28 de maio de 2015

Leonardo Boff, da Teologia da Libertação, em congresso teológico evangélico


Leonardo Boff, da Teologia da Libertação, em congresso teológico evangélico

Julio Severo
A Faculdade Unida, uma instituição evangélica que se gaba de ser “a única faculdade do Espírito Santo com curso de bacharelado em teologia reconhecido pelo MEC,” estará realizando, de 9 a 12 de junho, o II Congresso Internacional de Teologia e Ciências da Religião, em Vitória, no Espírito Santo.
Alguns dos palestrantes são:
·         Leonardo Boff, considerado o principal promotor da Teologia da Libertação no Brasil.
·         Harvey Cox, que já foi professor de teologia na Universidade de Harvard. Ele é considerado especialista em Teologia da Libertação. Entre seus livros está “The Silencing of Leonardo Boff: Liberation Theology and the Future of World Christianity” (O Silenciamento de Leonardo Boff: a Teologia da Libertação e o Futuro do Cristianismo).
·         Leopoldo Cervantes-Ortis, autor do livro “A Teologia de Rubem Alves” e membro da Comissão Ecumênica do Conselho Mundial de Igrejas
·         Luiz Longuini, que falará de Rubem Alves. Longuini, que é reverendo da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB), tem um livro publicado pela Editora Ultimato defendendo a Teologia da Missão Integral, que é a versão protestante da Teologia da Libertação.
Rubem Alves, discípulo do Rev. Richard Shaull, já expunha as ideias da Teologia da Libertação e Teologia da Missão Integral antes que essas teologias fossem reconhecidas oficialmente. De teólogo da IPB inicialmente, Alves terminou como agnóstico.
Mesmo assim, Rubem Alves, já falecido, e Leonardo Boff serão elogiados, juntamente com seu liberalismo teológico, num congresso teológico evangélico. A cerimônia de abertura do II Congresso Internacional de Teologia e Ciências da Religião fará menção especial de Rubem Alves.
Se fosse um congresso isolado, imaginaríamos que os efeitos negativos seriam menores. Mas esse congresso conta com o enorme apoio oficial da:
·         Visão Mundial, que é a filial da poderosa organização americana World Vision. A Visão Mundial no Brasil é presidida por Ariovaldo Ramos, grande promotor da Teologia da Missão Integral.
·         Associação de Seminários Teológicos Evangélicos.
·         Associação Evangélica de Educação Teológica na América Latina.
·         Conselho Latino-Americano de Igrejas (CLAI).
·         Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Teologia e Ciências da Religião.
·         Fonte Editorial.
·         Editora Paulinas.
No documento organizador do congresso constam vários nomes, inclusive Magali do Nascimento Cunha, professora na Universidade Metodista de São Paulo. Essa é uma das universidades evangélicas mais esquerdistas do Brasil. Magali é conhecida por suas posturas claramente socialistas.
O que está acontecendo com as instituições teológicas evangélicas? A Faculdade Unida, em sua ânsia de ser reconhecida e elogiada pelo mundo, acompanha a tendência de se prostrar diante da ideologia esquerdista. É mais importante ser reconhecida pelo MEC do que ganhar a aprovação de Deus?
Mas não é só a Faculdade Unida que está apresentando problemas. Em 2006, Luiz Mott, o patrono do movimento homossexual do Brasil, deu palestra na Escola Superior de Teologia da Igreja Evangélica Luterana no Brasil (IECLB).
A Universidade Presbiteriana Mackenzie em 2013 convidou o deputado Jean Wyllys, um dos maiores ativistas gays do Brasil, para um debate com um advogado evangélico. Os estudantes dessa universidade da IPB vaiaram o evangélico e aplaudiram o ativista gay. O evento ocorreu durante a gestão do Rev. Augustus Nicodemus, que também aceitava Ariovaldo Ramos como professor de aulas especiais de teologia.
O liberalismo teológico está avançando, por meio das instituições teológicas, na Igreja Evangélica do Brasil. Em 2014, sob a liderança de um pastor da IPB, a Faculdade Teológica Sul Americana realizou seu Congresso Internacional de Missão Integral.
Afinal, o que a Faculdade Unida pretende ao elogiar Leonardo Boff e Rubem Alves?
O que a Faculdade Unida pretende ao dar espaço para promotores da Teologia da Libertação e Teologia da Missão Integral?
A IECLB, que dá amplos espaços para ambas teologias, tem um teólogo e professor homossexual e homossexualista em sua Escola Superior de Teologia.
O liberalismo teológico da Teologia da Libertação e da Teologia da Missão Integral é solo fértil para a Teologia Gay.
Tanto Harvey Fox quanto Leonardo Boff são apoiadores das causas homossexuais.
Leitura recomendada:

27 de maio de 2015

Extremista ortodoxo iguala reavivamento pentecostal com teologia da libertação


Extremista ortodoxo iguala reavivamento pentecostal com teologia da libertação

Julio Severo
A Teologia da Libertação se iguala a um reavivamento pentecostal? De forma alguma. Aliás, a melhor oposição à Teologia da Libertação tem vindo de cristãos renovados, pentecostais e neopentecostais.
Contudo, inimigos do reavivamento pentecostal usarão qualquer desculpa para atacar o que o Espírito Santo está fazendo em nossos dias. Recentemente, um cristão ortodoxo radical num artigo intitulado “Teologia da Libertação — uma Invenção da KGB?” disse:
“E exatamente aí que tudo volta ao começo, e realmente mostra que tudo o que parece oposto é realmente o mesmo! Isso certamente explica muita coisa, e também oferece uma base sólida para compreender o que temos observado desde o começo — que as atuais autoridades políticas e religiosas de Moscou estão tentando levar a Igreja Ortodoxa na estrada do reavivamento pentecostal, posando como salvadores do Cristianismo para salvá-lo do domínio de uma ditadura ocidental (ou muçulmana), assim parecendo libertadores da humanidade, salvando-a do domínio do ‘anticristo’ cruel que está chegando. Temos escrito muito sobre esse assunto em nosso site.”
Essa crítica tola foi postada no site Orthodox Views (Opinião Ortodoxa).
Quando o autor diz que a Teologia da Libertação sendo criada pela KGB “certamente explica muita coisa,” ele parece sugerir que o movimento pentecostal também foi criado pela KGB. A propósito, de acordo com uma fonte católica conservadora do Brasil, a as ideias da Teologia da Libertação estavam presentes na Igreja Católica antes do nascimento da União Soviética e sua KGB.
O que o reavivamento pentecostal tem a ver com a KGB e a Teologia da Libertação? Nada. Apesar disso, o autor ortodoxo radical insiste que “as atuais autoridades políticas e religiosas de Moscou estão tentando levar a Igreja Ortodoxa na estrada do reavivamento pentecostal.”
Presumivelmente, na opinião dele, o que essas autoridades estão fazendo é tão maligno quanto a Teologia da Libertação.
Conheço esse modo de agir religioso tradicionalista radical. (Por tradicionalista radical quero dizer em grande parte pessoas “cessacionistas.” Para mais informações, veja este link: http://bit.ly/1OX5wu3) Quando protestantes tradicionalistas do Brasil dizem, até mesmo em seus artigos teológicos publicados nos Estados Unidos, que há problemas espirituais na Igreja Brasileira, em grande parte eles querem dizer cristãos renovados, pentecostais e neopentecostais e sua (falta de) teologia.
O problema real na Igreja Evangélica do Brasil é a Teologia da Missão Integral, que é a versão protestante da Teologia da Libertação.
Quer ortodoxos ou protestantes radicais, eles precisam de desculpas para atacar os cristãos renovados, pentecostais e neopentecostais, e agora querem usar a KGB e a Teologia da Libertação, que é desenfreada entre católicos, protestantes e ortodoxos, como um pretexto adicional?
Se, como disse o queixoso ortodoxo radical, “as atuais autoridades políticas e religiosas de Moscou estão tentando levar a Igreja Ortodoxa na estrada do reavivamento pentecostal,” isso é simplesmente maravilhoso!
Se elas avançarem nesse caminho, elas poderão ajudar o Cristianismo na Rússia a sobreviver às ditaduras politicamente corretas do Ocidente pró-sodomia e ditaduras muçulmanas.
O movimento pentecostal na Rússia não é novo. Aliás, esse movimento muito abençoou os Estados Unidos, ao desempenhar um papel significativo ou proeminente no famoso Avivamento da Rua Azusa em Los Angeles, na Califórnia.
E, sim, um reavivamento pentecostal pode salvar a Rússia. Antes do genocídio islâmico da Turquia contra os cristãos armênios, um menino pentecostal russo recebeu avisos proféticos de que os cristãos deveriam fugir da Armênia e da Turquia. Os que acreditaram no aviso profético foram salvos. Os que não acreditaram foram destruídos pela Turquia islâmica.
A Igreja Ortodoxa, cujos padres são casados e têm famílias, não tem papa. Dividiu-se da Igreja Católica 1.000 anos atrás. A Rússia é hoje o maior país cristão ortodoxo do mundo.
Os ortodoxos radicais deveriam parar de criticar o que o Espírito Santo está fazendo para salvar os russos.
Se de fato “as atuais autoridades políticas e religiosas de Moscou estão tentando levar a Igreja Ortodoxa na estrada do reavivamento pentecostal,” elas deveriam ser encorajadas, não desanimadas, nessa estrada espiritualmente vitoriosa.
Leitura recomendada:

26 de maio de 2015

Destino Manifesto na Bíblia? Os EUA São a Babilônia Moderna, Disse David Wilkerson


Destino Manifesto na Bíblia? Os EUA São a Babilônia Moderna, Disse David Wilkerson

Julio Severo comenta sobre as revelações proféticas de David Wilkerson sobre o “destino” dos EUA em seu livro “Set the Trumpet to Thy Mouth.”

Julio Severo
Uma maioria sólida dos americanos se sentiria agora bem com um presidente que é gay ou lésbico, de acordo com uma nova pesquisa de opinião pública do Wall Street Journal/NBC News.
Sessenta e um por cento dos entrevistados relataram se sentir “entusiasmados” ou “bem” com um presidente gay ou lésbico. Enquanto isso, os americanos se sentindo bem ou entusiasmados com um presidente evangélico receberam uma aprovação com menos entusiasmo: 52 por cento.
Esse estudo segue de perto uma pesquisa de março nos EUA, também conduzida pelo Wall Street Journal/NBC News, em que um número recorde de 59 por cento dos entrevistados americanos disse que estavam a favor do “casamento” de mesmo sexo.
O que está acontecendo com os EUA, a maior nação protestante do mundo, que estão prontos para dar calorosas boas-vindas a um presidente homossexual, mas não a um presidente evangélico? Os EUA estão correndo para seu castigo e juízo?
Trinta anos atrás, o Desafio Mundial, um ministério do Pr. David Wilkerson, me enviou o livro dele “Set the Trumpet to Thy Mouth” (Coloque a Trombeta na Sua Boca). A introdução foi escrita por Leonard Ravenhill. É uma mensagem ardente, com uma visão, sobre a destruição dos EUA. Quando o li pela primeira vez, fiquei chocado, principalmente porque a década de 1980 eram os anos de Ronald Reagan. Como Wilkerson conseguiu ter tal visão quando um Reagan conservador e pró-família estava enfrentando o Império do Mal? A profecia dele deveria ter sido dirigida à União Soviética, não aos EUA! Essa revelação foi de fato chocante. Entretanto, mais chocante é o que os EUA estão fazendo nas últimas décadas. Vim a compreender que até o conservadorismo americano está agora se tornando uma babilônia.
A União Soviética não existe mais. O que existe agora é um governo dos EUA obcecado com o “casamento” que tem como base a sodomia e se conduzindo imperialisticamente para impor o pecado homossexual no mundo inteiro. A profecia de Wilkerson foi, afinal, correta?
Algum tempo depois de Wilkerson, John Mulinde, um pregador de Uganda, recebeu uma revelação acerca do juízo de Deus sobre os EUA. Sua mensagem é um cumprimento da profecia de Wilkerson, que disse que Deus enviaria aos EUA profetas do terceiro mundo para avisar sobre o juízo que está para vir.
O nome de David Wilkerson ficou famoso com o livro e filme “A Cruz e o Punhal,” que mostram a vida e o ministério dele ajudando jovens drogados nos EUA, focando especialmente com experiências libertadoras com o Espírito Santo.
Uma das características da Babilônia em Apocalipse 18 é sua natureza intensamente comercial. Por sua sedução e poder comercial, Babilônia é invejada pelo mundo inteiro. É profundamente capitalista — mas sem Deus. No comunismo, vemos controle econômico intenso e destrutivo sem Deus. Na Babilônia, vemos o oposto: liberdade econômica intensa e destrutiva sem Deus.
Os melhores produtos e serviços (entretenimento, religioso, militar, médico, etc.) do mundo estão disponíveis na Babilônia.
No comunismo, há extrema limitação ou falta de produtos e serviços. Aliás, o comunismo oferece os piores produtos e serviços. Em contraste, na Babilônia, há a maior abundância dos melhores produtos e serviços que o mundo já viu. Então é evidente que a Babilônia não é marxista, comunista ou socialista. É um paraíso comercial na Terra. É a “Nova Jerusalém” dos sonhos carnais e ganância do coração humano. Não é de admirar que quando Babilônia for destruída, o mundo inteiro chorará.
Por suas ambições comerciais, produtos e serviços, Babilônia é descrita na Bíblia como tendo se prostituído com todas as nações da terra. E Deus disse sobre a Babilônia: “Seus mercadores eram os grandes do mundo. Todas as nações foram seduzidas por suas feitiçarias.” (Apocalipse 18:23-24) Se os EUA não se encaixam nesse perfil, quem se encaixa? Os poderosos empresários, comércio e moeda dos EUA não estão governando o mundo?
Além disso, há uma caraterística fatal nos EUA que Wilkerson viu como “Babilônia.”
Nestes últimos dias, os EUA adotaram um papel apaixonado de liderança na promoção da agenda gay — sem mencionar o aborto — no mundo inteiro, levando Billy Graham a dizer: “Os EUA são tão maus quanto Sodoma e Gomorra.” E muitas vezes ele menciona: “Se Deus não castigar os Estados Unidos, Ele terá de pedir perdão para Sodoma e Gomorra.” Isso é um destino manifesto?
Esse tipo de destino tem um fim horrível. O que aconteceu com Sodoma e Gomorra, que estavam envolvidas em homossexualidade desenfreada, é o que acontecerá com as cidades e nações envolvidas nos mesmos pecados:
O que aconteceu com Sodoma e Gomorra e as cidades vizinhas é, para nós, um exemplo do castigo do fogo eterno. O povo daquelas cidades sofreu o mesmo destino que o povo de Deus e os anjos sofreram, pois cometeram pecados sexuais e se engajaram em atividades homossexuais.(Judas 7 GWV)
Como tal castigo alcançaria a nação mais poderosa do mundo que, ainda que inundada com o Evangelho, está obcecada com a ideia de estender o pecado de Sodoma e Gomorra ao mundo inteiro? Se Deus não poupou Sodoma e Gomorra e seus pecados homossexuais, como ele poupará a maior nação protestante do mundo que quer o mundo inteiro envolvido nos mesmos pecados?
De acordo com Scott Lively, autor do livro “The Pink Swastika” (A Suástica Rosa): “A antiga tradição rabínica sustenta que a homossexualidade, mais especificamente o casamento homossexual, foi o ‘insulto final’ a Deus que fez com que Ele trouxesse aquele Grande Dilúvio.”
O papel dos EUA no pecado homossexual tem sido muito mais do que simplesmente adotá-lo. Os EUA têm sido seu principal propagandista. Até mesmo em sua condição protestante, os EUA têm sido o principal propagandista da teologia gay, e seus frutos podres são evidentes no Brasil, onde o teólogo protestante gay mais proeminente foi inspirado pela teologia gay dos EUA.
Os EUA têm espalhado a ideologia homossexual por todos os meios (religiosos, legais, culturais, comerciais, etc.) e têm usado sua força imperial para promovê-la e impô-la e seu “casamento” fajuto no mundo inteiro com imoralidade bestial. Será que existe um destino manifesto na sodomia para os EUA?
Alguns cristãos argumentam que pelo fato de que os EUA, depois de Israel, têm a maior população judaica do mundo, isso é sinal claro de que os EUA têm a aprovação e proteção de Deus contra destruição. No entanto, quando a primeira Babilônia, que estava localizada no Iraque moderno, foi destruída, sua população judaica era a maior do mundo depois de Israel. Aliás, um dos líderes políticos da Babilônia era o judeu Daniel, historicamente proeminente por seu livro profético “Daniel” no Antigo Testamento. Uma grande população de judeus e um profeta judeu no governo babilônico não salvaram Babilônia da destruição.
Ainda que duvidemos que os EUA serão destruídos por serem Babilônia, o papel dos EUA hoje como o principal propagandista, promotor e fiscal da sodomia parece garantia suficiente de que os EUA estão buscando o mesmo castigo e destruição de Sodoma e Gomorra.
A militância mundial da sodomia pareceria uma razão suficiente para castigo e destruição. Por muito menos, Sodoma foi destruída. Se os EUA não forem destruídos por serem Babilônia, serão destruídos por serem, como disse Billy Graham, “tão maus quanto Sodoma e Gomorra.”
Contudo, se David Wilkerson está correto em sua visão, os EUA serão julgados e destruídos como Babilônia. Wilkerson disse em seu livro “Set the Trumpet to Thy Mouth”:
Creio que a Babilônia moderna é os Estados Unidos de hoje, inclusive sua sociedade corrupta e seu sistema eclesiástico prostituto. Nenhuma outra nação na terra se encaixa na descrição de Apocalipse 18, exceto os EUA, o maior fornicador do mundo que se prostituiu com os mercadores de todas as nações.
Os EUA serão destruídos por fogo! Destruição súbita está vindo e poucos escaparão. Inesperadamente, e numa hora, um holocausto de hidrogênio engolirá os Estados Unidos — e essa nação não mais existirá. É porque os EUA têm cometido pecados contra a maior luz. Outras nações foram tão pecadoras quanto os EUA, mas nenhum país foi tão inundado pelo Evangelho como os EUA foram. Deus vai julgar os EUA por sua violência, seus crimes, suas apostasias, sua matança de milhões de bebês, sua ostentação da homossexualidade e sadomasoquismo, sua corrupção, suas bebedeiras e abuso de drogas, sua aparência de Cristianismo correto sem poder, sua indiferença para com Cristo, seus índices de divórcio e adultério desenfreados, sua pornografia imoral, seus estupros de crianças, suas traições, seus roubos, seus filmes sujos e suas práticas ocultistas. Em apenas uma hora, tudo estará acabado.
Pense na “senhora da enseada” de Nova Iorque — a Estátua da Liberdade [símbolo nacional maior dos EUA]. Isaías avisou acerca da destruição súbita sobre uma senhora orgulhosa. “Certamente dizias: ‘Eis que por todo o sempre hei de continuar a ser a grande senhora!’ Todavia, não ponderaste tais palavras no teu coração, não refletiste sobre as consequências futuras desta tua atitude. Portanto, ouvi isto, agora, ó criatura provocadora e libidinosa! Tu que te sentas despreocupada e preguiçosa e cogitas em tua sensação de segurança: ‘Ah! Eu sou a maior das rainhas e além de mim não há mais ninguém! Jamais me verei viúva, nem sofrerei com a morte dos meus filhos!’ Pois bem, justamente sofrerás estas duas perdas em um só momento, durante um único dia: a perda dos filhos e a viuvez se abaterão sobre ti com todo o seu peso de dor, a despeito de tuas muitas feitiçarias e todos os teus poderosos prognósticos, sortilégios e encantamentos. Depositaste a tua confiança na tua malignidade e afirmaste: ‘Não há quem descubra o que faço às escondidas!’ O teu próprio saber e a tua ciência te seduziram e enganaram, e assim imaginaste no teu coração: ‘Eu sou a maior. Não há ninguém além de mim!’ A desgraça, pois, te buscará e te alcançará, e não saberás como esconjurá-la. Eis que cairá sobre ti um mal do qual não poderás livrar-se mediante qualquer pagamento de resgate; uma catástrofe que não te será possível antever desabará sobre a tua cabeça.” (Isaías 47:7-11 KJA)
O aviso é que Deus inutilizará suas armas de guerra, que seus armamentos não conseguirão salvá-los da ira de Deus (Jeremias 21:4). Deus lhes disse: “Eu, pessoalmente, pelejarei contra vós.” (Jeremias 21:5 KJA)
Esse é um aviso categórico para os EUA. Os enormes estoques de armas dos EUA são meros paus e pedras — inúteis contra o que Deus planejou contra os EUA. O que Deus disse da antiga Babilônia ele também dirá da Babilônia moderna: “Os valentes da Babilônia cessaram de pelejar, permaneceram nas fortalezas, desfaleceu-lhes os ânimos e as forças; tornaram-se semelhantes a mulheres; estão em chamas as suas moradas, todas as trancas de seus portões foram arrombadas!” (Jeremias 51:30) É por isso que não haverá ataques de retaliação dos EUA ou seus aliados; pelo fato de que tudo será feito de forma definitiva e súbita, os EUA “cessarão de lutar,” e os mísseis americanos permanecerão em suas fortalezas. Os ânimos dos EUA se desfalecerão na hora de sofrer o juízo. Os aliados dos EUA “se tornarão semelhantes a mulheres” e se renderão imediatamente.
O que os EUA não conseguiram fazer com todos os seus milhões, todos os seus dispositivos eletrônicos, todos os seus métodos midiáticos caros, o Espírito Santo realizará num curto tempo com um exército de Gideão de evangelistas pobres e simples de países do terceiro mundo; e o resto do mundo ouvirá o Evangelho. Um remanescente de vencedores será levantado em justiça. Apesar da plena luz do Evangelho brilhando, a maioria se voltará para Satanás e será entregue à lascívia. A Bíblia não diz que os EUA sofrerão juízo só depois que o mundo inteiro for evangelizado.
Deus não precisa dos EUA para evangelizar o mundo. Os EUA falharam nessa missão. Os EUA ainda gastam mais dinheiro anualmente em ração de cachorro do que em missões. Haverá uma grande colheita final, e já está acontecendo agora. O Evangelho será divulgado no mundo inteiro por um grande exército de testemunhas nacionais em todas as nações da terra. É a última colheita do Senhor. Agora mesmo, o Espírito de Deus está levantando testemunhas florescentes na China. A América do Sul e a África serão cobertas de testemunhas poderosas de suas próprias terras. O México e a América do Sul estão abertos ao Evangelho e jovens evangelistas estão sendo levantados. Eles não precisarão de juntas missionárias, ordenações, grandes quantias de dinheiro e equipamentos sofisticados. Eles sobreviverão com muito pouco dinheiro, exatamente como sobreviveram os primeiros discípulos; e num curto tempo eles cobrirão a terra inteira com o Evangelho. E eles apontarão para o juízo ardente que Deus vai mandar sobre a moderna Babilônia rica e despreocupada como sinal de que o fim está perto.
Com informação de Charisma News.
Leitura recomendada:

25 de maio de 2015

Em mesquita, Brasil celebra primeiro lugar em liberdade religiosa


Em mesquita, Brasil celebra primeiro lugar em liberdade religiosa

Brasil está na frente dos Estados Unidos em liberdade religiosa, de acordo com o Centro de Pesquisa Pew

Julio Severo
O Brasil perdeu a copa mundial de futebol no ano passado, mas pelo menos está sendo celebrado por alcançar o primeiro lugar em liberdade religiosa no final de abril, de acordo com um estudo recente do Centro de Pesquisa Pew, numa reportagem do Serviço Noticioso Religioso.
Encontro ecumênico na Mesquita Brasil
Em 29 de abril, a maior e mais antiga mesquita da América Latina, a Mesquita Brasil, reuniu uns 700 líderes para sua Celebração de Liberdade Religiosa onde muçulmanos, adeptos de religiões afro-brasileiras, mórmons, Sikhs, espíritas, judeus, católicos, protestantes e adeptos do Rev. Moon jantaram lado a lado para comemorar a posição do Brasil como líder em liberdade religiosa. O tema foi “Brasil uma voz para o mundo.”
Entre os 25 países mais populosos, o Brasil está no primeiro lugar em liberdade religiosa, até mesmo na frente dos Estados Unidos, de acordo com um estudo do Centro de Pesquisa Pew.
O xeique Abdel Hammed Metwally, líder religioso da Mesquita Brasil, disse: “Esta será a primeira de muitas reuniões.” Ele frisou que o evento mostrará ao “mundo como o Brasil sobressai em posição de líder, tolerando e pacificamente acomodando os credos mais diversos.”
Entre os palestrantes estava o Élder D. Todd Christofferson, membro do Conselho dos Doze Apóstolos da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias (mórmon). Ele disse: “Incentivo vocês a se apegarem com firmeza às liberdades que vocês forjaram em seu país e assumir uma liderança corajosa na promoção da liberdade religiosa no mundo inteiro.”
Sobre o primeiro lugar do Brasil em liberdade religiosa, a Fundação de Fé Tony Blair (FFTB) disse:
“O nível elevado de liberdade religiosa no Brasil é notável enquanto o país comprovadamente passa por uma das mudanças religiosas mais dinâmicas do mundo hoje, sem nenhum conflito religioso ou sectário. À luz de pesquisas recentes que mostram que a religião está crescendo mundialmente, o exemplo brasileiro é digno de frisar e compreender, especialmente quando dia a dia testemunhamos casos no mundo inteiro do papel da religião em situações de conflito. O Brasil é excepcional em termos de liberdade religiosa. Entre os 26 países mais populosos do mundo, o Brasil tem as restrições mais baixas à liberdade religiosa. O Brasil tem restrições mais baixas, aliás, do que o Reino Unido e os Estados Unidos, onde as restrições estão aumentando.”
A FFTB também disse sobre o Brasil, “não tem havido incidentes registrados de hostilidade por causa de conversões ou proselitismo.”
O Brasil tem a maior população católica do mundo, mas a liberdade religiosa não era uma tradição brasileira por muito tempo. Enquanto nos EUA, a maior nação protestante do mundo, os católicos gozavam de liberdade significativa nos séculos XVII e XIX, no Brasil os protestantes não gozavam de mínima ou nenhuma liberdade. Até mesmo no século XX, os protestantes eram perseguidos no Brasil, e essa perseguição não era meramente críticas, mas perseguição física e econômica.
O fato de que o Brasil foi congratulado por uma distinção suposta de tolerância pacífica e liberdade religiosa é muito estranho, e mais estranho quando tal distinção é celebrada numa mesquita.
Na década de 1990, sob o presidente marxista Fernando Henrique Cardoso, o Ministério da Educação instruiu as escolas do Brasil a lidar com a feitiçaria, ou religiões afro-brasileiras, como mera “cultura” inofensiva.
Na década passada, sob o governo socialista de Lula, o governo brasileiro avançou esse conceito, ao tratar os adeptos da feitiçaria como “minorias oprimidas” e ao tratar a pregação cristã contra a feitiçaria como “crime de ódio.” As religiões de feitiçaria são em grande parte da Umbanda e Candomblé.
A pregação cristã tradicional contra a feitiçaria começou a ser rotulada de “perseguição” contra “minorias oprimidas,” e os líderes de feitiçaria tiveram permissão de acompanhar a delegação brasileira na ONU para expressar suas denúncias contra a “opressão” dos evangélicos brasileiros contra os adeptos da Umbanda e Candomblé.
As denúncias principalmente foram feitas por Ivanir dos Santos, um pai-de-santo do Rio de Janeiro. Ivanir denunciou na ONU “um novo tipo de perseguição religiosa no Brasil, que tem como alvo os terreiros de candomblé e os praticantes de cultos africanos, em atos provocados por neopentecostais.” O Brasil, disse ele, “é o único país que mantém o culto trazido pelos escravos e essa prática tem de ser defendida.”
A “opressão” denunciada por ele consiste em grande parte de evangélicos em programas de TV onde ex-adeptos da Umbanda e Candomblé deram testemunho sobre suas experiências passadas na feitiçaria e como Jesus Cristo os havia liberto, principalmente de espíritos demoníacos.
Não eram testemunhos de adeptos da Umbanda e Candomblé sendo assassinados por evangélicos, especialmente da linha renovada, pentecostal e neopentecostal, mas testemunhos deles sendo transformados por Jesus Cristo.
Esses programas de TV têm sofrido censura. No ano passado, vídeos do YouTube contendo testemunhos de ex-adeptos das religiões afro-brasileiras que hoje são pentecostais foram removidos por ordem judicial, por incitação de Ivanir dos Santos. Em sua decisão, o juiz declarou que os testemunhos deles não eram contra uma religião, mas contra uma “cultura.”
Essas perseguições judiciais não são apenas contra pentecostais.
Em 1998, um juiz no estado da Bahia havia ordenado o confisco de um livro escrito pelo padre católico Jonas Abib, em que ele condena a feitiçaria como imoral, conforme reportagem de LifeSiteNews, que disse:
“O livro ‘Sim, Sim! Não, Não! Reflexões de Cura e Libertação’ adverte os leitores contra os perigos do ocultismo, inclusive as religiões afro-brasileiras conhecidas como ‘espiritualismo.’ De acordo com o site do Pe. Abib, o livro já teve 81 reimpressões e vendeu mais de 400 mil exemplares. ‘Pe. Jonas, assim como Paulo, ousadamente denuncia as obras das trevas, levando o leitor a se conscientizar sobre o controle da mente, a ioga, a astrologia, a magia e a evocação dos mortos, revelando a verdade sobre as obras das trevas, com as quais é preciso romper urgentemente,’ diz um resumo do livro postado no site dele. O promotor público Almiro Sena, porém, acusa Abib de ‘fazer declarações falsas e discriminatórias sobre o espiritismo e sobre as religiões da África, como a Umbanda e o Candomblé, assim como incitação flagrante à destruição e desrespeito a seus objetos de culto.’ Ele acrescentou que a violação é mais grave porque ‘a Constituição estadual [da Bahia] diz que é obrigação do Estado preservar e garantir a integridade, respeitabilidade e permanência dos valores das religiões afro-brasileiras.’”
O governo passado de Lula e o atual governo de Dilma Rousseff (ambos os governos mais socialistas da história do Brasil) tinham e têm políticas ativas para proteger as religiões afro-brasileiras como “cultura” herdadas de escravos africanos. Enquanto as tradições católicas e protestantes estão cada vez mais sendo banidas das escolas e outros locais governamentais porque o Estado é “laico,” as religiões afro-brasileiras e suas práticas estão fazendo incursões, com assistência estatal, nas escolas e outros lugares, de forma privilegiada. Pois o Cristianismo é religião, e as religiões afro-brasileiras são “cultura.”
Com tais proteções estatais, até os negros brasileiros são proibidos de criticar os deuses afro-brasileiros, conforme relatado por mim no WND:
“No Rio, um pastor pentecostal levou um criminoso a Jesus e o convenceu a se entregar à polícia. O Pr. Isaías da Silva Andrade acompanhou o ex-criminoso à polícia e quando lhe perguntaram como a vida dele havia sido transformada, o pastor respondeu que o ex-criminoso vivia sob a influência de demônios das religiões afro-brasileiras que o inspiravam a se envolver com conduta criminosa, mas agora ele encontrara salvação em Jesus. Por causa desse relato inocente, o Pr. Isaías está agora sofrendo ações criminais por discriminação contra a ‘cultura’ afro-brasileira! Se condenado, ele cumprirá sentença de dois a cinco anos de prisão.”
Como filho de uma ex-líder de Umbanda que aceitou o Evangelho de Jesus Cristo, não vejo problema em falar a verdade sobre a feitiçaria que vem da África. Aliás, os brasileiros se lembram, quando não existia a ameaça de censura racial politicamente correta, dos escândalos regulares noticiados pelos meios de comunicação de pais-de-santo envolvidos em muitos sacrifícios de crianças.
No passado, os jornais eram livres para noticiar e denunciar sacrifícios de crianças nas religiões afro-brasileiras. Você pode encontrar notícias antigas sobre esses crimes envolvendo estupros e assassinatos de crianças cometidos por pais-de-santo. Mas hoje em dia, sob o olho monitorador do Estado, só reportagens bajuladoras são permitidas, tais como “religião” oprimida, religião “ameaçada,” etc.
Hoje, a mídia brasileira não mais noticia sobre pais-de-santo que sacrificam crianças. E não quer falar sobre outros crimes relacionados.
Quando o pastor pentecostal Francisco de Paula Cunha de Miranda foi morto a facadas por um pai-de-santo em 2008, a imprensa brasileira permaneceu em silêncio.
Miranda, de 47 anos, foi assassinado no Rio Grande do Sul. Ele era negro (e não pode, nem depois de sua morte, ser acusado de “racismo”) e estava no 33º dia de jejum de uma campanha de oração quando o pai-de-santo Júlio César Bonato, sob possessão da entidade “cultural” exu caveira, saiu do terreiro em pleno ritual para ir até o pastor.
O pai-de-santo voltou a seu ritual com sua faca ritualística ensanguentada.
O pastor, que estava bem fraco devido ao longo jejum, foi morto a golpes de faca.
A imprensa brasileira permanece em silêncio sobre esse assassinato horrendo até hoje.
Em 2010, um grupo de adeptos da Umbanda matou a facadas outro evangélico, Nilton Rodrigues, de 34 anos, e feriu outros, inclusive um pastor evangélico, João Carlos de Oliveira. De novo, a imprensa brasileira ficou em silêncio.
Estou preocupado que a proteção especial às religiões afro-brasileiras possa ter sido fortalecida por Condoleezza Rice, uma famosa filha de um pastor presbiteriano americano. Em 2008, ela foi ao Brasil para fortalecer as raízes das religiões afro-brasileiras. O exemplo dela mostra que as religiões afro-brasileiras são agora um interesse internacional.
Como no caso da homossexualidade, a mera crítica à bruxaria é tratada como “preconceito, discriminação, intolerância,” etc. Agora, até livros católicos criticando a bruxaria são proibidos.
As práticas afro-brasileiras que sempre foram vistas como feitiçaria pela sociedade brasileira estão cada vez mais sendo protegidas pelo governo e mídia do Brasil. E o Cristianismo e seus valores estão cada vez mais perdendo proteção e até sendo atacados por eles.
A sodomia, que tem sido exaltada e recebido a condição de um direito humano especial pelo governo socialista brasileiro, é em grande parte praticada pelas religiões afro-brasileiras, onde seus deuses e espíritos seduzem e levam seus adeptos, especialmente seus sacerdotes, à prostituição, inclusive a homossexualidade.
O que tem sido designado de “liberdade religiosa” no Brasil é meramente as elites socialistas seguindo tendências politicamente corretas, especialmente dos EUA, onde a homossexualidade é agora culturalmente santificada e direitos cristãos são subordinados aos caprichos homossexualistas. O Brasil está seguindo essa tendência. A homossexualidade é agora incriticável no governo e mídia do Brasil.
Junto com a homossexualidade, o islamismo é agora a nova tendência incriticável no Brasil.
A celebração numa mesquita do Brasil como campeão de “liberdade religiosa” mostra que o Brasil está seguindo com total submissão as tendências esquerdistas dos EUA. E se os EUA não estão no primeiro lugar em tal “liberdade religiosa,” por que o Brasil? Pode um discípulo estar acima de seu mestre?
Tente criticar o islamismo no Brasil. Em 2009, quatro jornalistas muçulmanos fizeram queixas contra mim no Ministério Público Federal por causa de textos em meu blog criticando o islamismo.
Queixas também foram feitas por militantes homossexuais e adeptos da bruxaria contra meu blog.
Esta é a liberdade religiosa do Brasil.
O evento numa mesquita do Brasil celebrando o suposto primeiro lugar do Brasil em liberdade religiosa é bom para o islamismo e é bom para a bruxaria brasileira.
Mas não é bom para os cristãos que são ex-adeptos dessas religiões, os quais sofrem discriminação, repressão e censura por dizerem a verdade sobre seu sofrimento nessas religiões.
O Brasil está sendo lançado ao primeiro lugar de uma liberdade religiosa às custas dessas vítimas silenciosas da opressão da bruxaria.
Mesmo assim, o xeique Abdel Hammed Metwally, líder religioso da Mesquita Brasil, garantiu: “Esta será a primeira de muitas reuniões.”
As mesquitas serão agora plataformas politicamente corretas para apresentar ao mundo um Brasil campeão em liberdade religiosa às custas dos cristãos e sua liberdade de expressão?
Leitura recomendada:

24 de maio de 2015

Frente Parlamentar em Defesa e Contra a Família?


Frente Parlamentar em Defesa e Contra a Família?

Julio Severo
O senador Magno Malta (PR-ES) foi eleito presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Família e Apoio à Vida (FPMDFAV), relançada na quarta-feira passada (20) no auditório Petrônio Portella, no Senado.
O título mais apropriado deveria ser Frente Parlamentar em Defesa e Contra a Família, porque os senadores Romário (PSB-RJ) e Ana Amélia (PP-RS), que foram eleitos para ocupar as duas vice-presidências da FPMDFAV, são conhecidos apoiadores da causa homossexual, inclusive “casamento” gay. Isto é, eles são inimigos da família natural.
No que se refere ao homossexualismo, Romário é um show. Ele foi flagrado de mãos dadas saindo com um transexual em 2013. O UOL Notícias revela que ele teve um caso homossexual de um ano.
Romário com transexual
Perguntado pela mídia se ele é a favor do “casamento” gay, Romário respondeu: “Sou, pô. Eu sou a favor da felicidade. Cada um dá o que é seu e f...-se os outros.” Como é que uma criatura dessa vai parar na vice-presidência de uma iniciativa pró-família? Como é que ele vai conseguir defender a família natural se ele defende a família contra a natureza?
Alguns evangélicos estão cientes desse escândalo na FPMDFAV e estão preocupados.
Em entrevista ao Blog Julio Severo, Paulo Teixeira, do Blog Holofote, desabafa: “Discordo que a senadora Ana Amélia seja integrante da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Família e Apoio à Vida, pois ela já tem uma posição definida em relação a ‘outra forma de família.’ Em 2011, na iminência do STF decidir se o regime jurídico das uniões estáveis previsto no Código Civil poderia ser estendido aos ‘casais’ homossexuais, a senadora manifestou ser favorável ao reconhecimento dessa ‘união,’ classificando-a como um ‘direito inquestionável’ dessas pessoas, conforme publicou o Jornal do Comercio em 3 de maio de 2011. Em outra oportunidade, Ana Amélia, em evento com Marta Suplicy e ativistas LGBT, manifestou apoio pela aprovação do PLC 122 (Lei da ‘Homofobia’).”
Teixeira também disse: “Outro senador que não merece estar na Frente comandada por Magno Malta é o senador Romário. O ex-jogador manifestou em entrevistas passadas ser favorável ao ‘casamento’ gay. De acordo com notícia publicada no site da Band, Romário saiu em defesa de Jean Wyllys e seu projeto sobre ‘casamento’ gay: ‘O Jean (Jean Wyllys-PSOL, ex-BBB, autor do projeto) é um cara muito inteligente. Eu sou a favor da felicidade. Se as pessoas se casam e são felizes, independente do sexo, é o que vale.’”
Finalizando, o dono do Holofote cobra: “Como podem, então, ser esses senadores integrantes de uma Frente que defende ideais diferentes? O senador Magno Malta precisa explicar isto, sob pena de a referida Frente começar sob a suspeição de ser apenas mais um instrumento politiqueiro para colocá-lo em evidência.”
O relançamento da Frente teve a participação de outro senador evangélico, Walter Pinheiro (PT-BA), um notório ativista de causas socialistas. O Bispo Manoel Ferreira, antigo aliado do Rev. Moon, também estava presente.
Malta defendeu o projeto do Estatuto da Família, cujo objetivo é defender valores pró-família contra o “casamento” homossexual e a legalização do aborto.
A intenção dele é excelente. Mas como ele espera defender o casamento e a família natural quando seus dois vice-presidentes defendem um casamento fajuto e uma família contra a natureza?
Na mídia evangélica, o relançamento da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Família e Apoio à Vida deu destaque ao senador Magno Malta. Com esse destaque, ficou fácil ver que o propósito é defender a família. A presença de Malta torna a imagem da Frente positiva.
Contudo, com a revelação de que dois vice-presidentes da Frente são homossexualistas (ativistas em favor das causas homossexuais), a imagem que ficou é que a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Família e Apoio à Vida vai lutar por qualquer tipo de “família,” seja natural ou contra a natureza. A presença de dois, ou mais, homossexualistas torna a imagem da Frente negativa.
Se de fato Magno Malta pretende lutar a favor da família, ele terá de começar fazendo isso dentro de sua própria Frente.
Ele precisará ajudar os senadores Romário e Ana Amélia a aceitarem Jesus Cristo como Salvador e Senhor. Só assim eles abandonarão seu ativismo homossexualista contra a família natural. Do contrário, o conflito será inevitável numa frente supostamente pró-família em que o presidente é contra o “casamento” gay, mas os vice-presidentes são a favor.
Com informações da Agência Senado.
Leitura recomendada: