16 de março de 2005

Governo e camisinha

Governo vai dar camisinhas para crianças de 10 anos nas escolas

Estimados irmãos

Se você tem filhos pequenos, preste muito atenção. Governo Lula vai dar camisinhas para crianças de 10 anos nas escolas! Em vez de educar as crianças para o casamento e para evitar o sexo fora do casamento, o governo prefere incentivar o sexo sem casamento. Gravidez não é doença nem pecado. Sexo sem casamento é.

O artigo abaixo, da Folha online, diz: "Nos serviços públicos de saúde, a ordem é garantir ao adolescente o acesso do anticoncepcional ao atendimento em caso de violência e abortamento legal... O Código de Ética proíbe o médico de violar a confidencialidade profissional se o menor tiver capacidade de avaliar e solucionar seu problema sem que isso acarrete danos à saúde. O Estatuto da Criança e do Adolescente também garante o direito à integridade física, psíquica e moral".

De acordo com determinação do governo, as escolas trabalharão unidas aos "serviços" de saúde. As escolas se tornaram instrumento do governo para lidar com as questões sexuais de jovens e crianças completamente protegidos da "intromissão" dos pais. Para garantir que nenhuma família atrapalhe, e o Código de "Ética" proíbe o médico e as autoridades escolares de revelarem aos pais que um aluno está recebendo camisinha ou que uma aluna está recebendo anticoncepcionais ou "serviços" de aborto. De acordo com a ética do governo, os pais deverão ficar totalmente de fora desses "cuidados" do governo para com as crianças. Só os pais que aprovam é que poderão ter vez.

Resumindo, o governo agora é o Grande Abusador de crianças e famílias.

Para entender mais sobre esse assunto, leia meu artigo Sexo sem Compromisso.


Julio Severo


Aluno de 10 anos receberá educação sexual, afirma nova política federal

da Folha de S. Paulo


O governo federal vai antecipar o início da educação sexual, que inclui a distribuição de preservativos nas escolas públicas, de acordo com a nova política de saúde do adolescente. Hoje, o público-alvo é dos 13 aos 24 anos, mas o Ministério da Saúde vai priorizar os alunos de 10 a 15 anos, faixa etária na qual o número de gestações não segue a tendência de queda do resto da população.

Essa linha de atuação já está definida e integra a nova política, que tem outros pontos em discussão final. A intenção é divulgá-la até o fim do semestre, se não houver troca na orientação, já que o ministério mudará de mãos na reforma ministerial --Ciro Gomes substituirá Humberto Costa.

Psicólogos especializados em orientação sexual consideram a medida adequada para a realidade do país. Eles avaliam que as ações educativas precisam ser responsáveis e adaptadas à idade, já que não se pode presumir o início de atividades sexuais.

Desde o ano passado, os ministérios da Saúde e da Educação desenvolvem programa em 482 escolas públicas, com jovens de 13 a 24 anos, para prevenir Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis, a gravidez precoce e os abortos clandestinos decorrentes.

Dados do SUS mostram que o número de partos de adolescentes com 15 a 19 anos caiu 21% de 1998 a 2003. Porém, para as meninas de 10 a 14 anos, o número se manteve na média de 28 mil partos ao ano.

A Saúde também se preocupa com o número de abortos clandestinos nessa faixa, quando a gravidez provavelmente é indesejada. Em 2004, quase 49 mil jovens foram atendidas para curetagem pós-aborto no SUS _2.711 tinham de 10 a 14 anos. Em média, só uma de cada quatro mulheres que abortam chega ao hospital.

Para Maria Cecília Pereira da Silva, do Grupo de Trabalho e Pesquisa de Orientação Sexual do CFP (Conselho Federal de Psicologia), a política é adequada. "A vida sexual não começa aos 10 anos. Mas para a saúde pública o acesso à camisinha é legal, contanto que seja acompanhada de uma orientação adequada e sistemática, na qual a criança possa refletir, discutir e ser responsável pelas suas escolhas", afirmou.

As metas e ações voltadas para jovens e adolescentes ainda não foram lançadas. Porém, documentos programáticos do Ministério da Saúde dizem: "A saúde sexual e reprodutiva da população adolescente, principalmente na faixa dos 10 aos 15 anos, deve ser o foco prioritário de análise, intervenção e cuidados".

Para o professor Áderson Costa, do departamento de Psicologia Escolar e Desenvolvimento da UnB (Universidade de Brasília), a política bem desenvolvida não gera permissividade nem viola a infância. "Uma criança de três anos pode ter orientação sexual, mas adequada ao seu nível de compreensão", disse. "Aos 10, 11 anos acaba a infância. Nessa hora a informação é bem-vinda."

Lançado em 2003, o programa Saúde e Prevenção na Escola capacita professores dos ensinos fundamental e médio e disponibiliza camisinhas aos alunos. No primeiro semestre de 2004, mais de 1,2 milhão de preservativos foram distribuídos em escolas públicas de 281 municípios.

Nos serviços públicos de saúde, a ordem é garantir ao adolescente o acesso do anticoncepcional ao atendimento em caso de violência e abortamento legal.

O Código de Ética proíbe o médico de violar a confidencialidade profissional se o menor tiver capacidade de avaliar e solucionar seu problema sem que isso acarrete danos à saúde. O Estatuto da Criança e do Adolescente também garante o direito à integridade física, psíquica e moral.

Fonte:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u106853.shtml

4 comentários:

Anônimo disse...

QUANDO A BASE ( FAMÍLIA) NÃO ESTA FIRME, TUDO CAI. OS PADRÕES NÃO SÃO MAIS DIVINOS SÃO HUMANOS. TODAS, EU DISSE TODAS AS IGREJAS AUTORIZAM A RUINA DA SOCIEDADE QUANDO CASAM DIVORCIADOS, JÁ QUE O CASAMENTO SO TERMINA COM A MORTE CONFORME ROMANOS 7: 2-3 ETC.

Restaurando os seus Sonhos disse...

sou mae de 4 filhos,e no ano passado ,meu filho de 10 anos,teve uma aula de educação sexual,totalmente pervertida,pois a professora utilizou um orgão masculino,e em seguida colocou a camisinha,meu filho ficou pertubado,fui a direção da escola e eles afirmaram que estava correto.mas eu deixei a minha indignação,pois meu lar é cristão,e tenho ensinado aos meus filhos o que é errado e o que é pecado.Nas palavras de meu filho,foi dizer que a professora era,desculpa a expressão safada.Depopis deste episódio ele teve uma baixa muito grande no aprendizado.Muitos da escola acharam muito bom.Só que eles não sabem o que vão enfrentar la na frente.

Luciano disse...

Retrocesso, isso não é um avanço, incitar crianças a sexualidade. Criei-me com crianças puras e a minoria já havia transado. Mas pergunto, quando lutam para evitar a pedofilia, será que não esao incentivando, quando passam mensagens para crianças que não conhecem este meio.
Tudo tem seu tempo, mas estamos adiantando a sexualidade.
Que Deus proteja nossos lares e tenhamos sabedoria nestes novos tempos.

Rosilene disse...

Irmaos,eu leio essas coisa eu fiko abismada pela perversao desse mundo,e ainda tem pessoas k diz :se Deus e tao bom porke manda as pessoas para o inferno?Elas vao com as proprias pernas,ta dificil viver nesse mundo,so em JESUS teremos vitoria,com lutas,mas teremos vitorias,irmaos aconteça o k for diga a seus filhos pra nunca deixar o SENHOR JESUS,e k DEUS nos ajude nessa luta sem fim.