22 de novembro de 2004

Ajudando a Cuidar da Saúde da Sociedade

Ajudando a Cuidar da Saúde da Sociedade

Julio Severo

Não é novidade o fato de que a família é o grupo mais essencial para a sobrevivência da espécie humana. De maneira igual, nunca houve dúvida de que o casamento tem um papel fundamental na canalização saudável da sexualidade humana e na formação das futuras gerações. Assim, toda sociedade, de um modo ou de outro, sempre adotou medidas para incentivar e preparar os jovens para uma sexualidade voltada para o casamento. Afinal, filhos ajustados, nascidos no casamento natural, significam ganho para toda a sociedade, desenvolvendo cidadãos responsáveis e produtivos.

Entretanto, assim como um corpo humano é vulnerável a um câncer, a sociedade também é vulnerável a males e tendências que podem colocar em sério risco suas próprias bases.

Por isso, cabe a todo cidadão participar na preservação dos valores fundamentais para a existência da sociedade. Sendo representante do cidadão comum, o político conhece sua responsabilidade de atacar os males sociais e utilizar os meios disponíveis para incentivar o que é bom. Exemplos notáveis de ações políticas positivas são o uso obrigatório do cinto de segurança e o desestímulo ao uso do cigarro. Essas medidas importantes podem e devem ser estendidas a outras áreas necessárias, como a adoção de ações para o desestímulo de condutas que, por sua própria anormalidade, geram conseqüências negativas para os indivíduos que as praticam, para as famílias e para toda a sociedade.

Tal é o caso do homossexualismo e outros comportamentos sexuais distantes do padrão da sexualidade natural. Além de não contribuírem para a promoção da saúde social, essas condutas são grandes causadores de despesas no sistema de saúde pública.

O cristão que tem chamado na esfera política tem uma visão elevada e ampliada. Ele sente, guiado pelos valores da Palavra de Deus, seu compromisso de trabalhar para encorajar o sistema social a tomar a postura de estimular o bem-estar sexual dos jovens e seu preparo saudável para o casamento e desestimular todo tipo de comportamento prejudicial à saúde social.

Grandes tragédias sociais já ocorreram, de um modo ou de outro, devido a fatores homossexuais. Sodoma e Gomorra são exemplos clássicos. Modernamente, a Alemanha nazista sofreu imensa devastação nacional, por causa de um homem louco chamado Adolf Hitler. Hoje sabe-se, como fato histórico devidamente comprovado, que Hitler e grande parte da cúpula nazista escondiam convenientemente sua homossexualidade.

Embora os grupos homossexuais de pressão política utilizem todo tipo de manobra a fim de pintar sua defesa e promoção de seu comportamento como questão de direito humano, é responsabilidade do político cristão discernir que a concessão de direitos especiais para comportamentos antinaturais representa ameaça de perda de direitos essenciais para os cidadãos. Recentemente, por causa de uma lei antipreconceito, um pastor pentecostal foi sentenciado à prisão na Suécia por pregar, dentro de sua própria igreja, que o homossexualismo é um câncer social.

As leis antidiscriminação não costumam mencionar intenções de combater as religiões que não aceitam o homossexualismo, porém sua aplicação sempre acaba atingindo os religiosos. Conscientes do fator religioso e do risco de uma reação religiosa, os legisladores a serviço do ativismo gay trabalham nas pontas dos pés, apenas embutindo sutilmente nas leis termos como orientação sexual, tolerância, eqüidade ou igualdade de gênero e outros tipos de linguagem suave — termos vulneráveis a variadas interpretações favoráveis ao homossexualismo.

Portanto, o político cristão precisa estar alerta e preparado para exercitar seu discernimento, a fim de reconhecer as ameaças à sociedade e as oportunidades de cumprir um papel importante em favor do que é bom e justo diante de Deus. Ele precisa saber que é bom amar os homens e mulheres que vivem enganados ou oprimidos no homossexualismo, e precisa estar consciente de que é mais do que justo ajudá-los a sair desse estilo de vida destrutivo. Evidentemente, ele jamais confundiria aceitação e acolhimento do homossexual necessitado com aceitação e tolerância das nocivas práticas de homens que têm relação anal com outros homens. O verdadeiro amor e tolerância nada têm a ver com esse tipo de anormalidade sexual. O amor genuíno contribui para a saída dessa anormalidade.


Versão em inglês deste artigo:
Helping Take Care of the Social Health

Julio Severo é autor do livro O Movimento Homossexual, Ed. Betânia. http://www.juliosevero.com.br/

Artigo publicado originalmente na Revista da Frente Parlamentar Evangélica, ano 1, nº 1, novembro de 2004, pág. 22.

Um comentário:

Consultora Educacional disse...

Gosto muito dos artigos de ótima qualidade do seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver meu Curso de Informática online . Emily Nascimento