cristã de Taibeh, queimando lojas e obrigando os cristãos a fugir em busca de segurança, disse ele.

O silêncio dos líderes cristãos

Para piorar o problema, os líderes cristãos — há muito tempo amedrontados com as ameaças de Yasser Arafat, que era presidente da A.P., e agora amedrontados com a atual liderança da A.P. — não abrem a boca em favor de suas comunidades, observou ele.

Weiner disse que no começo ele ficou perplexo com o silêncio dos líderes cristãos para com o tratamento cruel que seus membros estavam sofrendo.

“Penso no Cristianismo como uma das maiores religiões mundiais envolvendo bilhões de seguidores… e muitos deles são ricos e cultos. Líderes poderosos de muitos países professam uma identidade cristã e certamente eles vêm de uma tradição cristã”, disse ele.

A Autoridade Palestina tem de tal modo intimidado os líderes cristãos que eles cooperam com a causa nacionalista palestina, declarou Weiner.

“Eles obedeciam toda vez que Arafat estalava os dedos para vestir roupas cristãs e dar garantia pessoal do fato de que os cristãos e os muçulmanos eram palestinos acima de tudo, e que todos eles estavam comprometidos com o nacionalismo palestino como sua prioridade máxima”, comentou ele.

Os cristãos, pois, viam seus líderes como homens que haviam se vendido, acrescentou ele.

Pelo fato de que havia muito poucos cristãos, em comparação ao número de muçulmanos, “os líderes da A.P. tendem a fechar os olhos quando o Hamas ou a Jihad Islâmica atira, esfaqueia, bate, intimida, rouba ou estupra os cristãos”, ele declarou.

Intervenção dos EUA

Weiner disse que ele escreveu esse livro, destinado ao público geral, porque não queria que o problema permanecesse um “segredo” entre acadêmicos.

Ele acredita que o governo americano poderia fazer mais para pressionar a A.P. a cumprir, como se espera, os padrões de direitos humanos internacionais.

A pressão de Bush para que haja democracia no Oriente Médio não é só sobre “urnas eleitorais e eleições livres e justas”, observou ele.

“Parte da democracia sobre a qual ele tem falado inclui liberdade de religião, liberdade de mudar de religião, liberdade de diferir da religião ou cultura da maioria”, ele disse.

“Sob as leis internacionais de liberdade religiosa, o governo americano pode fazer alguma coisa, o uso de pressão deve ser uma possibilidade, não é uma situação sem esperança como pensam alguns”, ele observou.

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com.br

Fonte: Crosswalk — Religion Today Feature: Palestinian Christians Are Persecuted, Author Says, 25 de novembro de 2005.

3 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom texto, mais um exemplo da isntransigência islâmica.

Morte ao islã!!

misae disse...

Que pena,pois o solo do Islamismo sofre com a infertilidade inrrevercivel, onde as cementes da Liberdade não germinarão jamais.

Anônimo disse...

A solução desse conflito não está nas mãos de líderes mundiais. Graça a Deus, o Messias solucionará esse e todos os conflitos e jamais ouviremos de guerras ou agressões entre povos e nações. Maranata!