30 de outubro de 2004

Evangélicos de Todo o Brasil Participam de Evento em Apoio a Israel

Evangélicos de Todo o Brasil Participam de Evento em Apoio a Israel

Julio Severo

No começo de outubro de 2004, visitei alguns deputados federais evangélicos, a fim de cumprimentá-los, pois Deus está usando-os no Congresso Nacional.

Entristeceu-me ver em corredores da Câmara dos Deputados manifestações de radicalismos fortes, principalmente em gabinetes do PT e outros partidos de esquerda, onde havia cartazes de Che Guevara e cartazes apoiando a luta dos palestinos, como se os atos terroristas dos muçulmanos palestinos representassem algum tipo de resistência heróica para libertar uma nação oprimida. Não há dúvida de que essa “solidariedade” à causa palestina serve muito bem para disfarçar o anti-semitismo. Além disso, é fato que os cristãos palestinos também são alvo da violência dos muçulmanos palestinos, que adoram ler Minha Luta, escrito por Adolf Hitler. Esse livro se tornou best-seller nos territórios ocupados pelos palestinos.

Um importante membro do Congresso me disse que as igrejas evangélicas precisam acordar, pois o governo Lula está fazendo alianças perigosas. Lamentavelmente, Lula tem feito aliança com a Síria e outros países muçulmanos que têm não só forte ligação com o terrorismo internacional, mas também ódio dos israelenses. No Brasil, esse ódio quase sempre fica camuflado no apoio à “luta” dos palestinos.

Países como Inglaterra, Espanha e Portugal perderam sua importância e força econômica internacional por oposição aos judeus. Para que tal triste destino não sobrevenha também ao Brasil, evangélicos do Brasil estão agindo de acordo com a Palavra de Deus. É essa obediência a Deus que levou a organização Chamada da Meia-Noite (www.chamada.com.br
) a realizar seu VI Congresso Internacional Sobre a Palavra Profética, em Poços de Caldas, MG, de 20 a 23 de outubro de 2004. Participaram do evento centenas de pessoas (inclusive eu) vindas de diversas partes do Brasil, das mais variadas denominações evangélicas. Entre os preletores estavam Dave Hunt, Thomas Ice, Dieter Steiger e Arno Froese. Umas das principais questões tratadas foi Israel no contexto das imutáveis promessas bíblicas. Todas as palestras foram excelentes, porém Dave Hunt conseguiu de modo direto e objetivo explicar a situação em que Israel se encontra. Ele mostrou como desde os dias do Império Romano os judeus vinham lutando por sua independência. Em resposta a essa luta, o Império Romano os combateu e venceu, matando e escravizando centenas de milhares deles. O ódio dos romanos contra os judeus era tanto que, a fim de humilhá-los, eles transformaram Israel numa província da Síria, dando-lhe o nome de Palestina, em homenagem aos filisteus, eternos inimigos de Israel. Os romanos deram também para Jerusalém outro nome, proibindo os judeus de ali colocar os pés. Desde então, os judeus ficaram quase dois mil anos dispersos, sem país e identidade nacional.

Dave Hunt concedeu-me a seguinte entrevista exclusiva:

Julio Severo: O que você acha dos evangélicos liberais e sua postura com relação a Israel?

Dave Hunt: Eles não apóiam Israel de acordo com o que a Bíblia diz sobre Israel. Eles estão desafiando a Deus e centenas de promessas na Bíblia de que Deus deu a terra de Israel para seu povo escolhido. Se eles favorecem os que se opõem à posse israelense da terra eles estão negando a Palavra de Deus.

Julio Severo: Qual deveria ser a postura dos cristãos com relação a Israel?

Dave Hunt: Queremos que, assim como todos os homens, os israelenses e os judeus creiam em Jesus Cristo [o Messias]. Apoiamos também o direito deles à terra que Deus lhes deu, mostramos as mentiras dos meios de comunicação, da ONU e de outras organizações contra Israel e nos opomos às declarações falsas e ao terrorismo dos inimigos de Israel. Dizemos a verdade sobre o islamismo e os chamados palestinos. Os governos devem obedecer a Deus. Romanos 13 diz que os governos são servos de Deus para fazer o que é certo. Mas por motivos políticos, os governos não têm intenções de obedecer a Deus. Os governos que fazem alianças com terroristas como os palestinos ou governos terroristas como a Síria e não os censuram, porém condenam Israel, estão agindo de modo desonesto e injusto.

Com seu congresso deste ano denominado O Impacto da Profecia, a Chamada da Meia-Noite conseguiu transmitir um importante recado para os evangélicos do Brasil, mostrando que as profecias e as promessas de Deus sobre Israel e sua terra prometida são inteiramente válidas e que Israel, no meio de um mundo hostil a tudo o que Deus prometeu ao povo judeu e no meio de constantes perigos de ataques terroristas de muçulmanos, precisa do apoio dos verdadeiros seguidores de Cristo.

Neste momento crítico para Israel, os israelenses precisam saber que eles não estão abandonados, nem por Deus nem por nós. Israel não foi esquecido por Deus, o SENHOR dos Exércitos (cf. Jeremias 51:5a).


Fonte: http://www.juliosevero.com.br




29 de outubro de 2004

VERGONHA NACIONAL

VERGONHA NACIONAL
GOVERNO LULA VAI GASTAR 1 BILHÃO DE REAIS EM INDENIZAÇÕES PARA COMUNISTAS

Julio Severo

Os comunistas queriam impor o comunismo no Brasil e afirmavam estar dispostos a sacrificar tudo pelos pobres. Em nome desse sacrifício pelos pobres, eles tentaram tomar o governo do Brasil até mesmo com violência e força armada na década de 1960, porém foram impedidos e derrotados. Se tivessem ganho, o Brasil se tornaria uma China ou União Soviética, países comunistas conhecidos por sua perseguição, tortura e assassinato de literalmente milhões de cristãos e muitas outras pessoas inocentes.

O bom senso e a justiça mostram que qualquer indivíduo que colaborasse para promover tais ditaduras e crueldades mereceria no mínimo prisão. No entanto, no Brasil de Lula, os indivíduos que foram impedidos de promover o comunismo no Brasil recebem hoje recompensas milionárias por suas atividades para desestabilizar o país! No Brasil de Lula, o crime compensa. O governo Lula, que diz ser a favor dos pobres, hoje privilegia jornalistas, escritores e outros ativistas políticos radicais que queriam tomar o governo do Brasil para “ajudar os pobres”. Embora afirmassem estar se sacrificando por uma ideologia que favorece os pobres, as indenizações milionárias que eles agora estão recebendo, sem nenhuma vontade de sacrificá-las aos pobres, mostra a hipocrisia dos comunistas.

Infelizmente, essas indenizações não serão pagas com o dinheiro vindo dos bolsos de Lula e seus aliados esquerdistas. Lula e seus camaradas socialistas não precisarão gastar nenhuma gota de seu próprio suor. O dinheiro virá dos bolsos do sofrido povo brasileiro, que está involuntariamente ajudando, mediante impostos absurdos e injustos, a financiar essa malandragem política. O governo chora e reclama que falta dinheiro para seus programas sociais, mas tal escassez não se aplica aos programas e políticas que favorecem os ativistas homossexuais ou os ativistas esquerdistas. O governo diz não ter dinheiro para cumprir sua promessa de colocar um prato de comida na mesa dos necessitados, mas tem verdadeiras fortunas para dar de graça para cada um de seus camaradas ideológicos. O governo Lula pode estar tendo dificuldades de concretizar sua pretensão de saciar a fome dos pobres, porém não está tendo dificuldade alguma para saciar, com notável sucesso, infinitamente mais do que a fome dos comunistas e dos ativistas homossexuais. Parece que no Brasil de Lula o bom senso e a justiça são espécies em extinção.

Contudo, os meios de comunicação têm distraído a atenção da população brasileira dos graves erros que nosso governo está cometendo contra seu povo. A grande preocupação deles é George Bush, uma preocupação desnecessária que infectou até mesmo muitos evangélicos. No começo de 2003, por exemplo, estive presente num culto inteiro onde o pastor, em vez de proclamar a Palavra de Deus, utilizou seu tempo de pregação para atacar o presidente americano, dizendo que George Bush é um evangélico que não ora e não lê a Bíblia e comparando-o ao anticristo. Em contraste, muitos líderes evangélicos assinaram, antes das eleições presidenciais passadas, um documento de apoio político a Lula, declarando que ele é um homem temente a Deus, que possui os valores da Palavra de Deus, que tem vocação profética, etc. As declarações desses evangélicos faziam Lula parecer exatamente o contrário da realidade. Se Bush, que é contra o aborto, o homossexualismo e outras perversões, pode ser tragicamente comparado com o anticristo, o que dizer então de Lula em seu apoio ao homossexualismo e outras perversões? O que dizer então de Lula e sua “sinceridade”, que diz não ter dinheiro para ajudar os pobres, mas tem fortunas — arrancadas de nossos suados impostos — para dar para seus camaradas socialistas que queriam desestabilizar o país? E depois os meios de comunicação do Brasil, até mesmo revistas evangélicas, têm o atrevimento de dizer que Bush é mentiroso, como se o presidente do Brasil fosse um homem sóbrio cheio de sinceridade e boas intenções.

Pior de tudo é que Lula não tem demonstrado nenhum arrependimento por tudo o que ele está fazendo contra o Brasil.

O Brasil merece um presidente melhor.

Fonte:
www.juliosevero.com.br

Para saber mais sobre as indenizações, leia:
http://txt.estado.com.br/editorias/2004/10/25/editoriais001.html?
http://www.estadao.com.br/agestado/noticias/2004/out/26/184.htm

16 de outubro de 2004

O apoio profético de Bush a Israel

O apoio profético de Bush a Israel

Michael D. Evans


Postado originalmente em 16 de outubro de 2004


© 2004 WorldNetDaily.com


Em 14 de abril de 2004, o Presidente George W. Bush, ao lado do Primeiro Ministro israelense Ariel Sharon, anunciou uma mudança dramática na política dos EUA com relação ao processo de paz no Oriente Médio. Talvez essa seja a mudança mais importante e profética na política americana para com o Oriente Médio desde que o Presidente Harry S Truman assinou em 14 de maio de 1948 o documento que reconhecia o renascimento do Estado de Israel.


O Presidente Bush corajosamente descartou décadas de políticas liberais apoiadas por seis presidentes americanos, o Departamento de Estado, a União Européia, a ONU e a Liga Árabe.


O Presidente Bush declarou que Israel não precisaria retornar às fronteiras de antes de 1967. Essa é uma mudança profética e histórica.

O Presidente Bush tratou diretamento do ponto central da crise do Oriente Médio: os refugiados. Em meu livro
“American Prophecies“, declarei que esse dilema precisava ser resolvido a fim de que a paz se tornasse realidade. Bush deixou claro que nem os palestinos que perderam terra em 1948 nem seus descendentes poderiam retornar para Israel. Eles poderiam, porém, retornar para os territórios palestinos. Tivessem eles recebido permissão para retornar, Israel se transformaria em outro Líbano [país com tradição cristã, que se encontra envolvido em muitos conflitos e derramamento de sangue por causa dos muçulmanos radicais defensores da “causa” palestina]. A coragem de Bush em reverter a política do “direito de retornar” foi uma mudança destemida e dá a Israel a segurança de que os terroristas do Líbano não serão importados para as grandes cidades de Israel.

O Presidente Bush reconheceu o direito de Israel manter alguns assentamentos importantes na Margem Ocidental como parte de todos os acordos de paz com os palestinos.

O Presidente Bush apoiou o direito de Israel lutar contra o terrorismo.

Não havia nenhuma razão política válida para Bush tomar essas decisões. Ao apoiar Israel Bush.


Garantiu sua perda dos votos dos muçulmanos nos EUA (cuja população eleitoral é tão grande quanto os eleitores judeus).

[Não ganhou nada dos judeus americanos.] Tradicionalmente, os judeus americanos votam no Partido Democrático [que é bem parecido com o PT do Brasil].

[Ganhou inimigos poderosos e milionários.] Os corretores de títulos do Oriente Médio, com todas as suas fortunas adquiridas com a venda de petróleo, agora se sentem na obrigação de fazer tudo o que puderem — com toda a sua influência financeira e política — para impedir que Bush seja reeleito presidente. (Estou convencido de que não havia motivação política para Bush tomar essas decisões. Além disso, há muitos líderes evangélicos que o estão apoiando. Creio que suas decisões foram baseadas em sua integridade, caráter moral e, acima de tudo, sua fé.)

Quando a popularidade do Presidente Bush estava caindo nas pesquisas eleitorais e quando ele estava sendo brutalmente atacado pelos meios de comunicação esquerdistas, a questão da guerra no Iraque estava em seu ponto mais baixo. Quando a comissão de investigação sobre os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 estava tentando minar sua integridade, com caráter e coragem Bush tomou a decisão moral e bíblica de permanecer ao lado da nação de Israel. Creio que essa decisão do Presidente George W. Bush foi profética e ecoará por toda a eternidade.

Michael D. Evans é o autor do livro bestseller “
The American Prophecies”. Ele também é fundador da maior coalização cristã dos EUA, a Jerusalem Prayer Team.

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com.br

Fonte: http://www.worldnetdaily.com/news/article.asp?ARTICLE_ID=40956

14 de outubro de 2004

Anjos salvaram a vida de Reagan?

Anjos salvaram a vida de Reagan?
Livro dá detalhes de 2 encontros em experiências em que Reagan quase morreu


© 2004 WorldNetDaily.com

Duas vezes o Presidente Ronald Reagan enfrentou experiências que lhe ameaçaram a vida e duas vezes ele teve encontros com seres angélicos que o confortaram e ajudaram a vencer suas crises médicas, revela um novo livro,
“Hand of Providence: The Strong and Quiet Faith of Ronald Reagan,” escrito por Mary Beth Brown.

Em 30 de março de 1981, depois de levar um tiro de John Hinckley, Reagan estava com dificuldade de respirar. A situação era grave e ele estava lutando para não morrer. Sua pele tinha ficado tão pálida, lembra-se Nancy Reagan, que “Ele estava com a cor de uma folha de papel branco, e havia sangue seco ao redor da boca dele”.

Mais tarde Reagan recordou de estar na maca orando. Meio consciente, ele percebeu que alguém estava segurando a mão dele.

“Era uma mão feminina suave”, escreveu ele em sua autobiografia intitulada “An American Life”. “Senti a mão aparecer e tocar a minha mão e então me segurar firme. A mão feminina me deu uma sensação maravilhosa. Até hoje acho difícil explicar a maravilhosa sensação de segurança e calma que senti”.

Apesar de grandes tentativas de descobrir quem estava segurando a mão dele, ninguém no hospital conseguiu ajudar o presidente.

Os filhos de Reagan crêem que as enfermeiras misteriosas que ajudaram seu pai a vencer essa tribulação mortal eram anjos.

“[Minha irmã] Patty acredita que elas eram anjos, e eu também creio”, disse Michael Reagan, que escreveu a introdução do livro “Hand of Providence”.


O presidente havia tido uma experiência semelhante quando estava seriamente doente de pneumonia viral muitas décadas antes. Ele vinha trabalhando num filme com Shirley Temple quando ficou gravemente enfermo.

Ele relatou que tremia de calafrios e ardia de febre dia e noite. Sua temperatura continuou subindo e ficou difícil respirar.

“Finalmente, decidi que eu ficaria melhor se parasse de respirar”, recordou Reagan. “Não sei que hora da noite era quando contei para a enfermeira que eu estava cansado demais para respirar. ‘Ora, libere o ar’, dizia ela. ‘Vamos respirar mais uma vez’”.


A enfermeira o incentivou a noite inteira, e Reagan diz que decidiu continuar respirando por cortesia à enfermeira.
Mais uma vez, apesar de suas tentativas de agradecer à enfermeira misteriosa, Reagan jamais conseguiu localizá-la. Isso levou os membros da família a considerar outras possibilidades — tais como visitações angélicas.


No livro “Hand of Providence”, Mary Brown defende o argumento de que o ingrediente secreto da presidência espantosamente bem-sucedida de Reagan é a profunda fé evangélica dele, um fato que jamais investigaram totalmente antes nos artigos e livros escritos sobre ele.

Reagan é considerado o mais popular e moderno dos presidentes americanos, conforme pesquisas de opinião pública. No entanto, a maioria dos biógrafos ainda o acha um enigma.

O motivo, como conta Brown, é que ninguém deu atenção à fé do presidente. “Hand of Providence” investiga a vida e personalidade de Ronald Reagan concentrando-se nas convicções cristãs profundas que ele tinha, e mostrando que foi fé em Jesus que guiou Reagan em sua distinta carreira política e o conduziu a seu sucesso sem precedentes.

Depois de quase morrer na tentativa de assassinato em 1981, Reagan declarou publicamente que o restante de sua vida pertencia a Deus. Ele foi o primeiro presidente a escrever um livro evangélico enquanto governava. O título do livro é Aborto e a Consciência da Nação, que defende a vida inocente dos bebês em gestação contra a prática médica do aborto.


Traduzido e adaptado por Julio Severo, http://www.juliosevero.com.br

Fonte: http://www.worldnetdaily.com/news/article.asp?ARTICLE_ID=37509

6 de outubro de 2004

Pastor sueco perseguido incentiva os cristãos a serem corajosos

Pastor Processado por Alegado Discurso Discriminatório Encoraja a Igreja a Evitar a Timidez

Um famoso pastor carismático da Suécia que recentemente foi processado por alegado “discurso de ódio [discriminação] contra os homossexuais” disse que os cristãos precisam se envolver na política para vencer a forte pressão política dos socialistas e liberais na Europa.

Em agosto, Ulf Ekman sofreu um processo. Depois de alguns dias, as autoridades decidiram não levar para julgamento o conhecido fundador da Igreja Palavra da Vida de Uppsala (IPVU), mas o incidente inflamou ainda mais o debate já esquentado sobre o futuro das liberdades religiosas na Suécia.


“Em toda a Europa estão sendo empregadas ações e medidas para restringir a liberdade religiosa, e a Suécia está servindo como um tipo de plano piloto”, Ekman falou com a revista Charisma da edição de outubro, que traz um relatório completo sobre os casos de “discursos de ódio” em toda a Europa.

“Se não lutarmos agora pela liberdade de pregar o Evangelho em todos os seus aspectos e conseqüências, logo tirarão todo direito que temos de pregá-lo”, acrescentou Ekman.

Em junho, outro pastor Pentecostal da Suécia foi sentenciado a um mês de prisão por pregar contra o homossexualismo. O Pr. Ake Green, da Igreja Pentecostal Borgholm na região leste da Suécia, afirmou numa pregação em 2003 diante de sua congregação que “as práticas sexuais anormais são como um tumor cancerígeno no corpo da sociedade”.

Julgando Green culpado de cometer crime contra os homossexuais, um tribunal sueco o sentenciou à prisão na primeira aplicação de uma lei sueca sem igual de 2002, aprovada em face de duras criticas não só dos cristãos, mas também dos especialistas legais.

Aproveitando-se das leis adotadas em muitos países europeus depois da era nazista para proteger os judeus e os ciganos contra discursos discriminatórios, a nova lei define os homossexuais como um grupo de pessoas que deve ser protegido pela sociedade.

Embora defendam o direito do Pr. Green pregar livremente, a maioria dos líderes pentecostais, carismáticos e evangélicos da Suécia hesita em adotar uma postura forte em favor dele. Sua pregação, disseram muitos, tinha “frases imprudentes”.

No entanto, falando para cinco mil evangélicos durante uma conferência na Igreja Palavra da Vida de Uppsala, o Pr. Ekman criticou os outros líderes evangélicos: “Eu também teria escolhido palavras diferentes das palavras do Pr. Green, mas a questão não é essa. A liberdade de religião e expressão estão ligadas. Devemos nos levantar para defender o direito de todos os cidadãos crerem e falarem sem censura do governo”.

Ekman incentivou as igrejas européias a “largar sua timidez, suas políticas de silêncio e concessões e levantar a voz agora, ou todos os evangélicos logo estarão enfrentando tempos realmente bem perigosos. As intenções dos políticos de esquerda na Europa — socialistas e liberais — não são segredo para ninguém. Os evangélicos precisam também se envolver na política para vencê-los”.

Residindo atualmente em Jerusalém e envolvido em missões internacionais, Ekman acrescentou: “Não precisamos nos envergonhar de nossa responsabilidade de pregar o Evangelho. Creio firmemente que um reavivamento pode mudar o rumo de um país, mas o reavivamento só vem quando pregamos um Evangelho sobrenatural”.

Para assinar a revista Charisma, clique aqui:

https://secure.strang.com/charismamag.com/cgi-bin/subscribe.pl?offer=cm

Traduzido e adaptado por Julio Severo: http://www.juliosevero.com.br

Fonte: http://www.charismanow.com/a.php?ArticleID=9860