28 de outubro de 2003

Cardias fala em 28/10/03

Pastor Cardias faz pronunciamento sobre homossexualidade à luz da Palavra de Deus


Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados.

O tema homossexualidade nunca foi tão explorado pela mídia como atualmente. Na televisão, os programas de auditório recebem militantes gays para entrevistas e debates sobre suas conquistas e promoção de seus eventos. Novelas, filmes e manifestações em ruas públicas, também exaltam a homossexualidade. Rádios, jornais e revistas abriram-se para a questão.

O assunto está até mesmo na ordem do dia aqui da Câmara dos Deputados, tendo destaque, inclusive, com a formação de uma frente parlamentar na defesa de seus interesses. Isto prova o grande lobby e o poder da mobilização que o grupo mantém, investindo altíssimo na difusão de suas teses e idéias.

Os acalorados debates atravessam muitas perspectivas quando o assunto é a homossexualidade: psicológica, sociológica, ética e, a mais polêmica, a religiosa. As posturas são as mais diversas. A Igreja Evangélica, entretanto, mesmo não sendo favorável à prática homossexual, acredita que os homossexuais devem ser acolhidos, receber compaixão e ouvir a palavra de Deus, pois as Sagradas Escrituras prometem transformação para todo e qualquer pecador que se arrependa dos seus pecados e creia em Jesus Cristo.

Por isso, Sr. Presidente e nobres Pares desta Casa, como Pastor Evangélico jamais me calarei diante de inverdades e afirmações infundadas que ouvimos quando a questão é levantada. A falta de conhecimento sobre o assunto ainda é grande. No intuito de colaborar mostrando a verdade à luz da Palavra de Deus, e sob o seu temor, faço mais esta intervenção, encorajado por um artigo que recebi do meu irmão em Cristo João Luiz Santolin, membro da Igreja Presbiteriana da Barra, RJ, Bacharel em Teologia e Pós-Graduando em Terapia de Família na Universidade Cândido Mendes, RJ.

A Igreja Evangélica tem uma postura bem firme quanto à questão da homossexualidade. E apesar de lançar mão de argumentos psicológicos, científicos, sociológicos e éticos, é da Bíblia Sagrada que esta retira o substrato para nortear sua compreensão teológica e suas ações práticas.

Tanto no Antigo como no Novo Testamento, a Bíblia faz menção aos atos homossexuais. A primeira referência ao homossexualismo está no livro de Gênesis, quando os habitantes das cidades Sodoma e Gomorra tentaram violentar sexualmente dois anjos com aparência humana. Assim a Bíblia menciona, em Gênesis 19, a exigência dos homens da cidade que tentavam invadir a casa de Ló, onde os anjos se hospedaram: “Onde estão os homens que, à noitinha, entraram em tua casa? Traze-os fora a nós para que abusemos deles”.

Outra passagem do Antigo Testamento que se refere à prática homossexual, encontra-se no capítulo 19 do livro de Juízes. Os homens da cidade de Gibeá também tentaram violentar sexualmente um homem que se hospedou na casa de um velho agricultor.

Baseado nesta passagem bíblica, o pesquisador e escritor Júlio Severo afirma que os judeus - por não terem eliminado de seu meio os costumes dos povos pagãos - acabaram sendo influenciados por eles e sofrendo graves conseqüências sociais e morais:

“O fato é que os costumes dos cananeus que habitavam no meio do povo de Benjamin acabaram minando toda sua resistência moral. O homossexualismo, que era comumente praticado nas religiões cananéias, foi aos poucos sendo introduzido na vida social do povo de Deus. Como conseqüência, as ruas de Gibeá deixaram de ser seguras. Nelas, agora, rondavam estupradores homossexuais. Foi por isso que o velho se dispôs a acolher os viajantes em casa. Ele quis protegê-los de um eventual abuso sexual”.

Segundo Severo, os habitantes da cidade de Gibeá colocaram-se ao lado dos seus cidadãos homossexuais e sofreram graves conseqüências. Ele considera a história de Gibeá um alerta para os cristãos dos dias de hoje, pois segundo afirma, esses também são suscetíveis de abrigar o pecado em suas comunidades:

“Para que toda influência homossexual fosse arrancada do meio do povo de Deus, o Senhor ordenou que os benjamitas fossem combatidos. Na guerra que se seguiu, morreram quarenta mil soldados de Israel e vinte e cinco mil de Benjamin, sem mencionar as vítimas civis, que foram em número muito maior. A tragédia moral de Gibeá é um alerta para a comunidade cristã de todos os tempos. Ela mostra que não só a sociedade secular, mas também os próprios crentes são suscetíveis de perder a aversão pelas opiniões e práticas sexuais erradas. O ex-povo de Deus de Gibeá foi destruído porque não amou a Palavra do Senhor, nem obedeceu a ela”.

Além de outras duas passagens no Antigo Testamento, cujo foco principal é a moralidade, tratada em Levítico 18 e Levítico 20, no Novo Testamento a homossexualidade também é abordada de forma clara em três momentos: Rm 1, 1 Co 6.9 – 11 e 1 Tm 1.8 - 11. As três referências são feitas pelo apóstolo Paulo. As principais passagens que abordam a questão homossexual, no entanto, encontram-se nas cartas do apóstolo endereçadas às igrejas de Roma e da cidade de Corinto, na Grécia. Tanto em Roma como na Grécia antiga, o homossexualismo era uma prática comum. Era, ainda, considerado imagem ideal do erotismo e modelo de educação para os jovens.

A História registra que dos quinze primeiros imperadores de Roma, só Cláudio era exclusivamente heterossexual. Mas foi o imperador Júlio César que ganhou a fama, só sendo tolerado pela posição que ocupava e por suas conquistas bélicas. Dele diz-se que “era homem de todas as mulheres e mulher de todos os homens”.

A palavra lésbica vem da ilha de Lesbos, na Grécia, onde vivia uma poetisa e sacerdotisa chamada Safo. Ela iniciava mulheres no homossexualismo (daí os adjetivos lésbica ou mulheres sáficas). As palavras “sodomitas” e “efeminados” usadas em 1 Co 6.9 têm significados distintos: sodomita vem do pecado de Sodoma e tornou-se sinônimo universal de homossexualismo ativo (quando o homossexual faz o papel de “marido” na relação com outro homem); e efeminado é quando o homossexual faz o papel de passivo (ou seja, o de “mulher” na relação sexual com outro homem) e, também, quando tem trejeitos femininos ou gosta de vestir-se com roupas de mulher (no caso de travestis).

Esse era exatamente o contexto em que o apóstolo Paulo vivia quando escreveu a primeira referência bíblica do Novo Testamento sobre o homossexualismo, dirigindo-se à igreja de Roma. Usando a autoridade que tinha de pregador da Palavra de Deus, ele não fez distinção entre homossexualismo ativo ou passivo. Afirmou, sim, que o homossexualismo contrariava os propósitos morais, sexuais, sociais e espirituais de Deus para homens e mulheres.

Depois de afirmar que os romanos haviam trocado a verdade de Deus pela mentira, ele condenou a homossexualidade declarando em Romanos 1.26 e 27: “porque até as suas mulheres trocaram o modo natural de suas relações íntimas, por outro contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo em si mesmos a merecida punição do seu erro”.

A outra menção à homossexualidade - considerada por muitos evangélicos a mais importante da Bíblia, por mostrar que o homossexualismo é um pecado como qualquer outro, mas, principalmente, que os homossexuais podem mudar - é encontrada na carta de Paulo dirigida à igreja de Corinto. Essa cidade pertencia à Grécia antiga, onde, à semelhança de Roma, o homossexualismo era celebrado e também praticado por filósofos e poetas. Na adolescência, os rapazes gregos deixavam a casa de seus pais e se tornavam amantes de homens adultos. Corria que essas práticas sexuais faziam parte de um relacionamento afetivo e educacional em que os jovens eram ensinados a trilhar os caminhos da virilidade.

O apóstolo Paulo, porém, mesmo conhecendo muito bem a cultura da Grécia, faz uma leitura diferente do pensamento corrente na época, em 1 Coríntios 6.9 a 11 ao afirmar:

“Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus. Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados, em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus.”

Portanto, Sr. Presidente, diferentemente do que afirmam alguns simpatizantes gays, a Bíblia não condena os homossexuais, mas sim suas práticas. Muitas são as evidências bíblicas, explícitas, mostrando que Deus pode transformar a vida de uma pessoa envolvida nesse tipo de comportamento. E muitos homossexuais têm experimentado estas transformações desde que a Bíblia foi escrita. Então, não nos esqueçamos: Deus ama a todos, indistintamente. Deus só não ama o pecado.

Agradeço a atenção de todos e que Deus, em Cristo Jesus nosso Senhor, nos ajude e abençoe. Meu muito obrigado.

Pr. Milton Cardias Dep. Fed. PTB/RS

2 comentários:

Anônimo disse...

Pastor Cardias faz pronunciamento sobre homossexualidade à luz da Palavra de Deus!
GOSTEI DO ARTIGO!
AGORA QUE VER SE O SR.PASTOR CARDIAS TEM A CORAGEM DE PREGAR NA SUA IGREJA SOBRE DIVÓRCIO Á LUZ DA PALAVRA DE DEUS!
SE É PARA LIMPAR E ARRUMAR A CASA (IGREJA)TEM QUE FAZER O SERVICO COMPLETO.
E AÍ VAI TOPAR?

Anônimo disse...

Pr Cardias já pregou várias vezes sobre o assunto proposto à luz da Palavra d Deus, assim como toda doutrina bíblica. Sua provocação não faz sentido apenas pq a carapuça lhe serviu. O poder q há no nome de Jesus pode tbem transformar-lhe. Basta vc aceitá-lo.