28 de abril de 2005

Desempregadas da Alemanha Forçadas a se Prostituir

Estimados irmãos

A Alemanha está enfrentando um elevado índice de desemprego. O atual governo socialista da Alemanha, que se elegeu com promessas de aumentar empregos, conseguiu legalizar e aumentar "os empregos" de prostituição e conseguiu provocar desemprego nas outras áreas. Os alemães estão pagando um alto preço social por terem escolhido governantes radicais.

Julio Severo

Desempregadas da Alemanha Forçadas a se Prostituir

BERLIM, Alemanha (LifeSiteNews.com) — Agências noticiosas do mundo inteiro estão contando o caso de uma jovem alemã, técnica qualificada da área de informação, que foi informada de que ela enfrenta a suspensão do auxílio desemprego que ela recebe do governo se ela se recusar a aceitar um “emprego” como prostituta num bordel de Berlim.

A jovem desempregada, cuja identidade não foi revelada, tinha indicado sua disposição de ter ocupações fora de seu campo e que ela já tinha trabalhado numa lanchonete. O jornal Daily Telegraph, da Inglaterra, relatou que a jovem recebeu uma chamada telefônica oferecendo-lhe uma entrevista para um emprego. Ela não percebeu que o “emprego” era prostituição num bordel até que ela telefonou. Depois que a jovem recusou, ela foi avisada pela central de empregos de que os benefícios dela seriam cortados se ela não entrasse na prostituição.

O índice de desemprego na Alemanha alcançou os níveis mais elevados desde a reunificação em 1990 e suas leis de assistência social foram mudadas recentemente. As novas leis de assistência social e a legalização da prostituição combinaram para criar uma situação em que o governo pode “vender” as mulheres para a escravidão sexual.

A lei alemã não mais considera a prostituição — ou, como é chamada, o “comércio sexual” — como imoral ou inerentemente indesejável. Os bordeis alemães legalizados estão começando a se aproveitar das listas nacionais de mulheres desempregadas para “empregá-las” para trabalhar em serviços sexuais. Sob a lei alemã, qualquer mulher com menos de 55 anos, que esteja desempregada há mais de um ano, pode ser forçada a aceitar um emprego disponível ou perder seu auxílio desemprego.“Hoje, não há nada na lei que impeça as mulheres de serem mandadas para a indústria sexual”, disse Merchthild Garweg, advogado de Hamburgo especialista nesses casos. Ele acrescentou: “As novas leis afirmam que trabalhar na indústria sexual não é mais imoral. Assim, empregos nessa indústria não podem ser recusados, sob risco de perda dos benefícios do governo”.


Traduzido e adaptado por Julio Severo: http://www.juliosevero.com.br

Fonte: LifeSiteNews.com – 31 de Janeiro de 2005.

2 comentários:

WERNER PSCHITZREIDER disse...

Fujam de mulheres. Elas apoiam o feminismo, logo isto é castigo divino.
Somente incautos se casam nos dias de hoje.

Homossexualismo é fruto do feminismo e eu repúdio do fundo da minha alma, antes que algum retardado esquerdista venha à me acusar desta prática torpe e sórdida.

Julio Severo disse...

Eu me casei e sou muito, muito feliz!!!