27 de abril de 2005

É certo matricular os filhos na escola pública?

Estimados irmãos

Em janeiro de 2005, o Dr. Bruce Shortt entrou em contato comigo oferendo seu livro sobre educação. O Dr. Shortt é formado em direito pela famosa Universidade de Harvard e tem uma perspectiva importante: Ele defende a idéia de que os próprios pais evangélicos assumam totalmente a educação de seus filhos, pelo sistema de educação escolar no lar. Ele passou vários anos no sistema público de educação, sua mãe trabalhava em escola pública e suas avós eram professoras de escola pública, porém ele mostra a dura realidade desse sistema hoje. O artigo abaixo apresenta a importância do livro do irmão Shortt. Vale a pena adquiri-lo.

Quem quiser saber mais sobre educação em casa no Brasil, visite o site da Associação Legal de Defesa da Educação Escolar em Casa, a maior entidade internacional formada por advogados evangélicos que defendem as famílias evangélicas que educam os filhos em casa. Basta clicar aqui:
http://www.hslda.org/hs/international/Brazil/default.asp

Julio Severo


É certo matricular os filhos na escola pública?

Autor de livro recém lançado nos EUA revela a dura realidade do ambiente escolar e incentiva os pais a agir

© 2005 WorldNetDaily.com

O homem que ajudou a convencer a Convenção Batista do Sul dos EUA a debater a questão da educação pública como assunto central escreveu um livro recém publicado que desmascara as escolas do governo, mostrando aos pais os tipos de opiniões e valores que estão influenciando seus filhos 180 dias por ano.

Bruce Shortt, autor de The Harsh Truth About Public Schools (A Dura Realidade sobre as Escolas Públicas), apresenta mil e uma razões por que as instituições governamentais estão desapontando na questão da educação das crianças e fazendo pouco caso dos pais que têm posturas evangélicas.

Conforme a agência de notícias WorldNetDaily informou, no ano passado Shortt ajudou a liderar uma campanha malsucedida para que a Convenção Batista do Sul passasse uma resolução encorajando seus membros a remover seus filhos das escolas públicas.

Em The Harsh Truth About Public Schools, Shortt escreve a partir de uma perspectiva bíblica e apresenta pesquisas precisas sobre os planos e efeitos do sistema escolar governamental na vida dos jovens da nação.

Shortt quer educar de modo especial os pais cristãos, milhões dos quais mandam seus filhos para escolas públicas diariamente.


“Contrário ao que muitos cristãos estão sendo levados a acreditar, não há tal coisa como educação ‘neutra’”, escreve Shortt. “Toda educação é religiosa e transmite uma visão do mundo, e não há decisão mais importante que podemos fazer como pais do que nós mesmos cuidarmos do modo como nossos filhos são educados”.

Continua Shortt: “Infelizmente, os pais cristãos permitem que uma instituição agressivamente anti-cristã forme a mente de seus filhos, e o fruto dessa escolha é amargo. A maioria esmagadora dos filhos de famílias evangélicas deixa a igreja num período de dois anos depois que eles se formam no colegial; só 9 por cento dos adolescentes evangélicos crêem que há tal coisa como verdade moral absoluta; e, nossos filhos estão sendo, por imposição, doutrinados a crer que a conduta homossexual é aceitável”.

Embora Shortt queira que os pais cristãos que mandam os filhos para as escolas públicas leiam seu livro, ele incentiva os pais que educam os filhos em casa a lê-lo também.

“Os pais que dão aulas escolares em casa precisam ter esse livro para ministrar para seus amigos e vizinhos cristãos, pastores e parentes céticos. Nosso hábito de mandar os filhos para escolas públicas está semeando vento, e a não ser que os cristãos se arrependam desse grande pecado eles vão colher um furacão inimaginável”, afirma Shortt.

No livro, Shortt documenta as armadilhas das escolas públicas, dizendo que as atitudes anticristãs das escolas do sistema do governo produzem resultados inevitáveis: “relativismo moral (nenhum padrão fixo), queda da qualidade acadêmica, programas da extrema esquerda, quase ausência da disciplina e as desculpas persistentes e lamentáveis que os profissionais da educação do governo oferecem”.


Shortt também incentiva os pastores a ler seu livro de modo que eles possam “entender o motivo por que as igrejas não podem mais abdicar de seu papel histórico na educação dos nossos filhos”.

Shortt declara sobre seu livro: “The Harsh Truth About Public Schools deixa claro o motivo por que nenhuma criança cristã deveria ser deixada em escolas do governo. Nossas crianças cristãs estão perecendo porque os pais e os pastores têm falta de conhecimento. As informações deste livro desmascaram como enganos desprezíveis as desculpas de ‘sal e luz’ e ‘nossas escolas são diferentes’ que costumam dar para mandar os filhos cristãos para escolas pagãs. Qualquer pai ou pastor que sente o desejo genuíno de ser fiel na educação de crianças cristãs precisa descobrir o que as escolas públicas estão realmente fazendo, em vez de confiar no que elas estão dizendo que estão fazendo ou nas memórias das escolas públicas que eles podem ter conhecido 10, 20 ou 30 anos atrás”.

Shortt defende seu argumento citando um distrito escolar do Texas.

“Não há nenhum distrito escolar público no país que tenha mais cristãos na comunidade ou nas escolas do que o distrito da cidade de Plano, Texas”, ele disse. “Aliás, a igreja maior e mais forte do Estado do Texas, a Igreja Batista Prestonwood, localiza-se em Plano. Contudo, foi necessária uma ordem judicial a fim de forçar as escolas de Plano a permitir que estudantes cristãos dessem, em particular, presentes de Natal com mensagens cristãs a seus colegas de classe”.


“A verdade é que as decisões de currículos e políticas de escolas públicas que são importantes para os cristãos não são feitas a nível local. Essas decisões são em grande parte ditadas por decisões judiciais estaduais ou federais, leis estaduais e federais, e sindicatos de professores e outras associações profissionais ligadas às escolas públicas”.

Mas e quanto a uma campanha para reformar das escolas públicas? Isso não seria a solução?


Shortt responde: “Não é possível reformar as escolas públicas de modo que dêem uma educação cristã, e a prova é esmagadora de que mesmo reformas seculares costumeiras para restabelecer padrões acadêmicos e morais tradicionais continuarão a fracassar. Mas mesmo se acharmos que apesar disso precisamos restabelecer os padrões acadêmicos e morais tradicionais nas escolas, tirar os filhos da escola é a coisa mais eficaz que se pode fazer para ajudar as crianças cujos pais as deixaram nas escolas públicas. Só a ameaça de um colapso do sistema inteiro de educação pública oferece mínima esperança de mudanças positivas. Campanhas de reformas tradicionais são perda de tempo. Mesmo que acreditemos que não há nada de errado em criar crianças cristãs nas instituições do sistema público de educação, precisamos ler este livro, pois pode ser que estejamos errados. Lembre-se, só temos uma chance de educar nossos filhos. Se errarmos, não haverá oportunidade de voltarmos atrás para educar nossos filhos novamente”.

Encomende seu exemplar, em inglês, de “The Harsh Truth About Public Schools” na loja virtual de WorldNetDaily!

Traduzido e adaptado por Julio Severo: http://www.juliosevero.com

Fonte: http://www.wnd.com/news/article.asp?ARTICLE_ID=42704


Artigos sobre escola e educação de crianças

A Marca da Besta

Governo vai dar camisinhas para crianças de 10 anos nas escolas

Evolução: Uma Heresia em Nome da Ciência

Homossexualizando as crianças de escola?

Educação escolar em casa, a opção adequada para os pais cristãos

O motivo por que a cortesia e os bons hábitos são importantes

Famílias Evangélicas Sofrem Perseguição na Alemanha

Pai é preso depois de protestar contra livro gay que filho de 6 anos recebeu na escola

É certo matricular os filhos na escola pública?

Tim LaHaye e as Escolas Públicas

Educação sobre Abstinência Faz a Diferença

Pré-Escola Prejudica os Talentos Sociais e o Desenvolvimento Emocional das Crianças

Nenhum comentário: